01 julho 2009

À Cristianismo Hoje

Publicado no site da revista.

Caros editores,

Como a maioria dos comentadores desta página, venho manifestar meu repúdio pelo tratamento dispensado a Julio Severo nessa reportagem. Está bastante claro que Cristianismo Hoje quis entrevistar Severo ao mesmo tempo em que se mostrava abertamente antipática às posturas do entrevistado. No entanto, o título, a apresentação e o tom das perguntas mostram que isso foi feito de modo desrespeitoso - o que fala não só da inabilidade do jornalista (é possível evidenciar discordância sem desrespeito), mas sobretudo do descaso de um veículo midiático que traz Cristianismo no nome para com a luta e as perseguições de alguém que deveria ter sido tratado como irmão. O resultado final é não apenas ridículo (nunca vi um entrevistado ser tratado dessa forma no próprio veículo que o entrevista), mas contraria fortemente os ideais de fraternidade cristã, sendo indigno do nome da revista. Porém, ainda há tempo para um saudável arrependimento bíblico, expresso na forma de uma retratação, útil também para corrigir os excessos do jornalista responsável pela matéria. Fica aqui minha sugestão.

Cordialmente,

Norma Braga

21 comentários:

Cristiano Silva disse...

"Severo é daqueles crentes quixotescos, disposto a lutar contra moinhos que talvez só ele consiga enxergar..."

Deixaram bem claro mesmo qual a posição da revista: estamos entrevistando um crente doido varrido.

Norma disse...

Pois é, Cristiano. E, se isso não se faz nem em um veículo "secular" - não pega bem, simplesmente - , como pode ser feito em uma revista que se diz cristã?

A impressão que deixa é que estavam loucos para entrevistar Severo, que agora ficou mais conhecido por causa do caso na justiça, mas precisavam de alguma forma pedir desculpas a seus leitores habituais. Erraram feio a mão. O tom é grotesco. E arriscam perder mais leitores com essa.

Roberto Vargas Jr. disse...

Olá, Norma.

Saudade dos seus textos...

A propósito deste assunto, a entrevista com Julio Severo, gostei da postagem de Valmir Milomem. Deixei minha opinião também por lá. Dê uma olhadinha.

No amor de Cristo,
Roberto

Cristiano Silva disse...

O ponto positivo da entrevista, Norma, é conhecer um pouco mais do que ele pensa. Eu sabia das posturas dele sobre o homossexualismo e a educação dos filhos em casa, e o aborto, mas não sabia sobre a do casamento dos jovens.

Interessante também a opinião dele sobre o governo do Lula, que está enxotando a honestidade. Eu concordo, mas não acho que se fosse, por exemplo, o PSDB seria diferente.

Até entendo o fato de uma revista com o nome "Cristianismo Hoje" querer manter sua posição imparcial, sendo o nosso mundo um lugar onde o termo "cristianismo" engloba um espectro enorme de idéias e visões, diferentes entre si, desde o mais liberal até o mais conservador. Mas neste caso acho que ela não conseguiu mesmo.

Abraços.

Norma disse...

Olá, Roberto,

Ainda que admitindo certas discordâncias com relação às posturas do Julio Severo, boa parte dos cristãos que deixaram comentários no site reconhece a importância do trabalho de denúncia e informação levado a cabo por ele. Creio que essa posição é mais saudável que ridicularização de longe.

Gostei da postagem do Valmir. De fato, Cristianismo Hoje parece se ressentir que Julio ataque posições caras ao esquerdismo e mostrou esse ressentimento de modo nada cristão. Bola fora para a revista.

Creio que agora vou postar com frequência, pois trabalharei mais em casa. Não precisa ficar com saudades... ;-)

Abraços!

Norma disse...

Cristiano,

Discordo de você quanto ao PSDB. Contei uma vez, em uma postagem, que compareci a uma reunião do PT e a legalização do aborto já era uma questão de primeira importância na pauta deles, quase como um ponto de fé mesmo. Isso faz pelo menos 20 anos. Acredito que tais ênfases - aborto, homossexualismo - são mais fortes no PT. Mas, claro, posso estar bem errada. Como saber? O fato é que o PT nunca escondeu sua afinidade com o pensamento politicamente correto e as ganas para sua implementação. É mais fácil ver a identidade do PT nisso que a do PSDB.

Não acho que as publicações devam esconder do leitor seus alinhamentos ideológicos. Mas daí a convidar um entrevistado só para escarnecer dele já é demais.

Cristiano Silva disse...

Olá Norma,

Bom, saímos do assunto do seu post para outro que eu discordo e concordo com você hehehehe

Discordo, porque acho que ainda na questão do "enxotamento da honestidade" isso poderia vir de ambos os partidos quando no governo. Mas concordo com você quando disse que "é mais fácil ver a identidade do PT nisso que a do PSDB".

Você já deve ter lido este artigo do Mídia Sem Máscara, mas de qualquer forma deixo como recomendado aos outros leitores do seu blog.

E graças a Deus que você irá postar com mais frequência!

God bless.

Rafael Galvão disse...

É, eu já li entrevistas até com o Inri Cristo (que realmente é um doido varrido) e ele foi tratado bem melhor. Aliás, eu me lembro que o Júlio Severo já foi entrevistado por uma revista gay e ele não foi tratado assim. Fora a falta de respeito, aquilo gerou um confronto que poderia ser evitado (o seu comentário foi bem equilibrado, o que a cumprimento, mas o mesmo não posso dizer de outros irmãos), o que poderia prejudicar nosso testemunho.

Deus abençoe.

Comentário de última hora: a revista tirou a matéria da página principal, só pode ser vista ao lado nas mais vistas, mas sem destaque.

Rafael Galvão disse...

Me desculpa Norma, eu coloquei uma informação errada: realmente mudaram a manchete, mas eu interpretei errado a página principal, a matéria ainda está lá, só que na 2ª manchete.

Meire disse...

Concordo plenamente com você Norma.
E o que o Olavo de Carvalho disse resume bem minha opinião sobre esse desrespeito: "...Quem desrespeita o cristão perseguido torna-se automaticamente indigno de respeito."

Norma disse...

É verdade, Rafael, a revista gay tratou o Julio com decência. Que testemunho triste a CH está dando!

E sim, Meire, um pouco de solidariedade seria o mínimo a ser demonstrado na entrevista.

Palavreando disse...

Olá, estou pela primeira vez aqui e gostei. Quero comentar algo sobre o caso Julio Severo. Há algum tempo a igreja tem notado que é a única que abandona seus feridos. No entanto, poucos notam a origem do problema. Não está na 'moralidade' excessiva, na falta de doutrina ou de ensino, nada disso. Há muito tempo a igreja tem sido contaminada pelo pensamento revolucionário. A falsa igualdade que 'extraem' da Bíblia e a criminosa imputação de 'revolucionário' a Cristo e aos primeiros cristãos tem feito com que os 'iguais' sejam mantidos enquanto os 'diferentes' sucumbem. Os 'iguais' são os alienados revolucionários, mesmo que apenas companheiros de viagem. Os 'diferentes' são os cristãos livres, que vivem suas vidas com plena confiança em Cristo. Existem exceções, mas, na média, é isso mesmo. A revista Cristianismo Hoje é um exemplo de como está, de fato, o cristianismo hoje: falso. Não à toa o Senhor tem permitido essa atuação contrária. A verdadeira igreja ainda está e estará sempre a salvo, embora, talvez, misturada à falsa. A falsa grita alto e promove a confusão para que a verdadeira sofra o dano. Contudo, Deus sempre tem seu remanescente e este precisa estar atento para ver quando é hora de sair. É bom lembrar que, quando misturamos algo metade bom com metade ruim, não é o ruim que melhora; é o bom que se estraga - as más conversações corrompem os bons costumes, não?
É este remanescente que continua orando sem cessar e pelos motivos reais, sem afetações de qualquer espécie. Hoje, como a confusão se instala, minha oração é para que o Senhor devolva essa confusão ao inimigo, mantendo-a apenas em seus domínios para que a Igreja possa levar livremente a Verdade aos que o Senhor quiser. Precisamos de muita calma e atenção, além de estarmos em constante comunhão para sabermos o que o Senhor quer de nós no momento certo. Para mim, o caso de Honduras é emblemático e uma resposta de oração. Continuemos, pois, se os tempos mostram que o fim pode estar perto, ainda podemos orar e pedir que o Senhor retarde esse tempo, como atendeu ao rei Ezequias. Tudo é possível àquele que crê.

Jether disse...

The Kremlin's Religious Crusade
By: Ion Mihai Pacepa
FrontPageMagazine.com | Tuesday, June 30, 2009




Creating a secret intelligence army of religious servants and using it to promote the Kremlin’s interests abroad was an important task the KGB community had during the 27 years I belonged to it. Thousands of uncooperative religious servants were killed or sent to gulags. The compliant ones were used. [..]

When the bells at Christ the Savior Cathedral in Moscow announced that a new patriarch had been elected, Metropolitan Kirill, aka “MIKHAYLOV,” proved to be the winner. Presumably, the KGB/FSB considered him to be in a better position to carry out its tasks abroad, where he had directed his efforts during most of his professional life. In 1971, the KGB had sent him to Geneva (Switzerland) as a representative of the Russian Orthodox Church to the World Council of Churches (WCC), the largest international ecumenical organization after the Vatican, representing some 550 million Christians of various denominations throughout 120 countries. His task was to use his position in the WCC to spread the doctrine of Liberation Theology—a Marxist religious movement born in the KGB—throughout Latin America.

Khrushchev called the new KGB-invented religion Liberation Theology. His penchant for “liberation” was inherited by the KGB, which later created the Palestine Liberation Organization, the National Liberation Army of Columbia (FARC), and the National Liberation Army of Bolivia.

In 1984, Pope John Paul II charged the Congregation for the Doctrine of the Faith, led by Cardinal Ratzinger, now Pope Benedict XVI, to prepare an analysis of Liberation Theology. That devastating study exposed Liberation Theology as a combination of “class struggle” and “violent Marxism,” giving it a serious blow.



The KGB-created Liberation Theology is, however, is still growing roots in Venezuela, Bolivia, Honduras and Nicaragua, whose peasants support the attempts of Marxist dictators Hugo Chavez, Evo Morales, Manuel Zelaya (momentarily exiled to Costa Rica) and Daniel Ortega to transform their countries into KGB-style police dictatorships.

Paulo Pires disse...

Cara Norma,

Acho que o tom da entrevista tem tudo a ver com seu nome: eles querem um "cristianismo atualizado". Afinal, já faz quase dois mil anos que Jesus foi embora. "Change! Yes, we can!"

Mas, sabe, fiquei com a impressão de que o que deixou o repórter mais contrariado -- pois foi uma área em que a conversa provocou mais perguntas em círculo, como se o entrevistador não estivesse conseguindo acreditar no que acabara de ouvir -- foi a defesa do casamento acima da educação formal, bem como a defesa da educação familiar. Até cogitei, quando li o artigo (depois de ter lido a defesa feita pelo Olavo de Carvalho, que me pareceu bastante oportuna), que tenha sido por causa desse assunto que o entrevistador resolveu enxovalhar completamente o Júlio Severo.

Há gente que não consegue realmente confiar em Deus e em Sua Palavra. Esquece -- ou não sabe -- que é melhor casar do que abrasar-se (como o Júlio bem lembrou), mas também se esquece de se deve educar a criança no caminho em que deve andar, para que dele não se desvie depois de crescer, de que nunca se viu o justo mendigar o pão ou que o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. O que não entendo é como gente assim possa trabalhar para uma publicação que se entitule evangélica.

Mas não é muita, muita falta de visão? Mesmo que o cara seja um completo ignorante da Bíblia, será que cego ao ponto de não enxergar que muita gente vive em condições muito razoáveis sem uma educação dita "superior"? Isto é verdade no Brasil -- e é, pois eu mesmo sou um exemplo disso, tendo me formado depois de casado, e a formatura não me elevou tão significativamente o padrão de vida --, assim como foi verdade nos Estados Unidos durante o seu auge.

Curiosamente, a respeito desse país, sua posição dominante no mundo foi declinando na mesma medida em que se lhe aumentou o número de bacharéis. Dada a esquerdopatia das universidades de lá, como a das de cá, não creio que seja mera coincidência.

Que o SENHOR nos proteja.

Um abraço.
Paulo Pires

Guiles disse...

Uau, Norma, onde está esta entrevista da CH? Que pena, mas o que esperar de um veículo que apóia Yancey, Manning e outros ativistas liberais [antibíblicos] de nossos dias?
Paz!

Danilo Fernandes disse...

Ola Norma! Ola Galera!

Guiles tem razão quanto ao Yancey. Eu diria que a unica coisa boa que ele escreveu foi o prefacio a ediçao brasileira de Ortodoxia do Chesterton. kkk

Eu concordo, (e discordo) com o Severo em muitos aspectos, resultando numa média mais do que relevante e que merece o respeito de todo protestante.

E concordo com todos que o neófito entrevistador conduziu tudo com um viés descarado!

Eu admoestei algumas pessoas ligadas a revista e percebi que nem todos concordaram com o tratamento dado, mas pouco importa. O fato impresso dispensa argumento!

Danilo

http://genizah-virtual.blogspot.com/

Aprendiz disse...

Olá Norma

Percebo que o grande problema da patrulha homossexual não é o elemento homossexual mas o político. Acho que todo mundo aqui já conheceu vários homossexuais totalmente na deles, tipo viva e deixe viver. Mas o pensamento marxista é essencialmente totalitário. Assim, é totalmente compreensivel que o Julio Severo tenha sido muito melhor tratado por uma revista gay do que por uma revista marxista, que foi cristã no passado, mas hoje é propaganda marxista para cristãos.

PS.: Considero o marxismo não uma forma econômica (as formas econômicas viriam em sistemas marxistas) mas uma filosofia de poder. Numa sociedade em que as "bases filosóficas" do marxismo tornaram-se lugar comum, é perfeitamente possível uma pessoa discordar da estatização total dos meios de produção e ser filosoficamente (sofisticamentes) marxista.

Marcelo Hagah disse...

Não li o teor da Revista, mas tratar mal Julio Severo não é atitude de uma revista cristã. Estou escandalizado!

Alguns tipos de vermes estão sendo gerados na fossa podre das descargas marxistas... e a esses dão o nome de "cristãos". O mesmo nome a que os gentios chamaram os "do Caminho", em Atos.

Marcelo Hagah
João Pessoa-PB

sandrowagner disse...

Ponto 1: Norma! Por onde vc anda? Pelo que entendi você não esta morando mais no RJ!
Depois, se for possível, mande email!

Ponto 2: Li a entrevista e fiquei pensando sobre o porque a revista quis fazer tal coisa com o Julio. Mesmo discordando de alguns pontos dele, parecia que a entrevista tinha sido publicada pela Folha de SP! Pareciam querer caricaturizar o Julio e seus embates com o pessoal pró-homossexual.

Quando folheio a Cristianismo Hoje não posso deixar de notar sua proximidade com o movimento de igreja Emergente. Dai nasce uma birra com algumas questões ortodoxas. Parecem querer fazer a política da boa vizinhança feita pelo povo emergente! Dai a entrevista em tom de desdem feita com o Julio!

Se meu ponto de vista estiver errado que me corrijam!

DEsde já lhe mando afetuosos abraços de terras niteroienses!

Sandro, Ana Paula Gurgel e Barth!

PBR disse...

Oi Norma,

Perdão pelo offtopic, mas achei que você ia gostar desse artigo abaixo. É sobre um assunto que você já abordou aqui no seu blog (os palavrões).

http://www.crossroadschristian.net/blog/?p=98

Abraço,
Fernando

Pastor Geremias Couto disse...

Postei lá, na Cristianismo Hoje, o meu comentário, ainda que tardiamente.

Apoio Julio Severo nesta batalha.

Abraços