23 fevereiro 2006

"Dois pesos e duas medidas"

O mundo inteiro está preocupadíssimo com os quinhentos homens detidos na base americana de Guantánamo, Cuba. A ONU e ativistas de direitos humanos de todo o planeta reclamam dos segredos que envolvem as detenções, insistindo em visitar o local e ouvir testemunhos dos presos. São os novos fiscais dos malvados Estados Unidos. Os presos, claro, são terroristas islâmicos. A simpatia mundial esquerdista está sempre inclinada para eles, não importa o que façam: assassinatos ideológicos de civis, bombas em prédios inteiros, incêndios, armas de destruição em massa, promessas inflamadas de "varrer Israel do mapa" - nada disso parece suficiente para mudar a prestimosa opinião pública. Já a mais leve suspeita de maus-tratos a presos políticos de alta periculosidade em tempos de guerra basta para levantar a voz de multidões enfurecidas em todo o mundo. Ça va de soi.

As esquerdas "esquecem", porém, que na mesma Guantánamo há muitas outras prisões de natureza bem diferente das americanas. Sua nacionalidade? Cubana. O motivo das prisões: terrorismo? Não: oposição aberta ao regime de Fidel Castro. A imprensa internacional não dedica uma linha a esses presos. A simpatia mundial esquerdista está sempre inclinada para Fidel, não importa o que ele faça. Bom, "dois pesos e duas medidas" é uma expressão pobre para qualificar tal silêncio sobre os absurdos crimes do castrismo. Na verdade, o que os presos cubanos, comprovadamente inocentes, são obrigados a passar está muito além de qualquer tapinha que um soldado americano possa ter dado em um preso de guerra. Aliás, o tratamento dispensado àqueles que tenham o azar de cair prisioneiros de terroristas islâmicos supera qualquer idéia possível de "crueldade". Para começar, é muito mais difícil escapar vivo da mão dos terroristas - que, quando não matam de uma vez, preferem se divertir torturando e mutilando seus desafetos ideológicos, ainda filmando tudo para que o mundo inteiro veja o quanto eles podem ser tão temíveis. Mas a lógica das esquerdas unifica irresponsavelmente ambos os procedimentos, apenas para depois clamar em favor de seus interesses.

Se você duvida de que islamismo e esquerdismo são o mais novo casal da hora, leia The Unholy Alliance, de David Horovitz. Na verdade, o casamento já está até antigo. Mas o povo brasileiro é sempre o último a saber das coisas mesmo. Com essa mídia esquerdista que temos, tudo se reproduz igualzinho, com o agravante da ausência completa de informações "do outro lado" com que o leitor possa fazer um balanço mais acurado. Minha amiga Graça Salgueiro escreveu uma carta ao jornal O Globo repudiando essa atitude. Reproduzo-a aqui.

Em relação ao artigo publicado na seção "Opinião" de hoje, desse jornal, sob o título "Um desserviço", cuja autoria não é identificada, gostaria de solicitar do(a) autor(a) os seguintes esclarecimentos:

1. O(a) autor(a) de tão indignado "apelo" já ouviu falar que na mesma cidade de Guantánamo, Cuba, vizinha à base americana (UMA apenas) há uma infinidade de outras penitenciárias CUBANAS?

2. E que nestas outras penitenciárias amontoam-se e apodrecem em vida mais de 300 presos políticos e de consciência CUBANOS?
3. E que destes presos há uma quantidade imensa deles que sequer foi julgado e sentenciado mas permanecem lá SEM DIREITO A UM ADVOGADO que "supostamente" defenda seus direitos, sobretudo a um julgamento justo?
4. Que a totalidade destes presos políticos e de consciência estão presos APENAS por não aceitarem o regime ditatorial de Fidel Castro, ou por quererem professar uma religião judaico-cristã?
5. Que muito desses presos se automutilam para chamar a atenção de um mundo que silencia perante sua situação, cúmplice com a ditadura mais longeva do planeta?
6. Que muitos desses presos se suicidam por não suportarem as condições infra-humanas de suas celas, as torturas físicas e psicológicas infligidas DIARIAMENTE, e a alimentação (COMIDA PODRE E COM VERMES) que lhes é oferecida provocando toda sorte de doenças?

"Desserviço", prezado(a) senhor(a), é esta campanha feita em torno da Base Americana de Guantánamo, como se fosse a "sucursal do inferno", quando o inferno mora ali, ao lado, e ninguém quer ver nem denunciar porque o mega-assassino do Caribe é inatacável. Por que todas estas pessoas que clamam aos céus pelo fechamento da base americana não têm o mesmo desprendimento, compaixão e espírito de solidariedade humana e EXIGEM a libertação dos presos políticos e de consciência cubanos presos injustamente? A Cruz Vermelha não diz nada porque não interessa desmascarar a farsa montada sobre as "torturas" e "abusos" cometidos na Base Americana de Guantánamo.

E, finalmente, sugiro a visita a este site que conta tudo aquilo para o qual o mundo fecha os olhos sobre os presos cubanos:
www.PayoLibre.com.

Atenciosamente,

Graça Salgueiro


Observação: em nosso país, comentários indignados repetidos aqui e ali sobre a presteza dos ativistas humanos para a proteção dos direitos de criminosos e o correlato desprezo com que as vítimas costumam ser tratadas, assim como sobre a maldade implícita no Estatuto do Desarmamento ao punir as famílias que, acuadas, usarem de uma arma para sua defesa, demonstram que talvez a paciência do povo brasileiro esteja muito mais perto do fim do que se imagina. Tomara.

7 comentários:

Marcos Vasconcelos disse...

Norma,

Bastava que a mídia protestasse contra as degolas promovidas pelos extremistas islâmicos, que além disso as filmam e as divulgam amplamente pois querem ser vistos e temidos por todos.

A que tribunal os familiares dessas vítimas podem recorrer? Quem no mundo lhes dará ouvidos? Cadê a ONU? Cadê Coffy Anan? Cadê a Cruz Vermelha?

Nem precisa ir tão longe, basta lembrarmos o caso mais ou menos recente do engenheiro brasileiro João José Vasconcelos Jr assassinado no Iraque por um grupo desses. A família até hoje não conseguiu receber o seus restos mortais para lhe fazer um funeral minimamente digno. Parece-me que só o jornalista Cláudio Humberto em seu site é que tem denunciado constantemente a má-vontade, a incompetência e a falta de empenho do governo Lula em resolver o caso.

Mas bastou o boato de que um exemplar do Corão tinha sido jogado num vazo sanitário para desencadear outro carnaval islâmico radical com plena cobertura da mídia (sem entrarmos no mérito das charges dinamarquesas e no coincidente aparecimento simultâneo a esses fatos de mais algumas fotos de pobres terroristas islâmicos humilhados por malvados Marines).

O recado islâmico, segundo o leio, é: "Morram de medo da gente! O Ocidente, e com ele toda a cultura judaico-cristã ainda há de cair trêmula e submissa aos pés de Alá e de seus fiéis seguidores — senão serão degolados". Muitos ainda não entenderam que a degola de ocidentais e não-islãmicos em geral é a decapitação simbólica do mundo "infiel" como um todo.

Agora, quanto a esse cruzamento de jacaré com cobra-d’água da esquerda com o extremismo islâmico, resta-me a curiosidade de saber qual das duas bestas sobrará depois que todos formos devidamente degolados e devorados.

Forte abraço.

PS. Desculpe-me o longo comentário. Se preferir não o publique.

Norma disse...

Oi, Marcos!

É claro que publico! Seu comentário é excelente.

Essa união de esquerdismo e islamismo é muito bem explicada pelo articulista judeu David Horowitz em seu livro The Unholy Alliance - claro, não traduzido no Brasil gramscista! O site dele é o Frontpage Magazine (em Conservative US, ao lado), para quem quiser dar uma olhada nos artigos que há por lá.

Mas é fácil acabar com a simpatia dos esquerdistas chiques pelo islamismo: basta perguntar sob que cuidados ele escolheria ficar, como prisioneiro de guerra, se de um terrorista islâmico ou de um soldado americano. Se ele responder "sob os cuidados do terrorista", recomendo a cura da maluquice ou da mentira através de uma salutar temporada em companhia do assassino de Van Gogh, dos homens-bomba que atuam na Europa ou de membros do Hamas. Garanto que ele ficaria satisfeito. :-)

Abração, amigo!

Eliot D. Chambers disse...

Olá, Normitcha!

Essa propaganda deslavadamente esquerdista na qual se tornou a imprensa brasileira tem gerado Bin Ladens em série: já tive o infortúnio de ver amigos meus, uns cristãos, e outro empresário, bem sucedido, dono de vários imóvei, dizerem ter dado pulos de alegria no incidente do 11/09/2001.

Quando é que eles perceberam que os EUA são um dos países no mundo onde liberdade econômica e cristianismo ainda valem alguma coisa?

Um imóvelzinho sequer esse meu amigo empresário cogitou passar para o meu nome... grande socialista que ele é...

Normitcha, abraço do Eliot.

Marcelo Hagah disse...

Norma,

Gostaria que a senhora lesse o que escrevi sobre os Estados Unidos no meu blog. Seria uma honra para mim ter meu texto lido por uma mulher tão inteligente e sensata.

http://hagah72.blogspot.com/2006/02/aquila-non-captat-muscas.html

Augustus Nicodemus disse...

Norma,

Parabéns pelo post. Muito esclarecedor. Realmente, são dois pesos e duas medidas. A mídia brasileira é anti-americana de maneira absurdamente cega e preconceituosa. Não aguento mais os comentários de Arnaldo Jabor na CBN e nem o preconceito mal disfarçado do (prof.?) Heródoto Barbeiro, o principal âncora da CBN (budista declarado e ainda por cima, corintiano). O Jabor em especial vive assombrado pelo Bush e diariamente tenta exorcizá-lo com insultos, acusações, etc. em seus comentários.

Obrigado, mais uma vez.

Wilson Bento disse...

Infelizmente a maioria dos brasileiros nao tem a preocupacao ou a inteligencia de confirmar os fatos apresentados pela midia.
Estao sendo transformados em "fundamentalistas tropicais", da pra imaginar? um bando de "sambistas-bombas"?
Fico pensando como seria o Brasil se todos fossem manipulaveis como a massa do MST, vamos ter grande problemas pela frente...
Abraco Norma.

O Palpiteiro disse...

Eu também tenho a impressão que a paciência geral está chegando ao fim. Aguardemos...
Beijão,
Davi