19 outubro 2005

Desarmamento: última pergunta


Uma última pergunta para quem vai votar a favor da proibição ao comércio de armas.

Suponhamos que você se encontra com um amigo na rua. Discorrendo longamente sobre a falta de segurança e a inaptidão do Estado em garanti-la, seu amigo declara que, após ter cumprido todas as medidas legais para a posse, está indo comprar uma arma. Você se escandaliza, pois seu amigo sempre havia sido um grande defensor da paz em quaisquer circunstâncias. Ele explica que continua sendo, mas que, diante dos casos de violência que tem presenciado, inclusive com parentes e amigos próximos, prefere se responsabilizar pessoalmente pela segurança de sua família, já que os aparelhos estatais estão se provando ineficientes. Você insiste em que ele não compre sua arma, pois o poder de destruição que ela tem sempre pode se voltar contra quem a possui, seja em acidentes em casa, seja no momento de usá-la contra algum bandido. Seu amigo responde que compreende esses perigos, mas acredita que são muito menores que o perigo de andar desprotegido ou deixar sua casa à mercê de invasores.

Nada convence seu amigo de que não deve comprar a arma. Você o acompanha até a loja. De qual das duas maneiras você se comporta?

1 - Assiste à compra da arma, chateado porque não conseguiu convencê-lo.

2 - Por algum meio a seu alcance, impede que ele compre a arma.

Se você adota o comportamento número 1, repense seu "sim" à proibição de compra de armas: a nova lei corresponderá exatamente ao segundo comportamento.

Se você adota o comportamento número 2, confirme seu "sim", mas reconheça que, votando pela proibição, estará impedindo o acesso legal às armas a todos que pensam como o amigo - ou seja, proibindo, e não convencendo.


Moral da história: você pode até votar "sim", mas precisa ser honesto o suficiente para reconhecer a arbitrariedade de seu gesto. Não é porque a proibição se tornará lei que ela será menos arbitrária. A história está cheia de episódios em que as leis militavam contra liberdades básicas da população. E, se um dia algum louco resolver tomar o poder à força no país, como fizeram tantos ditadores na história, você está pronto para assumir as conseqüências de votar uma proibição dessas?

Porém, caso vença o "sim" e mesmo que nada disso ocorra, seria salutar lembrar-se do seguinte: assim como a campanha pelo desarmamento responsabiliza o comércio de armas pelos acidentes, você poderá ser responsabilizado por todas as mortes, os estupros e os roubos que poderiam ter sido evitados pela presença de uma arma na mão da vítima.

7 comentários:

Ivy disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Eduardo Levy disse...

Perfeito! beijo

Norma disse...

Obrigada, Edu!

Paula disse...

Que o Senhor cuide do Brasil!

Eliot D. Chambers disse...

É Paula, para cuidar e dar um jeito no Brasil, só Deus mesmo.

Norma, sua lógica foi avassaladora. Infelizmente, poucos reconhecem que governo nenhum deveria sequer cogitar em interferir na decisão dos cidadãos em portar ou não armas.

A sanha totalitária de Hitler ainda faz a cabeça de nossos governos e convence o povo. Assim, vai-se aplainando o terreno para a ascensão do anticristo.

Bjo.

Oswaldo Viana Jr disse...

O argumento é irrefutável mas ao mesmo tempo inútil (senti isso na mesma hora em que o li) para aqueles que foram "enganados pela Serpente" e que por isso estão cegos ao bom senso, e muito mais à verdade de que o desarmamento é apenas uma cortina de fumaça. A história só tem o efeito de endurecê-los ainda mais, neuroticamente. Para estes, opor aos argumentos "piedosos" do "Sim" - que têm sua coerência interna - o direito à escolha dos meios de legítima defesa é inútil.

A única coisa a fazer é, além de alimentá-los com informações "neutras" (não-argumentativas)sobre os orquestradores mundiais e nacionais do desarmamento, ajudá-los, com amor e paciência, a chegarem por si mesmos às (in)conseqüências lógicas de suas escolhas.

Oswaldo Viana Jr disse...

Para o objetivo principal do texto, que era o de fazer o pessoal do Sim repensar e mudar de lado, teria sido melhor não publicar a "Moral da história". As fábulas têm o mérito de expressarem, por meio de simpáticos animais, verdades brutais que normalmente são rejeitadas quando ditas "na lata". A conclusão que você deu à sua simpática história está muito violenta para as pombinhas, especialmente o último parágrafo!

"Sejam simples como as pombas, e prudentes como as serpentes"

Bjs!