17 fevereiro 2006

Um aconselhamento para morte

Nota da autora: As palavras das personagens reais deste texto foram tiradas, com pouquíssima edição, da seção “No divã com Caio” do site de Caio Fábio. O título do aconselhamento é: “A escolha de Sofia”.

Cena: Um homem evangélico, cristão desde pequeno e casado com uma missionária, recebe dos médicos a notícia de que a menininha que sua esposa carrega no ventre é portadora da síndrome de down. O fato não lhe desce pela garganta: “Por que Deus fez isso conosco, logo com minha mulher, que O ama tanto?” Os conflitos não parecem cessar, e juntos resolvem ir ter com um amigo cristão, psicólogo, que os aconselha a abortar a criança. “O nascimento traria muito mais dor para vocês e para a neném”, ponderou ele. Marcaram então o procedimento com o médico. Porém, se o homem estava racionalmente convencido, seu coração lhe dizia que talvez aquela não fosse a decisão correta.

Um dia antes da intervenção, o homem resolveu escrever a Caio Fábio, que tem um site com uma seção de aconselhamento. Explicou seu caso e expôs a ele sem pudores seu estado de alma: “Estamos terrivelmente abalados. Será pecado? Teríamos esse direito?” Pediu que Caio lhe dissesse se poderia livrar sua filha “de uma vida de preconceito, tratamentos dolorosos e morte prematura”.

– Por favor, me ajude a ter paz! –escreveu, por fim.

E mandou a mensagem para o correio do site de Caio.


Uma resposta de morte

O homem torturado por sua incapacidade de aceitar a vinda da filha doente queria uma resposta que satisfizesse a ambos: seu inconformismo e sua moral cristã. É o que deixa entrever com essas palavras: “Por favor, me ajude a ter paz!” Já havia tomado a decisão de abortar sua filha, mas pediu um dia antes a Caio Fábio, requisitado por muitos como sacerdote evangélico, que acalmasse seu espírito, endossando-a ou não. Era uma forma de tentar a Deus, para ver se de última hora Ele o impediria de fazer algo tão terrível, e ao mesmo tempo oferecia-se a um grande risco: o de receber uma resposta que, por seu impacto de verdade, pudesse convencê-lo a abdicar do controle sobre seu cronograma, a encostar em um canto suas expectativas sobre o filho que queria ter, a abrir à força na alma um espaço para amar um serzinho de olhos puxados que dependeria dele por toda a vida. Mas Caio lhe deu o que ele preferia ouvir:


Digo-lhe, com minha consciência limpa diante de Deus, que se eu estivesse em situação semelhante, com todas as dores desta vida, ainda assim aceitaria a sugestão do psicólogo e cristão. Pecado, meu irmão, é ter filhos sem amor. Foi somente quando eu decidi crer de todo o coração que Deus “sabe”, e sabe com verdade e amor quem eu sou e o que existe em meu coração; e que Ele não é moralista em seu saber, posto que a verdade não é moral, mas apenas verdade – foi então que fui aprendendo a andar em paz, até quando o mundo inteiro diz que estou errado.

No entanto, o casal não leu essa resposta: o tempo havia passado e, se Deus não interveio, pai e mãe prosseguiram com seus planos. No que teria dependido de Caio Fábio, se tivesse respondido a tempo, a menininha doente morreu sem conhecer a luz do dia – e com ela, ainda que não saibam disso, uma parte de seus pais morreu também.



Analisando a resposta de morte

Em A mente de Cristo, escrevi que as igrejas evangélicas brasileiras tendem a seguir o mundo quando cedem ao subjetivismo que caracteriza nossa época, particularizando tanto a mensagem do Evangelho que muitas vezes as afirmações dos púlpitos não desafiam as mentiras vigentes no mundo, pois não as tangenciam. Jesus, assim, raramente é apresentado como a luz que ilumina a todos os homens (João 1:9), ou seja, “para a humanidade”, mas apenas “para a sua vida”. É como se os Evangelhos servissem para resolver problemas pessoais, mas não trouxessem a resposta para a desordem do mundo. Isso, sem dúvida, é uma mutilação na forma de comunicar a verdade.

Uma outra maneira de entender isso é o seguinte: a lei é uma instância objetiva. São os mandamentos de Deus que nenhum homem pode descumprir sem se tornar um condenado à morte – e a Bíblia diz que todos a descumprem automaticamente depois do pecado original. A lei, portanto, como afirma Paulo, é para condenação, pois simboliza a ordem objetiva que Deus quer dar ao mundo, a todos nós, e que sozinhos não podemos alcançar. Mas Deus é um Deus também de subjetividade, e Jesus, que veio na forma de uma pessoa, mostrou isso claramente.

Porém, Ele tinha dito que não viera para anular a Lei. Essa é a questão. Ele veio para dizer que só com Ele essa ordem ideal de Deus é possível. Nele, somos capazes de satisfazer o padrão objetivo divino, ao sermos purificados por seu perdão. Nele alcançamos graça para não vivermos em pecado. Um dia, Ele restaurará toda a ordem do mundo, e não viveremos mais sujeitos ao pecado. Dessa forma, Ele une as duas pontas em si, objetividade e subjetividade, sem conflitá-las.

Raramente sabemos fazer isso, principalmente nos últimos três séculos. O objetivismo presente no racionalismo dominante desde Descartes tem feito crer que Deus está tão longe, encastelado em suas leis, que não olha para cada pessoa de modo específico. E seu oposto correlato, o subjetivismo? Consiste em crer que Deus está tão perto, tão apaixonado por nós, que não liga se quebramos as leis de vez em quando. É onde se firma Caio Fábio para aconselhar o casal ao aborto.

Diz ele: “o ato homicida no aborto é aquele praticado com descaso e frieza por aqueles que transam irresponsavelmente e decidem descartar as eventuais situações de gravidez (...) Essa, no entanto, não é a situação de vocês. Ao contrário, Deus vê a angústia de suas almas e o amor que vocês já têm por esse rebento que foi formado com uma deficiência de natureza irreversível, a qual, foi antecipadamente revelada a vocês. (...) se o casal foi informado durante a gestação, e se angustia com o que será de suas vidas e da vidinha da criança, a menos que surja uma súbita convicção da parte de Deus no coração, o que deve ser feito é o que vocês fizeram.”

Ou seja: ele não ignora a lei – aborto é homicídio – , mas a subjetiviza. Se o aborto for praticado com dor no coração, porque “Deus vê” de perto e sabe as nossas dores, passa a ser permitido. Assim, a lei é relativizada em prol da subjetividade humana! Em vez de caminhar lado a lado com a lei, a subjetividade passa a subordiná-la, tal como uma tirana disfarçada de bondade. Passa a importar menos o ato em si (destruição de um ser criado por Deus) que a motivação interior de quem o perpetra (recusa de aceitar a doença desse ser). Veja que Caio Fábio pretende inaugurar uma nova forma de direito: aquela que coloca as motivações acima da gravidade do ato. Ora, sabemos que a culpa pelo ato é minimizada pelas leis dos homens em alguns casos de emotividade extrema. Mas minimizada não significa apagada – nesse caso, o aborto continuou a ser homicídio, e como tal deveria ter sido desaconselhado em qualquer caso, não incentivado ou confirmado.

Além disso, o argumento-mestre de Caio Fábio passa a ser o seguinte: se vocês não conseguem suportar a idéia de receber a criança desse jeito, é porque Deus não não está lhes dando “convicção”, logo permite o aborto nesse caso específico. Ora, quem disse que os nossos sentimentos equivalem aos sentimentos de Deus? De novo, a subjetividade impera sobre a objetividade. Nesse andar, Caio Fábio acabará sancionando todos os seus atos e sentimentos – quando a Bíblia ensina que o coração do homem é enganoso e nossos pensamentos não são os de Deus. Podemos sentir paz quando Deus não nos dá paz e tomar decisões erradas em nossa vida, e é por isso que nossa subjetividade precisa ser constantemente moldada à luz de Seus preceitos. Creio firmemente que era esse Seu intento em toda a história: os sentimentos do casal – horror à idéia de criarem uma filha com síndrome de Down – seriam transformados se eles tivessem ouvido a Deus para essa grande oportunidade de transformação. Ele os ensinaria a amar a filha em suas imperfeições e limitações, a cuidar dela em todos os momentos; e mesmo se eles rejeitassem tal aprendizado ela jamais seria um “aborto vivo”, como afirma no mesmo texto Caio Fábio, pois a Bíblia fala dos filhos desprezados pelos pais que Ele acolhe: “Eu serei seu pai e sua mãe.” Em nenhum momento a criança seria abandonada.

Em seu humanismo e seus argumentos torcidos, porém, Caio Fábio chamou o caso de “Escolha de Sofia” (mal ou mal) e só pôde vislumbrar morte nas duas opções: tanto no nascimento da menina, que significaria para ele a morte simbólica dos pais, quanto na sua morte, morte real, a pior opção, irreversível e fonte de culpas sem fim. Com Deus, a primeira opção significaria sempre vida, e vida em abundância, pois Ele não desampara Seus filhos. Mas Caio não viu a graça que dá vida, e suas palavras foram de morte. Peço a Deus que as vivifique, pelo bem de sua alma e das pessoas que ainda irão ouvi-lo.

26 comentários:

Julio Severo disse...

Denúncia muito necessária. Parabéns pela ousadia. Pena que Caio se esqueceu de que um dia ele escreveu o livro "Abrindo o Jogo sobre o Aborto". Pior é que ele parece ter esquecido muito mais.

Wilson Bento disse...

Eu fico impressionado com a facilidade que o Caio Fabio tem de dar um conselho do inferno para um casal completamente abalado emocionalmente. Ele (Caio) tem se mostrado apostata e pervertido, nao se pode mais considerar suas palavras e muito menos seus conselhos.
Tive um embate com ele no ano passado quando ele aconselhando uma filha de pastor, homossexual, disse que Deus criou tres sexos, masculino, feminino e gays...depois dessa (que ele respondeu sem responder), abortei ele da minha vida e todas as pessoas que considero e amo aconselho este aborto "caiofabiano" tambem.

Augustus Nicodemus disse...

Norma,

Não posso deixar de manifestar meu integral apoio à sua análise. É realmente um aconselhamento baseado numa visão relativista, pragmática e eticamente utilitarista.

Mas, é uma situação difícil. Penso no que diria qualquer outro que recebesse a consulta. Não é fácil dizer o que as pessoas não desejam ouvir, como: "pode parecer difícil criar uma criança assim, mas Deus ajudará os que se dispuserem a fazer o que é certo à luz de Sua Palavra". É preciso coragem e autoridade espiritual e moral para poder dar conselhos impopulares sem que o aconselhado responda: "Médico, cura-te a ti mesmo".

Um abraço.

Adelice disse...

Oi Norma,

Adorei o texto. Claro! Um grande abraço.

Márcio S. Sobrinho disse...

Norma, que Deus livre as pessoas de darem ouvidos a guias cegos e falsos mestres como Caio Fábio -- muito embora isso já esteja previsto nas palavras do apóstolo Paulo quanto à estes últimos dias. Caio Fábio pensa ter descoberto um novo continente de verdades moralmente neutras, sem saber que refaz o caminho do porco à lama: é o cão que entorna o seu próprio vômito: que mentira mais apaziguadora pode confortar o coração de um pecador impenitente do que afirmar ou ouvir que nenhuma sanção moral está sobre seus ombros, "posto que a verdade não é moral"? Se há volta dessa sua condição atual, só sendo pela graça, e que Deus possa ter misericórida, porque todo o livre-arbítrio que CaiU Fábio agora diz ter ainda não foi suficiente para que ele levantasse a si mesmo...

Conquanto certamente não tivesse (nem o antigo nem o atual) Caio Fábio em mente quando escreveu estas linhas, Olavo o descreveu muito bem quando disse: "A rejeição categórica do direito ao aborto decorre de evidências cristalinas, que só uma mentalidade torpe pode negar. Mas o mal não está nas mulheres que abortam, enganadas pelo desespero. Está no defensor do aborto, que com fala mansa pretende induzi-las a tornar-se homicidas. Caso elas aceitem a proposta, das duas uma: ou estarão criando ainda mais um motivo de culpa, sofrimento e desespero, ou então terão de sufocar no seu coração todo sentimento de culpa, tornando-se frias e desumanas como seu pérfido conselheiro."

Forte abraço.

Ana disse...

O grande problema é que religião é uma coisa feita por homens e para homens. E a partir disso é que entra todos os erros e contradições.
Muitas veezs mal sabemos o que estamos falando, e queremos pregar isso como verdade absoluta.

( primeira vez que visito o seu blog. )

Norma disse...

Augustus disse tudo: coragem, autoridade espiritual e moral. Quem, em tempos de relativismo e laxismo modernos, ousará levantar-se contra esse pragmatismo subjetivista? Somente quem não hesitar em desafiar o mundo como Cristo desafiou. De forma dura (fariseus, Pedro) ou doce (mulher adúltera, samaritana, Pedro também!), Ele sempre deu às pessoas não o que elas queriam ouvir, mas do que sua alma precisava. Precisamos aprender com Ele a fazer isso, e distinguir o modo certo para cada caso: dureza com o coração duro, doçura com o coração ferido. Mas sempre enfrentando o pecado como pecado.

Ana, obrigada pela visita! É certo que quem tem uma religião precisa tomar muito cuidado para não sancionar suas palavras como se fossem de Deus. Para isso, conscientizar-se constantemente de sua finitude e reconhecer-se pecador (ou seja, passível de erros) é fundamental.

Abraços!

Wilson Bento disse...

A questao aqui nao eh religiao, nem de opiniao propria.
Quando alguem se apresenta como um pastor evangelico para das "conselhos" ou "orientacao", o minimo que se espera eh que ele creia que a Biblia eh a unica verdade, a verdade absoluta, e pelos seus principios dirija o aconselhamento.
Ninguem eh obrigado, se nao quer, a pregar a Biblia como unica e suficiente para promover a saude, mas entao que nao diga que eh cristao, seja somente um "psico-terapeuta", o que afinal eh tambem o que o Caio diz ser.

Norma disse...

É verdade, Wilson. Mas mesmo como "terapia" é estranho. Nada no site dele (pelo menos, nada que eu tenha visto) mostra sua formação em psicologia, currículo etc. No entanto, ele oferece consultas e cobra por elas. E as consultas são por MSN! Nunca vi um psicólogo fazer isso.

André disse...

Parabéns pelo blog, visito-o pela primeira vez. Tomei conhecimento dele em e-mail da uniãonet.
Palavras sábias, prezada irmã, você coloca comentando a situação envolvendo Caio Fábio. Na primeira vez que visitei o site de Caio, sério, me enjoou o estômago, minhas entranhas abalaram-se.
Mas.... Que tristeza! Conselhos que levam a morte!
Bíblia, Bíblia e Bíblia, verdadeiramente como diz a Bíblia! É a vida que pregamos, é a vida que levamos.
Oremos pois!
André

Fernando disse...

Segundo a tradição judaica Isaque foi morto pelo seu pai, porém ressuscitou.
Isaias andou nu, pecado mortal naquela época.
Jesus tocou leprosos, ora logo um Rabi?

Deus me parece acima de moral dos homens (e da própria Lei), não sou a favor de abortos (Na maioria dos casos) porém cada caso deve ser analisado individualmente.
As decisões devem ser tomadas pela Vida e não pelo conhecimento do Bem e do Mal.
Abraços

Norma disse...

Amigo Fernando, a Vida já foi decidida no momento em que Deus permitiu a concepção do bebê no ventre da mãe. Não pare o processo, é tudo que a Vida pede, ordenada por Deus.

BISPO ALBERNAZ disse...

Conheci o Pr. Caio Fábio, ele teve seu tempo, sua oportunidade, sua unção, sua voz profética. Infelizmente como Esau, trocou tudo aquilo que Dus colocara em suas mãos por um prato de lentilha, ou melhor, por um banquete de mulher e se deleitou o quanto podia. O problema é que ele fez como Sansão, levantou-se, e disse: Mais uma vez sair-me-ei bem como das outras vezes, só que o Espirito Santo o havia abandonado. Nem Davi escapou das consequencias de seus atos, no entanto, Davi reconheceu seus erros, se humilhou diante de Deus e aceitou recomeçar mesmo passando pelas provas terriveis durante toda sua vida. Ele procurou recomeçar lá debaixo enquanto nosso amigo retornou querendo dar continuidade lá de cima, pior, vem discipulando e arregimentando pessoas que incitam ódio entre irmaos é o que tenho visto em alguns blogs e videos no youtube... isso não é cristianismo é proselitismo. Como disse, conheci o Pr. Caio Fabio, esse homem ai não é nem metade do que o outro foi. Infelizmente, consequencias. Shalom Adonai Aleichem

Eduardo Vaz disse...

parabens amiga..voz profetica..
É isso ai....A logica de Caio o faz delirar em muitas coisas...Eu amo Caio Fabio, mas nao dá para deixar de ver que ele delira em alguns de seus atuais pontos de vista..

Valéria disse...

Estive lendo o que aqui foi exposto por vç e todos os que comentaram. Tive algumas discussões bem acaloradas com o Caio em função de discordar dele e suas posições anti-bíblicas. Em 2007 ele escreveu um artigo, dentre os muitos absurdos que costuma escrever, sobre o uso de camisinha pelos crentes "de gravata", enfim discordei dos seus argumentos e sem nenhuma intenção obscura, resolvi falar-lhe. Que lástima! Deveria ter ficado calada e teria me poupado de ver tamanha arrogância se confirmar...Vejam só como ele começou me respondendo: "Minha filha,

Vc está viciada em religião e pensa que sou assim. Li hj a sua carta da camisinha. Vc usa OB? Toma remédio? Usa obturação? Não põe nada sintetico no corpo, nos dentes? Não use camisinha, mas não diga que não usar é melhor do que não usar para quem faz sexo vc querendo ou não." Ele deturpou o que eu disse e quis a todo custo justificar sua defesa pela camisinha como algo de que dispomos para nos proteger, como o portão automático, o alarme do carro, o seguro, etc. O interessante é que no debate comigo, "MINHA HOSTILIDADE", segundo ele, ficaram só entre nós, agora, quando enfim terminei por dizer francamente tudo que pensava sobre sua conduta, ele resolveu responder via site, afinal alcançaria seus fervorosos súditos que por fim só ouviriam a sua "voz". Caio só coloca em seu site o que lhe convém, ou melhor, lhe promove. "Ele se acha tão - tão - que é como que inexpugnável - blindado por todo tipo de conduta, comportamento e de repreensão." nada pode lhe atingir, ele está completamente livre de toda CULPA e justificado por toda GRAÇA, enfim o JUÍZO de Deus vai passar bem longe dele. LEDO ENGANO! Que Deus nos livre de ter "comichão" nos ouvidos e nos ajude a termos somente sua Palavra em mente.

karina disse...

Não sei o que aconteceu com o Caio Fábio, penso na Palavra: as muitas letras o fizeram mal. Creio que o desejo de querewr dar respostas a todas as coisas é terrível; principalmente mostrar o destino das pessoas em seu divã cibernético. Caio está contaminado, está leproso, doente; creio que deve se tratar em algum lugar neste mundo de Deus.

Abraço

Darlan

Jesser Medeiros disse...

Através do site do Severo, cheguei até aqui e li seu texto.
Excelente abordagem. É raro ver alguém contestar a "vaca sagrada" de Brasilia.
Tive o desprazer de discutir com um fabiólatra que me jurou de pancada se conseguisse por as mãos em minha pessoa.
Esses defendem as maluquices de um pregador que outrora embevecia as plateias com seu conhecimento e pregava coisa com coisa. Hoje não é sequer sombra do que já foi.
Infelizmente.

O que Davidson diz... disse...

Amados, voces vejam o que acontece com um homem que perde a direção do Espírito Santo e tenta "fazer" a obra em seu próprio entendimento... Acho que tudo o que Caio Fabio deveria ter feito, era pedir perdão a Deus e a toda igreja pela meleca pública que ele fez. Entretanto, dado ao seu grandioso orgulho apoiado em seu intelecto, que agora perceptivelmente influenciado por satanás...isso se tornou impossível aos nossos olhos. Eu oro para que o Espirito Santo ainda possa convecê-lo do erro e do pecado pois o caminho que ele está trilhando todos sabemos onde vai dar. Saudações a todos os irmão. Davidson-Natal/RN

Maya Felix disse...

Norma,

Nuca havia lido esse texto, mas finalmente tomei conhecimento dele. Parabéns pela clareza e lucidez, você, como sempre, pensa e escreve brilhantemente.

Um abraço,

Mayalu

Elias Junior disse...

faço das palavras de Julio Severo em seus artigo: http://juliosevero.blogspot.com/2010/03/caio-fabio-ataca-julio-severo.html ,
minhas palavras,nesse pequeno trecho:
"A graça fingida de Caio Fábio leva a intrigas e fofocas e a uma mente doente cheia de amargura. Leva também a posturas e opiniões maliciosas, traiçoeiras e dissimuladas sobre aborto, homossexualismo e meio-ambiente. Mas o que vem de Deus age em nós de forma muito diferente:

“A graça de Deus nos treina para evitar vidas ímpias cheias de desejos mundanos de modo que vivamos vidas com domínio próprio, integridade moral e dedicação a Deus neste presente mundo”. (Tito 2:12).."

vou publicar este post em meu blog!!!

arissbraga disse...

Lamentavel a posição de um ex-lider religioso "Caio Fabio" (se bem que nunca foi meu lider), ter opinião tão doida como esta, eu e minha esposa tivemos uma filha com a sindrome de Padrer Willi, foi dificil para nós mas de uma coisa tivemos certeza que o amor por ela deixado foi imensuravel (faleceu com 20 anos)jamais teria permitido que minha esposa a abortasse.

Élida disse...

Parabéns,Norma!Esse Caio Fábio é um operário de Satanás.Pena que as pessoas que o seguem não estão vendo isso.

rejivilela disse...

Oi Norma,adorei o texto que você analisou e por sinal uma analise maravilhosa.
Eu pude perceber que esse cara que se diz ser um pastor porque para mim não é, pois se realmente ele fosse um pastor nunca daria esse conselho ridículo. Como que um Pastor dá um conselho sem fazer uma oração, sem abrir a Bíblia, sem ouvir o que Deus tem para dizer?
Espero que ele um dia possa cair em si e reconhecer todos seus erros e concertá-los em vida e que não seja tarde demais pra cair em Si e viver verdadeiramente o chamado de Pastor e voltar a fazer a vontade de Deus e não mais a Dele.
Rejane Sobreira F. Vilela.

Oliver disse...

Gente querida, eu pessoalmente tenho estado muito triste com o que vem acontecendo a muitos anos na igreja de um modo geral. Nao vejo um grupo ou denominaçao no nosso meio (seguidores de Jesus), que esteja amando a Jesus, aos irmaos em Cristo, e o povo lá fora na plenitude, a nao ser indivíduos no meio desses grupos. Nao defenderia a A nem B. Creio que devemos parar de tantas discusoes. Por favor, oremos por todos os que estao de pé, e pelos caídos tambem! Amemos aqueles que julgamos estar no erro. Tenho um grande temor de ser categórico em relaçao aos outros porque tenho que me julgar todos os dias. Todos estao brigando dizendo verdades e coisas equivocadas ou até mentirosas. Há erros pra todo lado!! em todas as linhas cristãs. Dobremos os joelhos amados!! Oremos, amemos, tenhamos temor nas palavras, nós os que julgamos estar mais corretos no crer, e no seguir o nosso Senhor. Fixemos na presença santa que arde em nosso peito pra que sejamos cheios de misericórdia quanto mais creamos que estamos firmes! Deus os abençoe com quebrantamento, bem como a mim, pra que todos sejamos achados humildes e dependentes dDele que nos ama. O Cáio já deu muito fruto pra Glória de nosso Deus, agora peça aos céus por ele!! Desejo muito mesmo que todos nós que aqui estamos comentando, entremos no descanso do nosso querido Deus. Muitos estao caídos, e nao foram expostos. Temamos a Deus. Paz e amor do Espírito Santo que nos assiste na terra nestes dias finais.

eliezioobreiro disse...

bom dia .meus irmãos .eu tive o desprazer de defender o caio Fabio em um conselho sobre homo sexualismo dado por ele . mas um tempo depois assisti na integra outro comentário e tudo .tudo mesmo me deu nojo.pela palavra que mais pareciam de vagabundos de esquina onde so se fala oque não presta e todo mundo fica rindo pela pouca vergonha proclamada. eram coisas que só o falar já dizem que não se tratam de pessoas serias e fiquei mais escandalizado quando ele declara que na época da vinde .empregava homossexuais .nada contra os mesmos mas lembremos que a vinde era u8ma empresa crista ligada a igreja da qual o mesmo fazia parte [não vou falar em respeito a mesma]. o mesmo segue falando que havia um pastor com tendencias homo e ele mesmo assim o deixou trabalhar no local ate este fazer um dos seus funcionários cair.os comentários são tao pesados que não e recomendável que mulheres assistam pois parecem de um roteirista pornográfico.se alguém tem duvida esta no you tube.e ainda tem gente que abre a boca pra dizer que este cara e uma benção .se fosse maldição como seria?

Denilson Cunha disse...

Norma, veja esse vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=Ju-q4OnBtNU

Abraços