01 outubro 2007

O Brasil não é o Irã: o projeto anti-homofobia

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, declarou recentemente que no país "não há homossexuais". Não digo que não haja, mas com certeza eles não se mostram à luz do dia: no Irã, como na maior parte do Oriente Médio, homossexualismo é crime.

Em 2005, Arsham Parsi fugiu do Irã para preservar a própria vida. Há quatro anos mantinha uma organização de defesa dos direitos dos homossexuais por uma rede de e-mails, foi descoberto e começou a ser ameaçado. Quando percebeu que a polícia tinha rastreado seu telefone, decidiu pedir asilo no Ocidente e hoje mora no Canadá, onde se sente livre para continuar seu trabalho. "A vida para um gay iraniano é muito dura, por falta de informação sobre o assunto e falta de segurança também", lamenta. "Ele tem que usar uma máscara 24 horas por dia." Parsi explica que a cultura iraniana pune o homossexualismo com a morte. "Muitos não chegam a ser presos ou perseguidos pela polícia, mas são executados pela própria família. Em geral, a sociedade apóia a perseguição aos gays. No ano passado, por exemplo, soubemos do caso de um pai que ateou fogo e matou o próprio filho, de 18 anos, quando descobriu que ele era gay, para manter a honra da família." Acrescenta que é impossível saber os números de execuções por homossexualismo: "Não são divulgados pelo Ministério da Justiça", afirma. Isso dá um novo significado à frase de Ahmadinejad: no Irã, os homossexuais são os invisíveis da cultura.

Da mesma forma que o Irã, países como Arábia Saudita, Emirados Árabes e Iêmen decretam pena de morte para o homossexual, enquanto Iraque, Kuwait, Líbano, Omã, Qatar e Síria o colocam na prisão por um período que pode ir de um a dez anos. Na África, a maioria dos países prevê prisão e multa, e alguns ainda aplicam pena de morte. Na Ásia, países como Afeganistão, Sri Lanka, Bangladesh, Singapura e Malásia aplicam detenção e multa, enquanto a Chechênia prevê pena de morte. A situação muda radicalmente no Ocidente cristianizado. Na Europa inteira não se acha um só país que preveja sanção de qualquer espécie para o homossexualismo. Nas três Américas, apenas a Nicarágua pune com prisão e multa, e a Guiana com prisão perpétua. Nada de pena de morte. São exceções das exceções. E o país mais ocidentalizado do Oriente Médio, Israel, é o único a garantir liberdade e proteção para os gays. Mesmo em países orientais onde não há pena de morte para o homossexual, como Palestina e Jordânia, a população fica impune quando mata um gay, o que ainda é comum. Assim, os gays se refugiam em Israel ou no mundo ocidental, porque sabem que lá estarão seguros. Diante de todos esses dados, é incrível que tantas ideologias continuem culpabilizando o Ocidente cristianizado por boa parte dos males do mundo, enquanto em regiões que não sofreram influência do cristianismo as mulheres, os gays e os dissidentes religiosos são continuamente mortos, mutilados e presos por culturas que não reconhecem a liberdade individual - um dos frutos da graça comum dispensada por Deus com o advento de Cristo.

Quais são, portanto, as semelhanças entre a cultura iraniana e a cultura brasileira? Em relação aos gays, nenhuma. Com a exceção de alguns loucos que assassinam gays assim como o Maníaco do Parque matava e enterrava mulheres indefesas, o Brasil ama o homossexual, que é bem recebido hoje em praticamente todos os ambientes - desde o meio da moda até a sala de aula. Ninguém mais tem de disfarçar seu "jeitinho", a não ser se preferir se manter no armário, por motivos pessoais. A homofobia brasileira não é regra, mas exceção. Pouquíssimos brasileiros, hoje, olharão para um gay na rua com ódio. No máximo, com uma atitude zombeteira. E nossa cultura tem se apressado a condenar cada vez mais o sujeito que manifesta algum desconforto com relação ao gay ou se recusa a ter contato com ele.

Sendo assim, por que o discurso ativista, no Brasil, ainda insiste em se referir a nossa cultura como se fôssemos matadores contumazes e incorrigíveis de homossexuais? Onde estão esses números gigantescos de gays assassinados? Serão eles maiores que os números de mulheres jovens, por exemplo? Serão esses números capazes de nos convencer de que odiamos os gays? Mas olhe em volta: seu professor de literatura é gay, seu poeta preferido é gay, seu cabeleireiro é gay, seu decorador é gay, seu ator preferido é gay. Isso realmente o incomoda? Isso incomoda o brasileiro? Não é preciso muito para reconhecer a verdade: o argumento de que o brasileiro odeia o gay está sendo utilizado como arma política. Impossível não concluir: militância politicamente correta é simples luta de poder. Não tem nada a ver com liberdade. Se tivesse, lobistas gays e feministas concentrariam seus esforços onde realmente se precisa deles. Aqui, os assassinos de gays, assim como espancadores e estupradores de mulheres, devem ser responsabilizados individualmente por seus crimes, algo de que a lei disponível já dá conta. Afirmar que os homossexuais não são livres em uma cultura como a nossa é zombar dos gays enforcados, apedrejados e esfaqueados, com o consentimento das leis e da população, nos países que não têm tradição de liberdade individual.

É um contra-senso, portanto, que o lobby gay queira aprovar um projeto de lei que, por causa de suas imprecisões, poderá ser utilizado justamente contra os cristãos, para impedir até mesmo a mais singela leitura da Bíblia em voz alta, a mais indefesa opinião de que o comportamento gay não é "normal" ou "natural". Como boa cristã ocidental, sou a favor da livre expressão - tanto dos gays quanto dos religiosos. No Brasil, os gays já têm a sua. Não tirem a nossa.

Fontes: Wikipédia e Bonde News

28 comentários:

Anônimo disse...

Norma:

ha' uma guerra no mundo da cultura e da civilizacao: quer queiramos ou nao, somos uma das partes. A guerra declarada pelo mundo anti-cristao, contra justamente os cristaos. Essa guerra se da' em muitos fronts: um deles poe os ativistas gays contra os cristaos. O objetivo nao declarado pelos gayzistas e' esse mesmo que vc apontou: criminalizar a Verdade, tornando um crime, batizado de anti-homofobia, ate' mesmo a leitura da Biblia.O objetivo oculto e' censurar a propria Biblia em seu todo, e nao apenas nos trechos pertinentes ao homosexualismo. Os cristaos que se preparem para o martirio ou a apostasia.

Hereticus

Roberto disse...

Excelente artigo, Norma... essa "hipocrisia encobridora" deste "século" (não só na questão da homofobia, mas em tantas outras) é realmente desanimadora... e esperada.

Na esperança de uma nova terra em que habite a justiça,

Roberto

João Pedro disse...

Porque não aproveitam e fazem também uma lei que proíba falar mal de times de futebol?

JP disse...

Olá Norma

Muito bom seu texto....li e gostei!!




Abraços
JP

Anônimo disse...

Norma

O seu texto é um completo engano.Não é contra-senso nenhum o estado proibir o que desagrada os gays. É apenas parte do plano ...

Portanto, não adianta tentar convencer o movimento gay, ou os que o apoiam. Eles sabem que estão fazendo uma safadeza.

Renato

Norma disse...

Renato,

Que estranha sua mensagem. Acho que você leu de má-vontade ou num dia ruim. "Completo engano" por quê? E uso a palavra contra-senso em relação à verdade, não em relação aos planos estatais.

Esse texto, bem mais que convencer lobistas gays, pretende armar os cristãos de argumentos lógicos e lúcidos. Em essência: os lobistas atiram na cara dos cristãos que é preciso parar a matança de gays no Brasil. Essa tem sido a principal tese deles, de forte apelo emocional-chantagista. Aqui eu digo que não há perseguição quase nenhuma... Que a homofobia é pessoal e não epidêmica. Se você não entendeu isso, bem... What else can I do?

Da próxima vez em que quiser falar de "completo engano", por favor, escreva as razões. Ou evite essas palavras-bomba: sem argumentos, elas apenas irritam.

Anônimo disse...

Norma

Esqueça o que escrevi. Não tinha lido o texto inteiro. Burrice minha. E desculpem-me ...

Renato

Norma disse...

Ih, Renato! Comentar sem ler tudo é fria... Hehehehe!

Tá tudo certo! ;-)

Paulo Alexandre disse...

Alô, Norma.

Eu peço desculpas antecipadamente por um comentário que não será muito construtivo, mas a única coisa que me faz torcer o nariz não está no artigo propriamente dito, e sim no seu final -- eu não consigo achar a Wikipedia uma fonte confiável para coisa alguma.

Já fui colaborador da Wikipedia, mas desisti de ajudar quando constatei que é praticamente impossível manter lá material que não seja distorcido no sentido de apoiar aquilo que deveria envergonhar qualquer cristão. As auto-propaladas "neutralidade" e "imparcialidade", como condições necessárias à aceitação de textos para os verbetes, são freqüentemente tão neutras e imparciais quanto uma convenção militantes comunistas lésbicas pró-aborto e admiradoras de Richard Dawkins.

Sem ter lido, não duvido que o artigo a que você faz referência queira, ao invés de fazer um contraponto do ocidente ao oriente -- como fez você --, atacar indistintamente, a partir do exemplo iraniano, toda manifestação religiosa que coloque um árbitro absoluto sobre qualquer questão; em particular, sobre questões de desejo e paixões individuais.

Que Deus nos abençoe.

Paulo

Norma disse...

Paulo,

Concordo com você sobre a Wikipédia em geral, mas não nesse caso. É uma pena que você não tenha simplesmente clicado no link antes de escrever o "comentário pouco construtivo", poxa! Esse tipo de coisa desanima a gente, sinceramente. Eu tiro metade de um dia para escrever um texto desses, sem ganhar um real por isso, pelo contrário, deixando de ganhar com minhas revisões, e o leitor vem aqui para reclamar que usei dados da Wikipédia SEM VERIFICAR esses dados. É de matar.

Se tivesse simplesmente clicado no link que ofereço, veria que se trata não de um texto argumentativo, mas de uma listagem muito objetiva da situação jurídica de cada país com relação ao homossexualismo, com detalhes. Por exemplo, na Índia é proibido por lei, mas ninguém aplica. Esse tipo de coisa. Por isso me senti livre para usá-los.

Mas, se quiser conferir dado por dado com outras fontes e quiser vir aqui comentar se achar erros, fique à vontade. Teria sido muito melhor, em vez de fazer uma crítica ao vento.

eu gosto da norma disse...

O Brasil e o Oriente Médio (com ênfase ao Irã) são opostos ao extremo. No oriente médio a Religião está acima da Legislação e no Brasil a Legislação está acima da Religião. Ora, com uma legislação criada por homens que são guiados apenas pelo consenso eles são facilmente enganados por estatísticas mais do que duvidosas publicadas por Jornais mais do que duvidosos em pró ao lucrativo lobby gay. Será que o estado louco um dia realmente se converterá num estado laico? Ou a depravação se posicionará acima do louco, do laico, da religião e da legislação? Creio eu, que acima da depravação (O orgulho da depravação não vê a liberdade de expressão) apenas restará o profético juízo e condenação. Triste o fim do lobby gay quando descobrirem que as estatísticas foram criadas em seus próprios delitos durante um ato de sensualidade mutua não pago ou por disputas por um miserável ponto, ou por um mísero programa de R$.10,00 incompleto. Então o Lobby midiástico vencerá como sempre! Até a próxima vítima...

Anônimo disse...

Norma:

voltando ao seu excelente texto, me permito uma comparacao. Os ativistas do movimento gay querem nos convencer que gays e lesbicas sao as vitimas por excelencia de agressoes pelas sociedades ocidentais (ao mesmo tempo que nada dizem contra as sociedades islamicas). Enquanto isso, as perseguicoes contra os cristaos passam desapercebidas. Desde o inicio do seculo XX ate os dias de hoje se desenvolve a maior perseguicao aos cristaos, ocorrida desde o tempo das perseguicoes promovidas pelos imperadores romanos. Quem sao os novos perseguidores? Os totalitarismos comunistas e nazistas, e os regimes islamicos, sem esquecer as campanhas laico-massonicas (vide Mexico e Espanha).

Uma referencia bibliografica importante e':

Antonio Socci, I nuovi perseguitati, Editora Piemme, Casale Monferrato, Italia, 2002.

Ainda recentemente, em 29 de outubro de 2005, na Indonesia, tres jovens foram mortas a golpes de facao, por causa de sua fe' em Jesus: Yusriani (15 anos), Theresia (16 anos) e Alvita (19 anos). Sofreram o martirio perto da sua escola (um liceu catolico), nas maos de fundamentalistas islamicos. Os terroristas as imobilizaram, cortaram a garganta, e depois as decapitaram. A cabeca de uma delas foi levada e abandonada em frente a uma igreja de Kasiguncu.

Que seus nomes nao sejam esquecidos. Elas mesmas ja' receberam suas coroas de Gloria, reservadas aos que guardam a Fe' em Cristo ate' o martirio.

Hereticus.

Norma disse...

Oi, Hereticus,

Como sempre, suas intervenções vêm carregadas de dados e reflexões mais que pertinentes.

Quanto aos cristãos feitos de bodes expiatórios, nem é preciso ir tão longe. No Ocidente, somos desrespeitados, zombados e rejeitados todos os dias por uma cultura que, em nome de um pluralismo contraditório, nega tudo o que não segue o preceito que reza ser proibido falar em nome de uma verdade. Somos os verdadeiros dissidentes da cultura, como disse Girard. E, como verdadeiros dissidentes, não nos queixamos nem nos fazemos de vítimas, mas avançamos conforme podemos, com a maravilhosa graça de Deus, cuidando não só para não ceder às prerrogativas deste mundo, mas para revelar sua malignidade aos olhos da verdade divina.

Grande abraço!

Anderson disse...

Aqui em Vitória, houve na semana passada um crime.
Um policial matou um travesti dentro de seu carro, na praia, à noite....
Jogou o corpo fora, na rua.
Alegou legítima defesa durante tentativa de assalto.
Preso, suicidou-se na cela do quartel da PM.

A família do travesti diz que eles se relacionavam e foi crime passional.

Mas.... os ativistas gays se apressaram em dizer que foi crime homofóbico.

Conseguiram espaço de bom grado na imprensa local para divulgar essa versão, junto com o "espantoso" número de 18 travestis e gays assassinados neste ano.

Ora, considerando que os travestis vivem num meio onde prostituição, crime e drogas se misturam, entende-se, claro, que o número de mortos NÃO é devido a homofobia.

Além do que, nada se disse a respeito da quantidade dos mortos entre a população não-homossexual.

Bom, citei esse caso como um exemplo entre muitos em que se usam crimes comuns para inchar estatísticas deturpadas que justifiquem essa agenda.

Evidente, pois, que está em curso um projeto bem elaborado, com apoio da imprensa, dinheiro do governo e aprovação de cristãos desavisados, para impor uma agenda pró-homossexualismo.

Um abraço Norma.

KILMER disse...

Cara Norma,
Vejo a sua preocupação com o que chama de contra-senso, que, "por causa de suas imprecisões, poderá ser utilizado justamente contra os cristãos, para impedir até mesmo a mais singela leitura da Bíblia em voz alta,..."
É bom sempre lembrar que os impedimentos e os desempedimentos, que porventura nos afetem, antes de constituirem bem ou mal são sobretudo permissões previstas nos eternos decretos de Deus, contra os quais absolutamente nada podemos fazer. Portanto, não nos inquietemos com o que há de vir. Só prevalecerá aquilo que o Soberano decide prevalecer e não aquilo que queremos.

Um abraço

Norma disse...

É verdade, Kilmer, que tudo que nos acontece é permissão de Deus. Mas isso não significa que não devemos nos inquietar, pelo contrário. Deus nos capacitará a reagir da forma correta e promoverá nosso crescimento espiritual em meio a todas as diversidades, instando-nos a produzir frutos de justiça. Só acredito que o cristão está até quieto demais, essa é que é a verdade. Temos de ter cuidado para não cair no erro oposto, que nos levaria à inação e ao laxismo.

Abraços!

fã da norma disse...

Bom dia! Olha, debater esse tipo de assunto com cristãos até que é interessante, mas muito melhor do que isso é debater com a militância gay. Veja os depoimentos dele:
http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2007/10/397192.shtml

Big Abraço

Mauro Meister disse...

Olá Norma,

Obrigado pelo texto, muito oportuno. Mais uma lei dessas (além do PL 122/2006 e PL-6418/2005) tramita na Câmara, o PL-81/2007 (http://www.camara.gov.br/sileg/MostrarIntegra.asp?CodTeor=434408 ). Observe que a justificativa é exatamente a mesma exposta no seu post. Estamos debaixo de chumbo grosso e estes movimentos não vão parar! Continue firme.

abs
Mauro

Norma disse...

Ei, fã da Norma! :-)

Eu acho aquele site do CMI uma verdadeira estrovenga - tem de tudo lá e qualquer um pode comentar xingando - , mas até que é interessante perceber duas coisas nos comentários:

1. Como os militantes gays são treinadinhos! Qualquer opinião que contrarie o projeto, por mais leve que seja (peguei leve demais nesse artigo), torna-se imediatamente "homofóbica". Exemplo de mente encampada mesmo. Dá horror.

2. Como os militantes gays são autoritários! Um deles diz lá: "se utilizar de númenreos [sic] e de inocentes cristão para falar em seu nome, sem dizer quem é que fala e porque fala, é uma prova cabal de covardia e má-intenção. E isso merece punição imediata!" É o velho delito de opinião. Isso é o que querem ressuscitar no Brasil.

Eu deveria ter pego muito mais pesado. Mas confesso que fiquei meio influenciada pelo Ali Kamel. O Olavo de Carvalho e o Reinaldo Azevedo, na imprensa, e o Miguel Nagib na net, só para citar alguns, têm falado há anos da doutrinação esquerdista nas escolas, gritante nos livros didáticos que exaltam ou justificam a guerrilha urbana, os regimes comunistas, o terrorismo, o comunismo etc. Mas, só porque um Ali Kamel escreveu um artigo "todo equilibradinho" na mídia sobre o assunto, todo mundo prestou atenção.

Mas agora quase me arrependo. O que os militantes do lobby gay estão fazendo é tão desonesto e tão autoritário que merecia um texto mais incisivo e mais indignado. E eles estão vindo em cima do mesmo jeito.

Sabe de uma coisa? O gay, hoje, virou o religioso moderno. Inatacável. Enquanto padres e pastores que não cedem aos desmandos deles estão sendo mandados, simbolicamente, para a fogueira com esses projetos. É isso que vou escrever da próxima vez, aguardem. Girard vai me ajudar muito nisso.

Norma disse...

Olá, Mauro!

Obrigada pelo feedback!

Pois é, eu escrevi com conhecimento de causa. A máquina de propaganda do lobby gay virou um monstro sem escrúpulo algum. Eles estão revertendo todos os assassinatos de gays para a causa, sendo que grande parte deles não se deve a homofobia nenhuma, mas sim à violência que é típica dos meios em que certos homossexuais andam - o da prostituição e e das drogas sobretudo. O próprio Roland Barthes, literato francês, vivia apanhando de michê, segundo um de seus biógrafos. Todo gay sabe disso, como sabe, também, que homossexuais femininas costumam ser muito agressivas uma com a outra. Mas o lobby é perverso, não tem limites. A última que eu soube foi de um policial que tinha um caso conturbado com um outro homem, matou-o e depois se suicidou na cadeia. O lobby saiu dizendo que era crime homofóbico. Isso tudo me dá nojo.

Por isso reitero: peguei leve demais no artigo.

Norma disse...

P.S. Estou começando a desconfiar que os militantes gays estão sendo treinados para o lobby assim como os guerrilheiros eram treinados para a guerra urbana... :-D

Augustus Nicodemus disse...

Norma,

Excelente texto! Sempre me impressiono com sua capacidade de análise. Um grande abraço!

fã da norma disse...

Oi norma! :=)
O CMI no meu ponto de vista é o inferno virtual da internet. Esse site me ajudou a entender como a mente gay funciona. Como ninguém se identifica eles podem falar a vontade o que está guardado dentro do coração, eu nem imaginava que o coração deles fosse tão imundo. Viu só o treinamento! Nem mesmo os terroristas são afiados como eles. O rapaz que me chama de homofobicha tem um ódio especial por mim devido a um artigo que publiquei. Como eles estavam me xingando muito eu publiquei o artigo desse link: http://homofobis.blogspot.com/2007/06/o-homossexualismo-uma-atividade-normal.html ( aviso o artigo é pesado, mas muito científico).
Eu gravei todas as ofensas que eles fizeram no site, eu só não te envio porque é muito pesado mesmo!

Abraços do Homofobis (o mutante cristão) e fã da norma

Cristiano disse...

O quê o Anderson escreveu me lembrou uma coisa: havia gays no Titanic. Logo, vamos processar este iceberg homofóbico!

Fabiana disse...

Brilhante artigo! Vc soube sintetizar em poucos parágrafos aquilo que o cristão deve saber em relação à esse projeto de lei anti-homofobia. Sinceramente, em nenhum país asiático vi tantos gays desmunhecando e se assumindo tãããão abertamente como aqui (se bem que em Hong Kong e no Japão vi uns indivíduos bem alegrinhos, mas esses são países mais ocidentalizados). Parece que nos países ocidentais (incluindo Brasil) o povo resolveu liberar geral e ser gay virou moda!

Adorei qdo vc falou sobre a questão da nossa liberdade como cristãos - essa sua última frase foi sensacional!

E o Hereticus lembrou bem! Realmente, se formos colocar os dados no papel, os judeus e cristãos é que foram e continuam sendo os maiores perseguidos mundo afora.

Só estando em paz com Jesus pra gnt conseguir dormir ouvindo um barulho desses!

osvjor disse...

você disse tudo, é disputa por poder, privilégio, não faz sentido... criam um país de ficção e, pela repetição, vão aos poucos forçando a barra pra que todos pensem que esse Brasil virtual deles é o real. vão acabar conseguindo...

Anônimo disse...

Norma,

Não sou gay. Mas como jornalista preciso lhe dizer que o termo "homossexualismo" é cientificamento incorreto. Ele espressa disformia, dá cunho de ser uma síndrome, uma doença, como, aliás, elas normalmente são chamadas. Sou um liberal. Acho que homossexuais não fazem nada anti-cristão. Eu sou cristão. Mas respeito a sua opinião.

Só o toque: usa-se, para ser correto, a palavra "homossexualidade".

abs.

Roberto Robledo disse...

Achei excelente o artigo. Gostaria de perguntar se conhecem o filme "Antes que a noite caia" com Xavier Barden sobre o cubano exilado e já falecido Reinaldo Arenas. Vi por acaso na NET e me surprendi de nunca ter visto nenhum ativista gay falar desse poeta, gay assumido e perseguido sem trégua por Fidel Castro...
Será que somente homofobia muçulmana e comunista é que pode? Assim como a esquerda destrói os transgênicos da Monsanto e nada fala sobre os transgênicos chineses ou cubanos??? Que Deus nos proteja!