24 fevereiro 2010

Vamos testar a tolerância secular com uma música pop

Um dos maiores sucessos dos Titãs nos anos oitenta foi aquela música Igreja (tem no You Tube), que dizia:

Eu não gosto de padre
Eu não gosto de madre
Eu não gosto de frei

Eu não gosto de bispo
Eu não gosto de Cristo
Eu não digo amém!

Todo mundo adorava! Todo mundo ainda adora os Titãs e o compositor de Igreja, o hoje tão bonzinho, comportadinho e falandinho-de-amor Nando Reis. Mas, pensando bem, o que eles fizeram não é nada de mais. Pelo menos há uns cinquenta anos (pois é, cinquenta anos!), xingar a igreja, falar mal de padre e pastor e enxovalhar o cristianismo é moleza, lugar-comum e não choca ninguém. Assim, lanço aqui uma ideia que todos os cristãos conservadores, protestantes e católicos, poderão aproveitar: testar a tão propalada tolerância do secularismo politicamente correto com uma letra contracultural de verdade, desafiando a religião moderna. Vamos todos então cantar assim:

Eu não gosto de Lênin
Eu não gosto de Stálin
Eu não gosto do Che!

Eu não gosto do Chávez
Não gosto do Morales
Eu não sigo Fidel!

Eu não rezo pra Lula
Eu não voto na Dilma
Eu não sou do PT!
Não! Não!

Eu não gosto de Darwin
Eu não gosto de Dawkins
Nem do tal do big bang

Eu não sou feminista
Não aprovo o aborto
Eu gosto do neném!

Eu não faço parada
Eu não creio nas cotas
Nem festejo Zumbi!

Eu não gosto da esquerda
Eu não entro pra esquerda
Não sou comunistão!
Não!
Não! Não gosto! Eu não gosto!
Não! Não gosto! Eu não gosto!

43 comentários:

Guilherme de Carvalho disse...

Oi Norma,

bem, como vc sabe, sou crítico do liberalismo, que detesto quase tanto quanto quanto o marxismo.

Mas tenho que admitir que a letra ficou boa, rsrsrs... Eu ia amar ouvir isso no rádio!

Guilherme

Norma disse...

Oi, Guilherme!

Ué, mas eu também não sou liberal. Sou a favor do estado mínimo, de acordo com a Bíblia e com os ensinamentos de Calvino e de Kuyper derivados da Bíblia. Meu conservadorismo diz respeito à conservação da herança da graça comum, algo que nossas sociedades ocidentais ainda mantêm (não sei até quando... do jeito que a coisa está, ainda vamos voltar a algum tipo de organização tribal-tecnocrata). A letra não tem nada com o liberalismo. Pode cantar à vontade, hehehe!

Abração!

Edson Camargo disse...

Fiquei com um pé atrás com a crítica ao big-bang, Normitcha.
Já vi autores cristãos contrários, e outros entusiastas.

Norman Geisler, por exemplo, comenta das evidências suficientes, que tudo se harmoniza com os princípios da termodinâmica, e se anima com as implicações apologéticas, citando Robert Jastrow, que nem cristão é, é agnóstico, e reconhece o "resultado muito teísta" das pesquisas nas últimas décadas.

Para Geisler, o big-bang seria, digamos assim, a descrição mecânica (num sentido bem amplo) do "Fiat Lux".

Pergunte aí ao nosso físico, o que ele acha.

Bjo!
Ed

Jorge Fernandes Isah disse...

Norma,

a sua letra ficou hilária, e altamente provocativa para os empedernidos e obcecados marxistas e liberais.

Gostaria muito de ouvi-la no top ten das rádios.

Mas como a cultura pós-moderna privilegia a estupidez e a irracionalidade, provavelmente levantariam montanhas de cd's e ateariam fogo, bem ao estilo de vida obliterado deles.

Cristo a abençoe!

Norma disse...

Oi, Dim!

Vou perguntar ao André! De qualquer maneira, o Big Bang tem sido usado para destronar a ideia da criação. É nesse sentido que dá pra dizer "não gosto do Big Bang".

Beijos!

Norma disse...

Oi, Jorge!

Vamos fazer o teste! Se eu tivesse uma banda, faria... Tomara que um grupo de rock cristão conservador (isso existe?) compre a ideia!

Abraços!

Roberto Vargas Jr. disse...

Edson,
Li um livro de um judeu que trabalha no MIT (não lembro o nome do cara) que faz uma interessante harmonização do Gênesis com o Big Bang. Ele faz também harmonização com o evolucionismo.
Não lembro detalhes, lembro apenas que achei interessante. A primeira parte mais que a segunda.
De todo modo, isso me lembra a pichação que vi na Federal de São Carlos que dizia: "E disse Deus: (as equações de Maxwell). E houve luz". Sei lá se há buracos. Nosso físico aí pode nos dizer. Mas que é legal, isso é!
NEle,
Roberto

Roberto Vargas Jr. disse...

Norma,
Como nos falamos, publiquei seu texto no RVJ. Posto aqui o comentário que acrescentei lá:

Que haveria mais a dizer? O texto da Norma está perfeito! Mas eu quero apenas acrescentar uma experiência pessoal…
Fui a um show do Titãs há não muito tempo. Foi por questões de negócio e eu não queria estar lá. Pela primeira vez, desde que deixei de ouvi-los, ainda na minha adolescência, prestei atenção em suas letras. Exceto por músicas como Flores e talvez uma ou outra mais, é tudo um lixo do politicamente correto. O engraçado é vê-los com ares de rebeldes contra o senso comum. São muito ridículos. E mais ridículas são as multidões que vão repetindo suas asneiras sem se dar conta do que dizem!
Alguma semelhança com o mundo “gospel”?
Quanto a mim, em tudo que canto e falo, a Deus sempre a glória!
SDG!

NEle,
Roberto

Juan de Paula disse...

Norma,

excelente! Coisas sérias em bom tom de humor.

Só falta mesmo uma boa banda trabalhar a letra (risos)

Abs,
Juan

Edson Camargo disse...

Olá, Roberto,

É interessante sim, mas essa mania de querer extrair da ciência conclusões que a ela não dizem respeito é perigosa, e, em certa medida, burra.

Veja só: conhecemos autores que vêem o Big Bang como um triunfo para a apologética cristã. Norma já conhece uns que usam o Big Bang para negar Deus.

A presença de leis fixas na natureza já foram usadas tanto para negar a Deus, no século XVIII, como para afirmá-lo, muito antes disso. Aí veio Planck e Heisenberg, com o princípio da indeterminação, e começou o trelelé de novo.

A verdade é que cientistas, quando querem posar de filósofos, normalmente se tornam asnos. A rigidez metodológica pode andar lado a lado com a estupidez na metafísica.

E aí está o Dawkins, que não me deixa mentir, hehehe.

Abraço!

Roberto Vargas Jr. disse...

rsrsrs
Edson, as afirmações (ou perguntas) metafísicas de Dawkins realmente são de uma asnice cômica! rs

Mas quanto ao judeu, ele não tinha
um tom de filosofar a partir da ciência ou eu, pelo menos, não o li (ou não o lembro) assim. Pareceu a mim apenas um: "vejam como os discursos não são contraditórios". Como eu disse, achei interessante. E divertido!
Como eu também disse, a primeira parte, a do Big Bang, é melhor que a segunda, a da evolução. Isto quer dizer também que, a um leitor leigo como eu, a conciliação feita por ele é mais "convincente" no primeiro caso que no segundo. O que não quer dizer que o livrinho possa ser usado como dados para um argumento de qualquer modo! rs

Sim, já vi argumentos antiteístas via Big Bang. Todos passam por um materialismo que afirma a eternidade da matéria (infinitamente densa, que expande e volta e explode de novo, aquela coisa toda...). E já vi a explosão como um "haja luz" bíblico. Minha alusão à pixação é só uma lembrança desta última. Mas é só até a lembrança que vou. Pois, de resto, concordo com você que não dá para extrair da ciência o que ela não pode dizer! Ou, em outras palavras: a cosmovisão fundamenta a ciência, não esta àquela!

Abração, nEle,
Roberto

André disse...

Olá, Norma, Roberto e Edson!

Bem, já que minha opinião sobre o negócio do Big Bang foi solicitada, direi umas poucas palavras. Mas nada é mais importante que dizer que não sou nenhuma autoridade no assunto. Logo que me formei, peguei um livro-texto básico chamado "Introduction to cosmology" ou algo parecido; entendi bem o primeiro capítulo, mais ou menos o segundo e praticamente nada do terceiro ao décimo. E notem que, como diz o título, o livro era apenas uma introdução ao assunto. Conto essa história a fim de que vocês compreendam minha decisão de não levar a sério as avaliações da evidência científica feitas por teólogos, assim como pela maioria dos físicos. Se alguém quiser saber se julgo convincente a a evidência científica em favor do big bang, é só perguntar, que eu prometo responder dentro de vinte anos. hehe

Não há dúvida de que a maioria dos cosmólogos aceita os postulados básicos da teoria do big bang; infelizmente, cientistas não são mais sensatos que o restante da humanidade, e não merecem confiança irrestrita nem mesmo quando falam de suas áreas de especialidade. Demonstra-o a aceitação do dogma evolucionário pela esmagadora maioria dos biólogos, inclusive dos que estudaram o assunto.

Do ponto de vista teológico e filosófico, minhas ressalvas quanto à teoria cosmológica padrão são bem menos severas que minhas objeções à evolução biológica. Mas, tanto num caso quanto no outro, não aprovo a mania de certos teólogos - e pensadores religiosos em geral - de sair procurando harmonizar sua teologia a qualquer coisa que se apresente como a "opinião dos cientistas". Em resumo, não simpatizo com a demonização dessa harmonia, nem com o entusiasmo por ela.

Até onde vai meu conhecimento, considero perfeitamente defensável a afirmação de Jastrow quanto ao "resultado muito teísta" das pesquisas cosmológicas recentes. Só não devemos esquecer que o mero "teísmo" é uma coisa muito aquém do cristianismo bíblico. O big bang não tem nada de inerentemente materialista; a abiogênese e a ancestralidade comum também não; a ciência em geral, muito menos. Creio que não há nada nessas teorias que não possa ser endossado por um deísta, um hindu ou um espírita.

Quanto à pichação mencionada pelo Roberto, eu me lembro bem dela. Também se transformou em camisetas, que podem ser vistas de vez em quando aqui em São Carlos. Com ou sem big bang, seu conteúdo expressa bem a origem divina das leis da natureza, e por isso gosto da ideia.

Abraços!

André disse...

Com toda essa conversa sobre big bang e coisas do tipo, acabei esquecendo de dizer uma coisa: Norma, adorei o post! :)

PBR disse...

Norma, você é genial!

Luiz de Moraes disse...

Excelente observação, Norma! Sobre o anticristianismo da contracultura, fiz uma montagem de vídeo que ilustra um pouco o assunto. Essa é a primeira de 3 partes: http://www.youtube.com/watch?v=ACh1xUd7lng&feature=related

Ricardo Henrique disse...

Achei demais!

Pode gravar que vai ser sucesso ahahah!

Norma disse...

Ah, eu queria muito ter uma banda para tocar isso! Hahahaha!

Por coincidência (ou não), recebi um mail hoje sobre uma música dos Titãs. Olhem que interessante: o mesmo grupo que canta sua revoltinha sem causa bradando "Eu não gosto de Cristo" também canta essa pérola:

Eu quero o mesmo inferno
A mesma cela de prisão
A falta de futuro
O mesmo desespero

Coerente, né?

Luis Souza disse...

Sensacional!

Fabio Blanco disse...

Norma, se vc deixar eu posso tentar fazer uma música com essa letra.
Seria divertido e a gente poderia disponibilizar em nossos blogs!
O que vc acha?

Rodney Eloy disse...

Ficou ótimo Norma!

Tive a liberdade de reproduzir o post no AntenA - http://antenacrista.blogspot.com

Norma disse...

Oi, Fabio,

A letra foi feita para acompanhar a melodia da música dos Titãs, mas eu acho ótimo! Aliás, eu nem me importo com autoria: quanto mais gente ficar sabendo e cantar, melhor! (Mas se quiserem gravar um cd uma graninha não seria nada mal... HEHE!)

Eu tenho um sonho... hehehehehe!

Imaginem uma passeata de protesto CONTRA essa revolução socialista surda do PT. E nessa passeata todos os jovens cantam, punhos ao ar:

Eu não gosto de Lênin
Eu não gosto de Stálin...

:-D

Blog do Farmacêutico disse...

Pessoalmente, tiraria a quarta estrofe (ainda acho plausível que a seleção natural,o big bang e os desígnios divinos sejam compatíveis), embora ache a letra de "Igreja" beeeeeeem razoável (ainda que seja obrigado a concordar com a Norma que xingar valores religiosos sejam uma das coisas mais chavões nos tempos atuais).Para mim as melhores músicas dos Titãs sejam "A Melhor Forma" e "Caras Como Eu" (que poucos a conhecem -lindas e atemporais).

Norma disse...

Farmacêutico,

Foi pensando nessas discordâncias que eu fiz uma estrofe a mais. Ainda dá pra você cantar sem ela, hehehe!

Para não dizer que não gosto dos Titãs, tem uma música deles bonitinha: Flores.

Abraços!

Renato disse...

Eu também acrescentaria ai o comportamento de muitos atores e atriz que nos anos 70 e 80, claramente atacavam a Igreja Católica nos famosos filmes de pornochanchadas, e novelas também.

Por exemplo: Uma dessas famosas atrizes, a Matilde Mastranggi, fazia cada filmequinho onde denegria a Igreja Católica e os seus membros!

Dizem que ela hoje é protestante, não seu, mas será que ela já pediu perdão a Igreja Católica e aos católicos por essa atitude no passado, ou será que ela acha que "ao encontrar Jesus" é o suficiente?

Norma disse...

Renato, se ela for "protestante" como a Monique Evans, uma atitude dessas sequer deve ter passado pela cabeça dela! :-)

Fernanda disse...

"Eu gosto do neném!", "Não sou comunistão!" - Quase caí da cadeira de rir aqui! Muito bom, Norma. Nunca ouvi a música original (Titãs e Nando Reis pra mim não cheiram e nem fedem), mas agora estou com vontade só pra aprender a cantar com a sua letra...

Gosto muito daqui, aliás, e visito sempre apesar de nunca ter comentado.

Um abraço pra você! :^)

Cristiano Silva disse...

Bom, eu não costumo ouvir Titãs, não conheço o trabalho deles tirando aquele sucesso recente fruto de um especial acústico da MTV, e o mesmo vale para qualquer outra coisa do rock nacional. Por isso, o trabalho e a mensagem deles tem um efeito completamente nulo para mim.

Mesmo assim, valeu a intenção da letra. Mas para me sentir mesmo contra o Zeitgeist geral moderno, eu cantaria esta música com uns versos a mais:

Eu não dependo de fantasias místicas
Eu não acredito em relativismo moral
Eu não deposito minha confiança no Homem
Não! Não!


Ou algo do tipo. Abraços.

André disse...

Farmacêutico, nem o criacionista mais fundamentalista que já encontrei coloca em dúvida a existência da seleção natural - que, aliás, foi descoberta bem antes de Darwin. A questão não é sua existência, e sim a quase onipotência que o darwinismo e seus derivados lhe atribuem.

Mas peço que me satisfaça uma curiosidade: já que você tiraria a quarta estrofe inteira, isso significa que você gosta do Dawkins?

Abraços!

lde disse...

Ficou muito boa a nova letra!

Será que se alguém quiser cantá-la na TV eles levam ao ar?

Abs,
Carlos

http://twitter.com/livrexpress

Norma disse...

Hahaha! Boa pergunta, Carlos!

Abraços!

Vanessa Reis disse...

Seria bem legal se um músico (só violão e voz já seria suficiente, até) gravasse, em casa mesmo, a melodia da música dos Titãs com essa letra. Daí para o youtube, e então, com a divulgação feita por cada aqui, aposto que ia se transformar num viral rapidinho. \o/
Fica a dica. =)

Conde de Granada - Dayher B. da S. Gimenez disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lucas Santos disse...

Passei a letra para conhecidos por email, e teve um cristão que me respondeu que era preconceito colocoar assim o comunismo, como se fossem tudo farinha do mesmo saco...E que Jesus não veio pregar contra isso...

Dá pra aguentar um negocio desses?

Cristãos evangelicos comunistas?
Aaiaiai - e pelo jeito deve ter um monte, né?

Set disse...

Achei minha versão para IGREJA mais engraçadinha, olha:
"Eu não gosto do Papa Edir Macedo
Eu não gosto do Apostolo Valdomiro
Eu não gosto da Bispeza Sônia Hernandes!

Eu não gosto do Buch
Não gosto do Maluf
Eu não sigo Collor!

Eu não rezo pra bancada Ruralista
Eu não voto no Serra
Eu não sou do DEM!
Não! Não!

Eu não gosto de crente
Eu não gosto de evangélico
Nem do tal do protestante

Eu não sou homofóbico
Não sou contra o aborto
Eu não aguento hipócritas!

Eu não faço cruzada
Eu não creio nas igrejas evangélicas
Nem festejo pastor!

Eu não gosto da direita
Eu não entro pra direita
Não sou tapadão!
Não!
Não! Não gosto! Eu não gosto!
Não! Não gosto! Eu não gosto!"

Norma disse...

Hahahahaha!

A minha é MUITO melhor: a sua não segue o ritmo!

Abraço!

Roberto Vargas Jr. disse...

rsrss
Norma,
Acho que foi este mesmo Set que comentou no meu blog a mesma letra. Mas lá ele comentou como anônimo. Uma pena! Eu não publico anônimos. No máximo, desprezo-os publicamente.
Quando este aí aprender a ler, então eu o publico.
Mas não é engraçado que não saibam diferenciar melancia de azeitona?! rsrsrsr
No Senhor,
Roberto

Roberto Vargas Jr. disse...

Ah, a propósito, diz ele anonimamente no meu blog:
"Aliás, você e a Norminha se merecem. Parece que foram feitos um para o outro".
André, meu caro, bem entendido: é uma honra!
No Senhor,
Roberto

Joel disse...

Oi, Norma.

Parabéns pelo seu blog! Me identifico com suas idéias e me tornei seu leitor!

Quanto ao Big-Bang, se você me permite, eu sugeriria a leitura dos artigos e transcrições de debates do William Lane Craig, em www.reasonablefaith.org.

Transcrevo abaixo trecho do artigo "Does God Exist?"

God makes sense of the origin of the universe

(...) In one of the most startling developments of modern science, we now have pretty strong evidence that the universe is not eternal in the past but had an absolute beginning about 13 billion years ago in a cataclysmic event known as the Big Bang. What makes the Big Bang so startling is that it represents the origin of the universe from literally nothing. For all matter and energy, even physical space and time themselves, came into being at the Big Bang. As the physicist P. C. W. Davies explains, "the coming into being of the universe, as discussed in modern science . . . is not just a matter of imposing some sort of organization . . . upon a previous incoherent state, but literally the coming-into-being of all physical things from nothing."

(...) In fact, in 2003 Arvind Borde, Alan Guth, and Alexander Vilenkin were able to prove that any universe which is, on average, in a state of cosmic expansion cannot be eternal in the past but must have an absolute beginning. Vilenkin pulls no punches:

It is said that an argument is what convinces reasonable men and a proof is what it takes to convince even an unreasonable man. With the proof now in place, cosmologists can no longer hide behind the possibility of a past-eternal universe. There is no escape, they have to face the problem of a cosmic beginning.

That problem was nicely captured by Anthony Kenny of Oxford University. He writes, "A proponent of the Big Bang theory, at least if he is an atheist, must believe that the universe came from nothing and by nothing."4 But surely that doesn't make sense! Out of nothing, nothing comes. So why does the universe exist instead of just nothing? Where did it come from? There must have been a cause which brought the universe into being.

We can summarize our argument thus far as follows:

1. Whatever begins to exist has a cause.

2. The universe began to exist.

3. Therefore, the universe has a cause.

Given the truth of the two premises, the conclusion necessarily follows.

From the very nature of the case, this cause must be an uncaused, changeless, timeless, and immaterial being which created the universe. It must be uncaused because we've seen that there cannot be an infinite regress of causes. It must be timeless and therefore changeless—at least without the universe—because it created time. Because it also created space, it must transcend space as well and therefore be immaterial, not physical.

Moreover, I would argue, it must also be personal. For how else could a timeless cause give rise to a temporal effect like the universe? If the cause were a mechanically operating set of necessary and sufficient conditions, then the cause could never exist without the effect. (...) So if the cause is permanently present, then the effect should be permanently present as well. The only way for the cause to be timeless and the effect to begin in time is for the cause to be a personal agent who freely chooses to create an effect in time without any prior determining conditions. For example, a man sitting from eternity could freely will to stand up. Thus, we are brought, not merely to a transcendent cause of the universe, but to its personal Creator.

Isn't it incredible that the big bang theory thus confirms what the Christian theist has always believed: that in the beginning God created the universe? Now I put it to you: which makes more sense: that the Christian theist is right or that the universe popped into being uncaused out of nothing? I, at least, have no trouble assessing these alternatives!

Um abraço, Joel.

Joel disse...

Aposto que de Che, Fidel, Mao e Stalin (que juntos assassinaram mais de 100.000.000 de pessoas) esse tal de Set gosta... É por essa e outras que eu acho que a moral dupla é a característica principal que une os esquerdistas de todos os matizes.

Joel disse...

Oi, Norma.

Se você me permite, pra reforçar o artigo acima, gostaria de sugerir ainda:

"We’re All Creationists Now (Even the Skeptics!)", de Benjamin Wiker:

http://www.tothesource.org/9_30_2008/9_30_2008_printer.htm

Alguns trechos do artigo:

"Skeptics are in something of a panic. They need to find a cause of the universe, and quick! Not only does science affirm that the universe had a definite beginning, but the Big Bang looks suspiciously like Genesis. Creation out of nothing—and not by an explosion (as the unfortunate name “Big Bang” suggests), but by a finely-calibrated, beautifully orchestrated unfolding of matter and energy."

(...)

"So we put the question again: Does science make belief in God obsolete?

And we answer: No, the best science, the latest science is pointing the way to God. The days of atheist-friendly science have entered their twilight; the days of theist-friendly science are now dawning."

Até mais, Joel.

D. José disse...

Rs. Ótima letra. Enquanto lia, até tentei cantar -

Sobre o Big Bang, o Prof. Adauto Lourenço oferece um bom contraponto. A Editora Fiel lançou seu livro "Como Tudo Começou", onde vemos uma proposta bem consistente.

Vale a pena ouvir e avaliar os argumentos de Adauto. Ele tem feito um trabalho respeitável; é um cristão muito firme e suas credenciais na área de física dão-lhe bastante credibilidade

Abraços,

D. Jose

Cabral disse...

Essa letra dá um punk rock, tipo Replicantes!

Me disseram que sem lenço
era a grande solução
joguei fora os documentos
e acabei no camburão

Não vou pq não, não vou pq não
Não!


Mas isso nunca dá audiência.

Enézio E. de Almeida Filho disse...

Para uma visão teísta favorável ao Big Bang:

http://www.reasons.org/