31 maio 2011

Falácias do movimento gay

“Diga-me como falas, e te direi quem és” — essa seria uma paródia tão verdadeira quanto o adágio original. Certas declarações são mais eloquentes por aquilo que omitem. Veja o que afirmou esses dias Toni Reis, presidente da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transexuais:

Não vejo o atual governo como homofóbico.

Na verdade, essa frase denota uma tremenda ingratidão. O governo não só não é “homofóbico” (ê palavrinha besta), mas promove diversas manifestações de aprovação pública e rasgada ao comportamento homossexual: financia paradas gays, determina métodos de doutrinação homossexual nas escolas públicas (não só o kit gay; veja aqui) e busca estabelecer leis (como o PLC 122) que instauram no Brasil o crime de consciência (objeções até “filosóficas” contra o homossexualismo são punidas), transformando os homossexuais em uma “classe”, no melhor estilo marxista. Toni Reis não sabe disso? Claro que sabe; mas, primeiro, os lobbies nunca estão satisfeitos, e pedem poder como os zumbis pediam por cérebros: “brains, more brains”; segundo, ele não pode dizer com todas as letras que o governo gasta o dinheiro público com coisas que o povo em geral não acha importantes (kit gay quando as escolas estão como estão?!), que o governo quer tomar o lugar dos pais na educação moral e sexual dos filhos e que, como se não bastasse, gera leis estrambóticas que fomentam imparcialidade, injustiça e caos social.

Mas vamos à outra declaração absurda:

Matamos no Brasil mais homossexuais do que no Irã. Foram 3448 homossexuais mortos nos últimos 20 anos, conforme dados do Grupo Gay da Bahia.

Essa é para rir. Será que o movimento gay realmente acredita nisso? Ou será que toma todo o povo não-militante como idiota? Há pelo menos cinco argumentos que desfazem totalmente essa falácia.

- Primeiro, números nada dizem quando sabemos que o Irã é um país com pouco mais de um terço da população do Brasil. Dã.

- Segundo, no Irã, onde o homossexualismo é proibido (escrevi sobre isso em 2007, aqui), não existem estatísticas sobre gays assassinados, pois a própria família se encarrega de matá-los, com a conivência geral, e ninguém registra o ocorrido. (É, folks, estatística é coisa de país democrático.)

- Terceiro, o Grupo Gay da Bahia não é um órgão confiável para fornecer essas estatísticas, já que está diretamente interessado na questão. É como meu amigo Ciro Zibordi escreveu, inventando uma informação tão confiável quanto essa: “O Brasil é o campeão mundial de crimes contra evangélicos. Fonte: DataGospel do Blog do Ciro.”

- Quarto, o número de assassinados por ano no Brasil é muito grande: 50 mil pessoas, segundo dados do IBGE. Além disso, desses 50 mil casos, somente 4 mil são resolvidos, de acordo com Julio Jacobo Waiselfisz, coordenador da pesquisa Mapas da Violência 2011, divulgada pelo Ministério da Justiça. Vê-se que não há um problema específico de homicídios contra homossexuais (apenas 0,5% do total), mas sim de homicídios em geral. O problema é a impunidade. Se o alvo do governo for a impunidade, todos serão beneficiados, homossexuais inclusive.

- Cinco, last but not least, nesses 0,5% de mortos, não se pode saber com certeza qual foi a motivação do crime: se ódio a gays ou outras causas, como roubo violento, vingança, crime passional etc. Um agravante a essa incerteza é o fato de que um bom número de gays frequenta locais perigosos à noite, por estarem envolvidos com drogas e prostituição. Sobre isso, a lógica torcida do movimento gay também se revela. Diz Luiz Mott, fundador do mesmo Grupo Gay da Bahia:

Nos crimes contra gays e travestis, mesmo quando há suspeita do envolvimento com drogas e prostituição, a vulnerabilidade dos homossexuais e a homofobia cultural e institucional justificam sua qualificação como crimes de ódio. É a homofobia que empurra as travestis para a prostituição e para a margens da sociedade.

Ou seja, se o gay foi morto porque fazia coisas erradas, frequentava lugares suspeitos e andava com más companhias, a culpa é minha e sua, leitor, porque empurramos o coitado para lá! Essa é a demonstração mais rasgada de “totalitarismo da vítima” (leia aqui) que já vi: se o gay fica devendo dinheiro de drogas, trai o amante violento, vende o corpo para psicopatas e acaba morto, isso tudo é culpa de “homofóbicos”! Ou seja, gays são sempre vítimas, não importa a situação. É a inversão total do Direito, perpetrada pela perversão do pensamento politicamente correto: pessoas são culpadas ou inocentes de acordo com a “classe” a que pertencem, não de acordo com sua história. Essa inversão é ruim para todo mundo, pois mata as bases do sistema judiciário — e é sobretudo por promovê-la que o PLC 122 é estapafúrdio e liberticida.

E sim, estatísticas de mulheres, negros e índios entram na mesma categoria: não dá para afirmar que foram motivadas por machismo e racismo, portanto, nada significam, a não ser isto se o Brasil é campeão em homicídios de qualquer espécie, é preciso reforçar os mecanismos de coação do crime contra todos e acabar com a impunidade geral. Nada de policiar a consciência, amigos. Isso é totalitarismo: além de não funcionar, faz mal para todo mundo.

Assim, caros líderes do lobby gay no Brasil:

Reconheçam que o governo brasileiro está fazendo de tudo para instaurar a “homonormatividade”, metendo-se em questões morais (algo além de seu escopo) à força de lei, e que só por isso vocês já não podem mais ser considerados as vítimas da sociedade;

Reconheçam que as estatísticas de vocês não provam absolutamente nada, por todos os motivos acima;

Reconheçam que é forçada a associação entre as objeções de consciência ao homossexualismo e os tais crimes de “homofobia”. Fosse assim, os pastores seriam culpados por todo crime contra mentirosos, adúlteros, masturbadores, ladrões, prostitutas, gulosos, preguiçosos etc. (além disso, nenhum pastor sério incita ao crime, mas sim ao abandono do pecado e ao amor pelo pecador);

Reconheçam que, se o PLC 122 passar, vocês serão responsáveis por elevar o poder estatal brasileiro à condição de polícia do pensamento. É isso mesmo que vocês querem? Não lhes passa pela cabeça que a polícia do pensamento poderá um dia se voltar contra vocês? Basta o governo mudar seus valores para que isso aconteça... Governos mudam, mas precedentes jurídicos permanecem.

-----

Em tempo: Desde sempre vistos como “libertários”, os homossexuais militantes estão agora se unindo ao Estado para calar a boca dos religiosos. Aliás, a história está mostrando que essa balela sessentista de “luta contra a repressiva moral judaico-cristã” só tem servido para diminuir a influência e a liberdade da religião cristã em todo o mundo. Luta de poder pura e simples. Para o deleite do demo. E hoje mais escancarada que nunca. Essa é só UMA PROVA do que digo (agora com o texto convenientemente modificado): uma manifestação marcada para amanhã, às 14h, em Brasília. (O site da Uol diz que foi um ataque de hackers, mas até que isso seja esclarecido vou manter o trecho aqui.)

Em frente a Catederal, nós ativistas LGBTT iremos queimar um exemplar da Bíblia 'Sagrada'. Um livro homofóbico como este não deve existir em um mundo onde a diversidade é respeitada.
Amanhã iremos queimar a homofobia.
COMPAREÇA

23 comentários:

Gutierres Siqueira disse...

Norma,

Fiz aqui algumas contas, mas levando em consideração que os números apresentados pelos militantes seria supostamente correto! O que você mostrou muito bem que não passa de uma falácia.

a) Morreria todo mês uns 14 homossexuais vítimas de homofobia.

b) Enquanto que 4166 brasileiros morreriam assassinados todos os meses.

c) Então o assassinato de homossexuais representaria 3% no universo de homicídios dolosos do país.

d) Levando em conta que o número de homossexuais representa 10% da população, segundo as próprias organizações gays, então só posso concluir:

O HETEROSEXUAL CORRE GRANDE PERIGO NO BRASIL!

Mauro Meister disse...

Norma, veja o caráter do Militantismo:

"Em frente a Catederal, nós ativistas LGBTT iremos queimar um exemplar da Bíblia 'Sagrada'. Um livro homofóbico como este não deve existir em um mundo onde a diversidade é respeitada.
Amanhã iremos queimar a homofobia.
COMPAREÇA"

No site da AGBLT está cheio de programas governamentais (http://www.abglt.org.br/port/eventos.php?tipo=Nacionais). É, de fato, o que está acontecendo e evangélicos estão apoiando... Alguns, virando heróis.

Norma disse...

Muito bom, Gutierres! Essas informações têm que circular amplamente, pois é com base nesse argumento vitimário que eles querem fazer passar a lei.

Solano Portela disse...

Cara Norma:

Excelente texto e argumentação. Fiz essa continha do Gutierrez em meu post "Genocídio Homossexual"? (http://tempora-mores.blogspot.com/2008/12/genocdio-homossexual.html).

A turma não gostou muito da verdade e recebi vários hate-mails...

Um abraço,

Solano

Norma disse...

Muito bom, Mauro! Já tiraram a informação do site, mas esse site fez o print screen:

http://noticiasdireitas.blogspot.com/2011/05/associacao-homossexual-abglt-programa.html

Norma disse...

É verdade, Solano, agora lembro! Muito bom seu texto!

Quanto aos hate-mails, que venham! :-)

Abração!

Uziel Santana disse...

Norma, assino embaixo do que você escreveu. A manipulação de dados e informações é grande. A construção e desconstrução de conceitos do mesmo modo. Aqui em meu Estado, Sergipe, pesquisando sobre isso, escrevi certa feita sobre o tipo de crime em que os homossexuais são envolvidos:

"(...) Pois bem, no ano seguinte, o governo petista em Sergipe – grande apologeta do PL 122/2006 – a contrario sensu do movimento cristão, destinou uma parte considerável do orçamento público do Estado para lançar o Centro de Referência de Combate à Homofobia, com assistência jurídica e psicossocial, gratuita, às vítimas do inexistente fenômeno homofóbico. Do mesmo modo, iniciou uma campanha estadual nas escolas, promovendo a agenda do movimento gay nacional (os mesmo que agora lutam para distribuir, nas escolas, o chamado “kit gay”, com clara promoção do homossexualismo entre crianças e adolescentes). O tragicômico desta “política pública” do Governo Marcelo Déda – baseada em pressupostos falsos, porque, de fato, não existe “homofobia” em Sergipe – foi demonstrada (mesmo que ele não tenha tido a intenção de fazê-lo) pela pesquisa consecutada pelo Prof. Marcelo Domingos do Departamento de Ciências Sociais da UFS que concluiu, em 2009, em sua investigação sobre a violência homossexual que o perfil da vítima/assassino nesses crimes é: “em geral o homossexual é uma pessoa estabilizada financeiramente, com idade acima de 30 anos em média, a maioria tem curso superior, tem emprego fixo e boa parte são funcionários públicos. Já o assassino é jovem tem idade média entre 16 e 28 anos, é desempregado, mora na periferia e tem baixa instrução” (reportagem da própria SSP-SE – http://www.ssp.se.gov.br/modules/news/article.php?storyid=3330). Ou seja: o Centro de Referência LGBT foi feito – já que o serviço é gratuito e para instrução dos LGBT’s – para pessoas que, reconhecidamente, tem discernimento sobre o que estão fazendo e poder econômico e grau de instrução suficientes para se defenderem sem a necessidade de tutela do Estado! Esse é um típico exemplo de malversação das verbas públicas, porque o assassino é o que deveria ser tutelado pelo Estado."

É impressionante a manipulação do movimento gay.

Norma disse...

Muito bom, Uziel. O panorama todo é essa absurda "luta de classes politicamente correta". Nisso tudo, quem ganha é o Estado, cujo poder está cada vez maior, pois é solicitado para "gerenciar" esses conflitos forjados, como se as pessoas fossem incapazes. E a sociedade só perde...

Norma disse...

Parece que a queima de Bíblias foi um ataque de Hacker:

http://noticias.uol.com.br/cotidiano/2011/05/31/site-abglt-convoca-para-ato-de-queima-da-biblia-entidade-diz-que-foi-hackeada.jhtm

Casal 20 disse...

Muito bom, Norma!

Nada como a verdade dos fatos (e dos números) contra a máscara da fantasia e da manipulação.

Sigamos salgando.

Abraços sempre afetuosos.

Izaldil Tavares de Castro disse...

Não preciso comentar um trabalho de tão alto nível. A mim me resta dizer: PARABÉNS!
Estou encantado com a maneira enxuta de a prezada irmã tratar o assunto; com a excelência do estilo e com a precisão das palavras, através de que todo o conteúdo se instaura sem sobrar nem faltar. Outra vez: PARABÉNS!

Aprendiz disse...

Uziel

Conforme entendo dos dados que você citou, os assassinos de gays são jovens e adolescentes e crianças miseráveis, que se deixam abusar sexualmente por uns trocados, e cuja raiva às vezes explode. Obviamente, se gays ricos ou de classe media deixassem de levar garotos miseráveis aos seus apartamentos de cobertura para abusar deles, não seriam assassinados.

Onde esta o kit anti exploração sexual de miseráveis? Esse sim seria um kit necessário. Quem abusa sexualmente de um miserável, esse sim e criminoso. Cadeia neles!

A igreja deveria passar para a ofensiva, e fazer uma campanha para salvar essas verdadeiras vitimas.

Esses que atacam agora a igreja e ameaçam as crianças, eles são criminosos. Como os crentes e ministros se deixam ameaçar por criminosos? Denunciemos eles dia e noite o ministério público. Quem tem de ir ara a cadeia são eles!

Quem não denuncia o criminoso acaba passando por criminoso.
Esse foi nosso pecado! Coloquemos os criminosos na cadeia ou iremos nos.

EZEQUIAS A. MARINS disse...

Norma, ler os seus textos é um bom momento de reflexão e lucidez... em meu blog escrevi um artigo com o título "homofobia ou homolatria", nele coloco que na realidade, nós os heterossexuais estão sendo discriminados pela PL 122, uma vez que em ela sendo aprovada e regulamentada no Brasil o homossexual será um cidadão de primeiríssima classe... vai ser menos crime matar um nordestino, um negro ou qualquer outro grupo que sabe-se ser vítima de preconceito do que um homossexual, que será protegido até mesmo de manifestações filosóficas contrárias... realmente, um absurdo. Continuemos nossa cruzada!

Edson Carlos de Oliveira disse...

Olá, Norma, o curioso é que o texto foi colocado no site deles por um hacker, então porque até agora não tiraram?

Aprendiz disse...

A afirmação de que foi um hacker funciona para limpar a barra deles. Eles mantém o texto o tempo suficiente para muita gente ler, seguir e participar do ato criminoso. E dizem que foi um hacker. Mente de esquerdista sempre funciona assim, chega a ser até monótono.

Nat disse...

Excelente. Racional e objetivo. Tambem bastante esclarecedor, ja que nao conhecia os numeros que voce apresentou. De fato, nao pare de escrever sobre o assunto (o que voce disse que ia fazer anteriormente). Deus sempre aben;coe voce e sua familia.
Natalia

Emanuel Souza disse...

Caros,

a argumentação dos homosexuais se vale de uma histeria que prolifera com o silêncio dos cristãos, ou da direita. A tática é usar e abusar do coitadismo.
O Gutierres já fez uma excelente contextualização dos números apresentados pelo movimento gay, mas queria fazer outra consideração.
Fazendo a conta, veremos que nestes vinte anos,e aceitando a informação deles, veremos que a média anual de mortes de gays seria de 172,4.
Para termos uma noção do que isso significa, vamos comparar com o número de mortes por queda de raios no brasil em 2010 que foi de 103.
A conclusão é que a "homofobia" é uma ameaça comparável ao risco de morrer por uma queda de raios.

PS: vale lembrar também que o número de mulheres mortas pelo aborto, tal como apresentado pela dilma na campanha, é de 200 por ano.

a fonte: http://raiosnews.blogspot.com/2011/01/raios-mataram-103-pessoas-no-brasil-em.html

Tania Cassiano disse...

Norma,

Eles esqueceram que Hitler os queimava na Segunda Guerra? Acharam bonito? E por isso querem queimar Bíblias? Não é uma ideia original ...
Abr.

Samuel Vitalino disse...

Norma,

Excelente post.

Vou divulgar na rede.

Rev. Ricardo Rios Melo disse...

Muito bom! Clareza, objetividade e maestria marcaram seu texto. Enquanto o movimento GBLS tenta promover a ditadura homossexual("homonazismo"), o Governo tenta esconder suas mazelas e sua inaptidão em resolver saúde, educação, segurança e outras necessidades básicas do cidadão. É tudo uma cortina de fumaça! Um presente de grego para esconder e atacar outras áreas, inclusive, a própria religião.

Morena Flor disse...

Olha, sobre os números dos assassinatos X crimes de ódio, tenho uma observação a fazer aqui:

O fato de ocorrerem milhares de assassinatos ocorrerem no Brasil(mais precisamente 50.000, uma cifra deveras altíssima, pior até do q países em guerra! - e isso fora os não notificados) e q dentre estes, os de homossexuais somarem algumas centenas(o q falei sobre os não notificados vale aqui tb), não significa q não existam crimes de ódio. Sim, eles existem, assim como existem centenas(q podem ser milhares) de assassinatos de mulheres por maridos, ex-maridos, ex-namorados, etc, q teimam em tratar mulheres como "coisas" e como seres q lhes pertencem(e sim, um resquício do machismo, ainda existente na sociedade brasileira), dentre muitas outras coisas similares. Não nos esqueçamos q existem grupos como os tais de "skinnheads", e outros da mesma natureza q espancam pessoas por ser gays, e isto é, infelizmente, uma realidade.

É preciso um diálogo aberto, franco e sem preconceitos, e a igreja bem q poderia encampar um diálogo assim, a fim de q possa contribuir para uma sociedade mais inclusiva a respeito desta parcela da população, os gays - para além das pregações contra a prática de homossexualidade - coisa q a igreja tem sim o direito de fazê-lo, ao contrário do q diz a tal da PlC 122.

Apesar da situação estar mudando(aos poucos), ainda vejo sim, lamentavelmente, muito preconceito contra gays nas igrejas, o q leva a muitos destes a se esconderem e até mesmo a contrair relacionamentos heterossexuais para tão somente se camuflarem(sei muito bem do q estou falando, já presenciei coisas assim há tempos atrás)

Penso q o discurso de incentivar o homossexual a ser sincero consigo mesmo com relação ao q ele é e às suas preferências é muito mais eficiente do q esta tática de praticamente obrigá-lo a um comportamento avestruz de se esconder e mesmo de simular(e dissimular!) um comportamento heterossexual, coisa q ocorre bastante nas igrejas ainda hj.

Penso q se o homossexual "se assumir" como tal, será mais fácil para ele(e, talvez, para todos à sua volta) lidar com isso do q se escondendo de si mesmo.

Q Cristo possa iluminar o espírito de sua noiva(a igreja, não é?) a tratar destes e de outros assuntos com a Graça Divina, ao invés da mão pesada do legalismo e do preconceito, como tem sido até aqui.

Um abraço,

Eneida.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Norma,

Concordo com o professor Izaldil Tavares de Castro. Parabéns!

Ciro Sanches Zibordi

Otoniel M. de Oliveira disse...

Parabéns!!!