29 março 2010

Por que não sou de esquerda

Artigo publicado na Revista Ultimato, março de 2010

Diante do problema do mal, experimentamos a urgência de uma solução. Para quem crê, Jesus satisfez essa urgência: inocente, sacrificou-se por nós. Assim, o cristão fiel declara com tranquilidade que o mal está em si, confiando em Cristo para a redenção. Porém, para quem não crê, o problema do mal resta irresolvido e a solução será sempre externa. Este é o “mecanismo do bode expiatório”, segundo René Girard: fazer com que alguém encarne o mal e eliminá-lo, gerando sacrifícios sem fim (enquanto a Bíblia enfatiza: o sacrifício de Jesus é eterno).

Isso se verifica facilmente entre nós, ocidentais, quando lembramos os assassinatos em massa do século XX. Judeus, ciganos, cristãos dissidentes e povos não-alemães foram os bodes expiatórios da Alemanha hitlerista: quarenta milhões de mortos. Da mesma forma, nos países comunistas o vago conceito de “classe dominante” tem justificado a condenação à morte de mais de cem milhões. Trata-se um ciclo diabólico, pois não há sacrifícios que cheguem para a sanha dos que pensam combater o mal dessa maneira. Assim, a violência aumenta na mesma proporção do secularismo.

A equiparação entre comunismo e nazismo não é novidade. No entanto, de certo modo o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães era melhor nisso: mentia menos. Seus membros não escondiam o desejo de conquistar o mundo; já o socialismo oculta seu projeto de poder total sob a compaixão pelos pobres e a promessa de um futuro glorioso. O autointitulado “protetor dos oprimidos”, ao tornar-se chefe da nação, passa a valer-se de sua anterior (e farsesca) posição de “oprimido” para solapar resistências e positivar desmandos. E o povo, além de mais empobrecido, fica definitivamente sem voz. Na Rússia, na China e no Camboja a arbitrariedade apenas mudou de mãos, tornando-se voraz como nunca; em Cuba, uma favela carioca pareceria condomínio de luxo na parte não-turística da ilha; na Venezuela, Chávez diz “eu sou o povo” para justificar a progressiva supressão da democracia.

Hoje não há cristãos nazistas (espero!), mas há uma miríade de cristãos socialistas ou comunistas. É algo difícil de compreender. Em primeiro lugar, por que um seguidor de Jesus aderiria a um arremedo de plano da redenção? Para confessar esse endosso, precisaria necessariamente subverter todo o pensamento bíblico, substituindo a criação divina pela matéria autônoma, o pecado original pela propriedade privada, a salvação em Cristo pela revolução socialista. Se não o fez, é porque ainda oscila entre os dois mundos, sem perceber que são díspares — a cultura marxista mimetizando a cristã.

Em segundo lugar, por que um cristão se posicionaria a favor de um Estado forte que pune seus dissidentes? O processo de centralização do poder empurra a igreja ou para o servilismo ou para a clandestinidade onde quer que o socialismo seja implementado. De fato, Hannah Arendt estudou o totalitarismo e concluiu que o isolamento torna o ser humano muito mais vulnerável ao controle estatal. Por isso, esse regime ataca prioritariamente as livres associações (a família, a igreja, a escola, o comércio), buscando atomizar a sociedade no melhor estilo romano “dividir para conquistar”.

Ser socialista e cristão é tomar o partido de César, não de Cristo. Sobretudo, ser socialista e cristão no Brasil de hoje é assumir uma postura perigosíssima para a igreja. De várias maneiras, o governo atual, honrando suas influências teóricas e suas alianças internacionais, busca cada vez mais controle sobre a sociedade. É quando precisamos recorrer aos ensinamentos de Calvino e Kuyper: por causa do pecado, Deus instituiu os magistrados para punir os maus e garantir a ordem; porém, o Estado jamais pode ferir a soberania das esferas individuais, familiares e corporativas, pois a autoridade de cada esfera descende igualmente de Deus. Caso o faça, devemos orar para que retorne ao ideal divino, opondo-nos a cada atentado à liberdade e amparando os perseguidos. Mas isso só será possível se substituirmos a cosmovisão esquerdista por uma genuína cosmovisão cristã. Que Deus ajude a igreja brasileira nessa empreitada.

32 comentários:

Vitor Grando disse...

Norma,

Espero ansiosamente a sua resposta às críticas.

Um abraço,

Vitor.

Gabriel disse...

Olá, Norma. O Eliel escreveu um texto em resposta ao seu texto sobre o comunismo. De fato, quem conhece a história do comunismo, quem lê Karl Marx, não poderia aceitar as suas idéias sem passar por cima dos valores mais elementares da doutrina cristã, sendo um deles, a própria família.

Eu postei o texto DECEPCIONANTE do Eliel em um blog de um colega que estuda muito sobre o comunismo e é teísta católico e ele fez questão de refutar o texto do Eliel aqui: http://neoateismodelirio.wordpress.com/2010/03/30/o-comuteismo-de-eliel-vieira/

Tão decepcionante foi o texto do Eliel que mais pareceu um neo ateu comunista escrevendo do que qualquer outra coisa, com "direito" à deturpação de dados e falácias diversas.

Realmente lamentável.

Um grande abraço!
Gabriel.

Norma disse...

Caro Gabriel,

Muito obrigada por ter postado o link do seu amigo católico. Está muito bom. De fato, o texto do Eliel é assombroso e terrível, mas deve exprimir o pensamento de muita gente...

Abraços!

Cristiano Silva disse...

Oi Norma,

Muito bom ver o seu artigo publicado na Ultimato, o que significa que será lido por uma parcela de evangélicos/protestantes que não tem o costume de ler no computador, via Internet. Seu ensaio lança luz em um debate muito importante: quais ideologias que nós consumimos ao longo da vida, sem fazermos uma análise honesta se são ou não discrepantes em relação à Palavra de Deus?

Acho que foi bem coerente com aquilo que você escreve há tempos aqui em seu blog. Inclusive, acho que as respostas aos comentários já feitos também já sem encontram registrados em outros posts seus.

Espero que sirva de instrumento de Deus para abençoar as pessoas.

God bless.

Norma disse...

Obrigada, Cristiano! Você tem razão. Em um espaço limitado como o do artigo, eu jamais poderia desenvolver amplamente minhas ideias, mas há muito aprofundamento aqui no blog. Espero que os detratores do texto percebam isso.

Abraços!

Mário Celso S Almeida disse...

Querida Norma,os comunistas 'cristãos' tem como base de suas idéias, o texto de Atos 2 em relação à igreja primitiva...O tudo em comum daquela "koinonia" direcionada pelo Espírito de Deus, não tem nada a vez com as ideologias absurdas desse fajuto sistema político...Um abraço,

Em Cristo
Mário Celso

Francisco Razzo disse...

Prezada Norma

Parabéns pelo texto, sobretudo pelo serviço prestado: desmascarou vigaristas!

O pior é que o rapaz nem entendeu a base filosófica do seu argumento e partiu pra crítica. Que decepção!

Parabéns pelo blog também

Respeitosamente
Francisco

praricardo disse...

A vermelhada está dandada da vida com vc. Parabéns. Parabéns pelo texto. Corajoso e oportuno.

Ricardo

Norma disse...

Sim, Mário. E a coisa vai muito além...

Francisco, seu texto ali (http://www.elielvieira.org/2010/03/resposta-norma-braga-sobre-socialismo-e.html) está muito bom. Gostei sobretudo das indicações de obras. De fato, faltam leitura e reflexão ao autor da "resposta".

Obrigada, Ricardo!

praricardo disse...

O “Problema do Mal” não é problema até quando o sofrimento atinge somente o visinho, mas quando é você mesmo quem o sofre o quadro muda. Que o diga C. S. Lewis, não é?[http://www.elielvieira.org/2010/03/resposta-norma-braga-sobre-socialismo-e.html]

E o camarada ainda encrencou com o "por que". hehehe

Norma disse...

É, o texto está cheio de erros de português...

Norma disse...

Mas o mais engraçado nem é isso. É um outro lá que primeiro insistiu que meu "por que" estava errado. Quando viu que estava correto, passou automaticamente e sem desculpas a implicar com minha resposta (oração interrogativa indireta: vou explicar a você, leitor, "por que não sou de esquerda"). Ao continuar implicando, continua a cometer uma miríade de erros de português. Hahahaha!

É como disse alguém: a inteligência humana tem limites, a burrice não.

André von Held Soares disse...

Prezada Norma, eu escrevi um texto de crítica ao seu texto aqui.
Acho que seria legal você dar uma olhada e, se possível, comentar. Ele está no meu blog: www.andrevhs.blogspot.com
Não escrevi em tom belicoso (pelo menos, tentei ao máximo sair disso).
Um abraço,
André

praricardo disse...

"Quem luta pelo comunismo tem poder de lutar e não lutar; dizer a verdade e não dizer a verdade; prestar serviços e negar serviços; manter a palavra e não cumprir a palavra; enfrentar o perigo e evitar o perigo; identificar-se e não identificar-se . Quem luta pelo comunismo tem de todas as virtudes apenas uma: lutar pelo comunismo."(Bertold Brecht)

Como eu já disse, vc foi corajosa. Entrou numa guerra assimétrica. Ataques mais infames virão de todos os cantos.

Deus te proteja e nos livre dos gafanhotos.

Norma disse...

Obrigada, André. Vou dar uma olhada e logo respondo.

Abraços!

Norma disse...

Ricardo,

Impressionante essa citação do Brecht. Nunca tinha visto. Pelo que pesquisei, faz parte de uma das peças dele. De fato, ele descreveu exatamente o modo com que os comunistas agem.

Meu noivo me lembrou agora que Bertold Brecht é um dos perfis mais terríveis do livro Os Intelectuais, de Paul Johnson. Johnson sempre tenta encontrar alguma coisa boa, pelo menos, em Marx ou Rousseau (o que já é uma tarefa hercúlea: o primeiro vivia de pedir dinheiro, teve um filho com a empregada e o renegou, e o segundo abandonou seus filhos para depois posar de "educador"). Mas sobre Brecht não sobra praticamente nada.

Um mundo pecador escolhe muito bem seus ídolos! Mas, se a igreja burramente vai atrás, é necessário arrependimento.

Abraços!

Francisco Razzo disse...

Prezada Norma

Seu texto tem revelado mesmo muito cristão picareta:

http://andrevhs.blogspot.com/2010/03/esquerda-direita-volver.html

Meu Deus
Santo Tomas de Aquino Ora Pro Nobis!

Norma disse...

Oi, Francisco,

Eu sei, e seu autor está querendo resposta. Pelo menos o texto dele é mais educado.

Agora, o pobre do Eliel se queimou com aquele artigo. Tem um bando de gente decepcionada com ele...

Estou às voltas com uma tradução atrasada aqui. Quando puder, posto as respostas que já estou escrevendo.

Abraços!

Jorge Fernandes Isah disse...

Norma,

com o seu post e o do Edson "Profeta Urbano", os marxistas estão em rebuliço; e já não sabem mais a qual nível de irracionalidade chegar para defender uma ideologia completamente avessa ao Cristianismo.

No sistema comunista não há chance de se ser cristão e comunista, ou se é um ou outro. Nem há como fingir ser, como a maioria dos chamados "cristãos" marxistas fingem seguir a Cristo em países como o Brasil e os EUA, onde há liberdade religiosa (não se sabe até quando, graças a influência esquerdista).

Implantado o comunismo, haverá uma sensível diminuição do número de cristãos; alguns porque terão de tomar uma posição em favor do "outro" deus, e adorá-lo; outros porque serão perseguidos e mortos por amor a Cristo.

Em tudo isso eles são covardes, porque desprezam exatamente o que vivem a alardear, como uma justificativa insana para o mal que defendem: a justiça e o amor. Mas que raios de justiça e amor são esses que veem o próximo sofrer em mãos injustas e desamorosas? E ainda saem na defesa dos algozes com os argumentos mais cínicos, despropositados e estúpidos?

Sinceramente, não gostaria de depender do "amor" desses cristãos, pois são camaleões e mudam dependendo do ambiente. O problema é que, diferentemente dos camaleões, assumem sempre a cor vermelha e suas variáveis.

Cristo a abençoe!

Abraços, extensivos ao André.

Norma disse...

Obrigada, Jorge!

Enquanto os medalhões fingem e trapaceiam, misturando socialismo e cristianismo enquanto dizem que "não existe mais esquerda", seus seguidores são menos espertinhos e falam direto do coração. Esse resultado é a sandice que temos visto como resposta ao meu texto.

Que Deus tenha misericórdia de todos eles, os fingidores e os enganados.

Abraços!

André von Held Soares disse...

Prezada Norma,
Eu mandei o texto que escrevi para a Ultimato e eles me sugeriram uma enxugada nele, para participar da discussão.
Aproveitei o embalo para mudar umas coisas, tornar uns parágrafos mais claros, mudei a maneira de expor a fonte da discussão e, por isso, seu nome só aparece uma vez, no parágrafo: "Norma Braga rejeita uma esquerda monolítica e dura. Eu também! Mas diante de uma esquerda multifacetada e plural (anarquista, socialista, comunista, socialista cristã, e até sócio-democrata), eu me sinto bem à vontade, pois não é um corpo doutrinário homogêneo oposto a Cristo."
No restante do meu texto as referências ao seu aparecem em itálico e sem te identificar.
Os 2 textos estão lá no blog, um em cima do outro. Se houver algum desconforto pessoal com a exposição, diga-me, por favor. Não quero criar desavenças.
Gostaria de esclarecer que não faço parte de nenhum grupo organizado politicamente em torno de qualquer ideologia formal e comprometedora. Digo isso, pois não esperava ser chamado de "picareta" aqui.
Se achar o texto ofensivo, gostaria de repetir que não foi minha intenção ser belicoso. Talvez brincalhão e meio sarcástico, no máximo.
Acabo de ver que, enquanto escrevo este comentário, você deixou um lá no meu. Obrigado e vamos dialogando!

Norma disse...

Oi, André,

Não me incomodo de jeito nenhum com as citações. Fique à vontade!

Também não faço parte de nenhum grupo institucionalmente constituído, e estou longe de ser aquela capitalista estereotipada pelos socialistas, que só pensa em dinheiro e não se importa com a pobreza. Só acho que a solução, definitivamente, não é um Estado-Paizão que beneficie os pobres transformando-os em criaturas dependentes e incapazes, tirando deles sua dignidade - e a do povo inteiro, em consequência.

Vamos dialogando sim!

Abraços!

Larissa Redeker disse...

Parabéns pelo texto, Normal, realmente muito bom!

O duro é aguentar as pedradas dos hipócritas.

Aprendiz disse...

Resposta ao André von Held Soares

1. Dentro da estratégia de Gramsci, que é forma atual do marxismo, a pluralidade é apenas método de vitória do estado totalitário. É uma "pluralidade" que tem lado e que persegue.

2. Dentro da estratégia de Gramsci, o intelectual orgânico não precisa estar ligado a nenhuma organização formal. É até útil para o sucesso da estratégia que haja divergência e grupos em oposição, mas tudo mediado pelo Partido.

3. O Partido não é uma organização formal, não deve ser confundido com nenhum partido.

4. A percepção favorável ao socialismo é criada pela ocultação, por atacado, dos seus crimes, e pela criação, por atacado de mentiras históricas. Esse ambiente de fraude generalizada a favor das esquerdas é o que existe hoje no Brasil. Dentro desse ambiente, um grande número de pessoas defendem o socialismo baseados em erros fatuais, pois a mentira tem se tornado tão generalizada, que quase todos a tomam por verdade.

5. Isso nos leva a um fato importantíssimo. Foi a fraude em escala global que permitiu aos regimes genocidas da URSS e China, apresentarem-se como as perfeitas expressões do Bem. Grande parte dos jornalistas, intelectuais e artistas ocidentais, no exato momento em que Stalin perpetrava os seus crimes, faziam um esforço constante para silenciar os críticos, ocultar os fatos, intimidar os denunciantes. Esse estado de coisas nunca deixou de existir, e a imensa propensão do Brasil ao socialismo, nos dias de hoje, é resultado desse esquema de mentira constante, por parte dos professores e jornalistas.

Osmar Neves disse...

Prezada Norma, Graça e Paz!

Parabéns pelo texto! A batalha para libertar a igreja brasileira do cativeiro babilônico esquerdista está apenas começando e os feitores marxistas-pseudocristãos não entregarão de boa vontade os cativos. Aqueles que como você se entregarem a essa nobre, necessária e urgente tarefa serão duramente e covardemente combatidos. Excelente e pedagógico também o comentário do Aprendiz. Que Deus te ilumine e te conceda sabedoria, coragem e destreza para a batalha!

PS: Por favor, permita-me indicar aos leitores do blog e a todos os interessados nessa discussão o ótimo livro "Propriedade e Liberdade" do historiador norte-americano Richard Pipes. A tese do Pipes é que não é possível a existência da liberdade em lugares onde o direito à propriedade é cerceado ou inexistente (era uma das propostas do PNDH do Grande Mulá que as questões agrárias fossem discutidas pelo Comissariado do Povo/MST e não pela Justiça).

Norma disse...

Obrigada, Osmar!

Sendo que "povo", no dicionário socialista, é partido/Estado... Vergonhosa essa troca de sentidos, e vergonhoso o povo de Deus cair nessa!

Abraços!

Aprendiz disse...

Norma

O fã-clube de Stalin compareceu em peso, para depreciar o seu texto, na seção de cartas do Ultimato. O grau de insanidade daquela gente impressiona.

Norma disse...

Oi, Aprendiz,

Na verdade, fiquei muito contente por encontrar ali mais comentários positivos que o esperado!

Mas de fato o "níver" da turma de esquerda impressiona, hehe!

Abraços!

tron disse...

tomei conhecimento do seu trabalho pelo orkut e está um texto brilhante e a venho convidar para visitar o meu pequeno recanto no mundo dos blogs em
http://reporter007.blogs.sapo.pt

Helder Nozima disse...

Norma,

Fiz um artigo no 5 Calvinistas chamado "Por que também não sou de esquerda". O link é http://bit.ly/als5f5

Parabéns pela coragem.

Graça e paz do Senhor,

Helder Nozima
Barro nas mãos do Oleiro

Unknown disse...

Eu queria um única citação de Marx que fale sobre algum autoritarismo, pra colocar o marxismo nessa cesta.

Norma disse...

Leia o Manifesto Comunista e escolha por você mesmo.