25 outubro 2013

Bendito medo

"Medos imoderados e supersticiosos, de que sofremos muitas vezes diante dos perigos, não podem ser corrigidos e apaziguados de outra forma." Calvino, Institutas, I, XVI

Se foi o medo da indeterminação,
da inconstância e do acaso
o que me fez apegar-me
ao secreto desígnio de Deus
com todas as minhas forças emocionais,
bem, então creio poder dizer
desde o começo:
bendito foi o medo!
Porque é ele que me faz
recorrer ao remédio correto
do poder de Deus sobre tudo,
inclusive sobre mim mesma.
Por isso eu peço,
Senhor, livra-me do medo,
que tanto me atormenta nesta carne,
mas livra-me somente quando
eu não tiver mais sombra de dúvida
quanto ao alcance da tua divindade -
para que o medo seja também aio,
e que cada golpe que o enfraqueça
confirme a certeza da tua bondade.

Um comentário:

Thamiris Mendes disse...

Liiindo! Glória a Deus.