13 novembro 2007

Diálogos (imoralmente) Irrelevantes V

Se um interlocutor se imiscuísse no artigo de um autodenominado filosófo do qual não quero dar o link – quanto menos divulgado, melhor – , qual seria o diálogo resultante? Confira.


- Eu acho um absurdo essa recente "caça às bruxas" de nossa sociedade ocidental contra o que chamam de "pedofilia".

- Ah é? Por quê?

- Ora, para começar, a nossa história está repleta de exemplos de uniões com êxito entre pessoas de idades diferentes.

- Ah, por favor, que conceito fluido de "pedofilia" é esse? Você não vai comparar "uniões entre pessoas de idades diferentes" com pedofilia, vai?

- Espera aí. Relações entre adultos e crianças não precisam ser traumáticas. Existem casos em que as relações sexuais, até mesmo com certa violência, não deixam marcas físicas e psicológicas nas crianças. Você se lembra da sua infância?

- Minha infância? Cara... Acho que até mesmo o mais leve olhar sexualizado de um adulto deixa marcas. As crianças são muito sensíveis e eu me lembro de cada momento de minha infância. Não se brinca com isso. O fato é que a criança tem mecanismos adaptativos muito fortes, pois ainda não desenvolveu proteções psicológicas adequadas. O adulto pode conseguir os pactos mais esdrúxulos com uma criança, se conseguir ganhar a confiança dela. Se esse pacto for o abuso sexual, ela vai se tornar alguém problemático com relação ao sexo, perpetuando o abuso por sua vez.

- Não é bem assim. Existem muitas crianças que até fantasiam experiências com adultos e que, uma vez perguntadas se foram "abusadas" sexualmente, dizem "sim" com orgulho, de acordo com a expectativa dos que perguntam.

- Não acredito que isso seja tão constante assim. (Aliás, como é que você sabe?) Mesmo assim, é o que eu disse: o fato de a criança ter se adaptado a isso, inventando ou não, não é prova de que a pedofilia pode ser algo "normal". Assim como o fato da existência de uma boa quantidade de assassinos no mundo não prova que a morte provocada seja normal e desejável! Que argumento é esse para um filósofo?

- Mas, no caso do sexo, é diferente. Os relacionamentos são convenções da sociedade, que sempre busca punir quem não se enquadra nos padrões considerados corretos. No final das contas, todo mundo vai querer punir quem não fizer sexo no estilo "papai e mamãe", isto é, de pijama, só depois da novela, com parceiros heterossexuais e de mesma idade.

- Que absurdo você está dizendo. Há muito tempo ninguém pune ninguém por aquilo que é feito no quarto, entre adultos. Mas com criança é outra história. Você está comparando o incomparável. Quer dizer que a proibição à pedofilia é só uma "convenção"? Você acha então a pedofilia normal e aceitável?

- [Absorto no que diz] Isso não é só hipocrisia. Isso não é só cegueira ideológica e, quem sabe, religiosa. Isso é nazismo! É a Inquisição! Aí as pessoas começam a fazer "denúncias anônimas", o que é um perigo. Pegam o telefone para denunciar o comunista de hoje em dia, ou seja, o "pedófilo". Junto com o pai que não paga pensão, com o ladrão de galinha, o pedófilo é agora o inimigo número 1 da nação. Pobre nação! [Segue-se um longo monólogo sobre a excessiva criminalização praticada nas sociedades atuais.]

- Escute, você está mudando de assunto. Além disso, usou o exemplo mais errado possível: as sociedades comunistas são as que mais incentivam a criminalização. E o pior, não por crimes enquadrados no código penal, mas sim por crimes de opinião, como o que os homossexuais querem fazer com a tal lei da homofobia...

- (...)

- Mas ok, responda à minha pergunta, por favor. Você acha a pedofilia normal e aceitável?

- Não! Imagina. Estou longe fazer a defesa de algo como a pedofilia. Mas não concordo que nossa sociedade teça julgamentos sem levar em conta nossa tradição cultural, sem considerar o que de fato consideramos correto no Ocidente, e o que é e o que não é "abuso sexual" com crianças e jovens.

- Mas o que você está querendo dizer exatamente? Existe algum tipo de relação sexual com crianças que não seja abuso? Não percebe que com esse discurso você está indiretamente relativizando a noção de "pedofilia"? E que isso acaba sendo, sim, uma defesa da pedofilia?

- Não. Acredito que nisso tudo há uma falta completa de reflexão filosófica. E quem busca coibir a pedofilia nem sempre está preparado para entender situações que só com mais esclarecimento intelectual e mais vivência podemos entender. Não leva em conta que crescer e se tornar adulto não é uma tarefa fácil. É um processo social e histórico.

- Claro. Mas, antes de tratar o problema de adultos abusadores que continuam com sua sexualidade infantilizada – ou seja lá qual for a motivação de quem sente atração por crianças, não sei, não sou psicólogo – , é preciso tirar esses adultos de circulação, para que seja interrompido o ciclo do abuso sexual. As pesquisas dizem que quem é abusado se torna quase invariavelmente um abusador por sua vez. Primeiro, é um caso de polícia; depois o psicólogo intervém. Mas a coisa tem que parar. É crime. As "reflexões filosóficas", nesse caso, só serviriam para deixar os pedófilos mais livres...

- [Com o olhar suspenso] Você tem razão quanto à imaturidade sexual na idade adulta. Há um filme chamado "Pecados íntimos" em que todos os personagens continuam vivenciando sua infância. São adultos e tentam cumprir, como nós, suas obrigações sociais, mas são um pouco... infantis. Cada um de nós, de algum modo, é um daqueles personagens...

- Opa, peraí. Lá vem você relativizando de novo. Tá certo que a maturidade plena é difícil, mas esse tipo de imaturidade que leva ao abuso infantil, você há de convir, é algo muito mais sério... Podemos até nos identificar com a imaturidade dessas pessoas, mas não podemos, com base nessa identificação, promover um tipo de relativismo "compreensivo" que contibuirá, no final das contas, para a criação de um maldito NAMBLA, uma associação de pedófilos, no Brasil.

- Mas cada caso tem que ser analisado, para entender a diferença entre alguém que precisa de um tratamento por ser pedófilo e alguém que está propondo certas práticas — que no limite não serão malévolas — , práticas possíveis de serem propostas segundo uma série de fatores culturais.

- [Arregalando os olhos] Como assim? Que práticas???

- Tá vendo? Quando se fala de sexo, as pessoas ficam de cabelo em pé, igual você, agora. Os crimes sexuais, mais do que o assassinato, inspiram o fascismo...

- Oh, pare de se desviar do assunto! Responda, que práticas podem ser "pouco malévolas" em se tratando de tentativas sexuais entre um adulto e uma criança?! A criança está evidentemente em posição de inferioridade com relação ao adulto...

- Veja como você ficou nervoso! Isso é sintomático. Esse furor, esse desejo coletivo de castração do criminoso sexual, torna as pessoas tão ou mais perigosas do que os chamados pedófilos. A coletividade castradora é a direita, o fascismo, atacando coletivamente, enquanto o pedófilo, se quer abusar de crianças à força, ataca só individualmente...

- Agora você extrapolou tudo, meu caro. Não tenho visto nenhuma coletividade por aí, de facas na mão, correndo atrás dos pênis dos criminosos sexuais. Por outro lado, a pedofilia é algo que as mesmas sociedades ocidentais que você condena estão doidinhas para legalizar, porque estamos em uma época em que ninguém mais aceita freios para o desejo humano. E tem mais uma coisa: quando menciona "abusar de crianças à força", você parece querer defender que não é pedofilia o assédio adulto "consentido" pela criança. Esse é o mesmo argumento dos pedófilos do NAMBLA. Dizem que, se a criança aceita, por que não fazer...?

- Olha, nós não vamos chegar a bom termo criminalizando várias práticas sociais que até bem pouco tempo havíamos elogiado. O amor entre pessoas de idades diferentes foi e, em alguns lugares ainda é, uma prática incentivada no Brasil. Muitas de nossas avós casaram com homens bem mais velhos, quando ainda eram meninas. Não foram infelizes. Muitas meninas atraem propositalmente homens mais velhos, e isso não é o fim do mundo.

- Você está comparando o casamento das nossas avozinhas com a pedofilia? Você tem idéia do que está dizendo??? O adulto que se interessa sexualmente por uma criança logo abandonará essa mesma criança quando ela estiver com mais idade, porque terá perdido o interesse nela. É tão óbvio que a pedofilia é uma relação que degrada a criança, que é vista apenas como objeto sexual! Você está comparando isso com o relacionamento compromissado que é um casamento feliz? Sua visão está totalmente distorcida. Eu sabia que essa conversa não ia chegar a lugar algum.

- [Fechando a cara.] Regras rígidas e sem uma base de estudo podem nos conduzir a um Brasil como prisão coletiva, uma sociedade infeliz, meu amigo.

- Não me chame de amigo, por favor. É preciso uma prisão coletiva para pessoas como você, que sob a capa de "filósofo" contribuem para que mais e mais crianças sejam empurradas para o abismo sem fim que é a dor do abuso sexual. Você precisa se tratar!

52 comentários:

Pedro disse...

E nas universidades ainda se lê aquele monstro do Michel Foucault... já está comprovado que esse "filósofo" era pedófilo.

fabaovb disse...

Ótimo texto, Norma! Excelente!

Só de pensar que gente assim ensina em universidades de prestígio me dá uma angústia...

Anônimo disse...

Norma:

Grande texto!

E' isso mesmo: os cristaos devem reagir e empurrar os socialistas, anti-religiosos, hedonistas, intelectualmente imaturos, e politicamente ignorantes para as cavernas donde vieram. O Ocidente cristao foi construido tendo como alicerce o fundamento moral da tradicao judaico-cristan; foi dessa tradicao que vieram a liberdade, a cultura e a prosperidade que ate' agora gozamos, e que seus inimigos em sua insanidade ignorante e suicida querem destruir.
Para aqueles que querem viver num vasto bordel, antro de drogas, e "paraiso" socialista, eu posso recomendar mais de um, e pessoalmente leva'-los em meu carro ate' o aeroporto...

Nossas avo's ate' podem ter casado muito jovens, mas raramente o faziam de livre vontade: eram casamentos arranjados.

Esse "filosofo" - que vc devia ter apontado o nome - esquece de apontar que 99,9% dos pedofilos sao gays: o verdadeiro problema da Igreja Catolica nos Estados Unidos nao e' a pedofilia, mas a infiltracao gay nos seminarios, e a politica dos bispos (que agora administram dioceses falidas) de simplesmente transferir de paroquia, em vez de punir e expulsar os padres abusadores. Em vez de punir os tarados sexuais, eles ignoraram as vitimas, e construiram elaborados esquemas para manter os padres abusadores no sacerdocio, de modo que eles tinham a oportunidade de abusar outra vez. A dureza de coracao desses bispos chega a ser mais perturbadora para mim, do que a ansia por sexo e por controle exibida pelos abusadores. Foi o comportamento vil dos bispos que corrompeu a Igreja catolica nos Estados Unidos: os abusadores se sentiram protegidos.

Hereticus.

Tio disse...

O Michel Foucaut era pedófilo? Quem mais? Preciso de uma lista, para publicá-la aos quatro ventos.

Bando de cabras safados! Depravados! Pederastas!

Marcelo Hagah (pense num caba manso que ficou brabo!)
João Pessoa-PB

Anônimo disse...

Norma:

volto ao teu excelente texto para comentar um analogo da NAMBLA (=North American Man/Boy Love Association), a organizacao gay pedofila. E' o que se poderia chamar de Corpo Auxiliar Feminino da NAMBLA. E' um site da Internet chamado Butterfly Kisses . O seu endereco indica que ele se origina na Holanda. Uma historia publicada no Outono (europeu) de 1987 no periodico "Paidika: Journal of Paedophilia" mostra as origens das leis holandesas sobre a pedofilia, e porque elas se tornaram as mais liberais do mundo. Na Holanda, se consentido, o sexo entre um adulto e outra pessoa com idade de 12 anos ou mais nao e' um crime.

Pat Califia, conhecida lesbica advogada da pedofilia (agora ela/ele se assina Patrick Califia, pois mudou de sexo) escreveu num post de Butterfly Kisses:
"E' possivel que a atividade sexual entre mulheres e criancas ocorra em maior quantidade do que entre homens e criancas. As mulheres tem maior acesso `as criancas, e ha' menos tabus cercando a atividade feminina junto ao corpo das criancas."

Hereticus

Rico disse...

Sei da realidade da pedofilia e outras doenças sociais, não quero falar deste assunto, por acreditar vivermos em uma sociedade doente, apenas vejo na Internet pessoas com cultura e intelecto mais acentuado e se relacionando falando de n. temas, mas esquecem que das coisas pequenas ou micros apesar de necessárias não irão ajudar em uma mudança maior ou macro que se faz de imediato e primordial, e que tem de acontecer, portanto, “revolucionária” , se fala muito nos “ismos” , mas os culpados disso somo nós os intelectuais, pois sabemos que para mudar é necessário atingir os fatores de produção e como são remunerados (falo de salário, lucro, aluguel e juros) tem que conscientizar os mandantes e os mandatários , enquanto não houver esta mudança na mente de como realmente somos nunca poderemos instituir uma sociedade mais equânime, sei que a classe média vem sustentando atualmente o governo - e na ordem inversa - se destruindo, por isso se não mudarmos o rumo veremos que a doença acima tem uma causa, pelo menos aqui no Brasil, enfim, quero dizer que estamos no limite do razoável se não colocarmos o dedo no problema real, caso contrário fico com o pensamento de OTTO RANK, que diz há um excesso e cansativo, de livros e bla bla bla que não leva a nada, que não dá para se aproveitar nada, pois desviamos do real problema que está a um palmo do nosso nariz.
Sou cristão, acredito na economia de mercado, o da escolha, a do subjetivismo, deveríamos realmente imitar cristo, como fizeram SANTO ANTÃO, FRANCISCO.

Norma Braga , parabéns pelos trabalhos e textos que li, mas a mudança atualmente tem que estar na esfera do imediato, antes que seja tarde, como diz o americano hoje, ou opta pelo bem ou pelo mal, certo ou errado, não mais as baboseira que tem médico honesto, taxista honesto., advogado honesto................etc. Caso o dito acima não esteje totalmente claro é por que o essencial (pensamento) não pode se resumir a poucas linhas, deve ser melhor elaborado, portanto peço perdão.

BORIS
borisiv@ig.com.br

Maya disse...

OK, Normita, usou técnicas do Schopenhauer para dar mais veracidade à argumentação ABSURDA a favor da pedofilia... Bien joué, jeune femme... Mas pedofilia é crime, crime hediondo, crime inafiançável. É a mais completa degradação moral, afetiva, psicológica. E sua aceitação, o total abismo social e ético.

Maya disse...

Ei, que história é essa de que o Foucault era pedófilo? Agora só porque não se concorda com as idéias de alguém acha-se necessário também caluniar e difamar a pessoa? Com que fundamento?

Maya disse...

Pois dê o link, Norma, vamos ver quem é o "filósofo" e o que ele diz, de fato... insinuações e indicações veladas, com mensagens subliminares, não levam a nada, a não ser à confusão.

Anônimo disse...

Norma:

Voce fez muito bem em denunciar muitas falacias nos argumentos do pseudo-filosofo advogado da pedofilia (embora ele venha com o surrado papo de que "estou longe de defender...").
Quero comentar duas dessas falacias:a da imaturidade, e a que diz nao haver dano real `a maioria das vitimas.

1)Se vc visitar o site The Weekly Standard, encontrara' um post de Mary Eberstadt "The Elephant in the Sacristy". O paquiderme em questao e' o homosexualismo rampante nos seminarios e nas curias da Igreja Catolica. Um dos argumentos que Eberstadt demole e' precisamente o da "imaturidade" dos abusadores.

2)A falacia de que o abuso sexual nao causa "dano real" `as vitimas. Aqui gostaria de chamar atencao para um livro do qual li o capitulo introdutorio. (O site Amazon.com informa que o livro ainda nao foi publicado.)Trata-se de "Sacrilege: Sexual Abuse in the Catholic Church",de Leon J. Podles. Na introducao o autor, que se declara Catolico, argumenta que o abuso sexual de menores nao e' simplesmente a quebra de uma lei, mas causa dano real `as vitimas. O Vaticano montou o palco para o abuso ao cultivar uma mentalidade clerical que via no clero a igreja real, e tornou o Direito Canonico a mera protecao dos direitos e da reputacao do clero, e nao uma efetiva protecao aos direitos das vitimas. O Vaticano tambem indicou bispos homosexuais, ou entao escolhidos a dedo para nao sacudirem o barco. O Vaticano - e quero dizer Paulo VI e Joao Paulo II - quis manter uma fachada de unidade institucional ao tolerar heresia, discordia e imoralidade.Entao nao e' de espantar-se que Randy Engel em seu livro "The Rite of Sodomy: Homosexuality in the Roman Catholic Church", publicado em 2006, apresente uma teoria extremista da existencia de uma conspiracao homosexual dentro da Igreja Catolica, liderada por um homosexual ativo, a saber Paulo VI.

Se levarmos em conta que o antigo Paganismo, que os Apostolos enfrentaram, adotava sem censura o homosexualismo e a pedofilia, nao e' de extranhar que o Neo-Paganismo dos dias de hoje venha a fazer o mesmo.

Hereticus.

Norma disse...

Não, Maya... Você leu muito rápido. Não tem confusão nenhuma, pelo contrário, o artigo do filósofo está todo aqui, praticamente. Leia de novo a introduçãozinha: "Se um interlocutor se imiscuísse no artigo de um autodenominado filosófo..." As palavras de quem diminui o peso da pedofilia não são inventadas por mim, mas vieram do artigo do tal filósofo. Quase ipsis litteris. As que são minhas são do outro (meu alter-ego masculino, digamos) que dialoga com ele e o manda se tratar.

Ah, eu me recuso a dar o link. Não quero isso no meu espaço. O site dele tem fotos seminuas da própria esposa. Dégoûtant. Se quiser ir lá, é só copiar e colar uma frase do texto dele e pôr do Google. Se não der certo com alguma delas, por estar ligeiramente modificada, dará certo com outra.

Quanto à difamação do Foucault, bom, ouvi isso de mais de uma pessoa, mas ainda não sei se preocede. Deve proceder, esse pessoal da "transgressão" na literatura é todo doido.

Maya disse...

Norma,

Procurei as referências desse discurso no Google, como você me recomendou fazer. E busquei não somente com uma, mas pelo menos quatro frases/trechos da argumentação desenvolvida aqui. Não achei nada. Procurei também pelo nome "Foucault", "fotografia", "esposa nua", "pedofilia" e não achei. Se você não quer postar o tal link aqui, então me mande por e-mail. Eu agradeço.

Maya

Norma disse...

Maya, o filósofo do artigo não é o Foucault. Esse caso foi amplamente divulgado, mas o link desse cara não entra aqui neste espaço nem a decreto. ;-)

Pedro disse...

Mayalu,

O Michel Foucault poderia até não ser pedófilo praticante, mas era defensor de uma educação infantil "libertadora" que acabasse com os "preconceitos". A corja de homossexuais que cria planos educaionais em muitas regiões dos EUA (e talvez do Brasil) se inspira nele. Há um artigo de Jamie Glazov sobre o Foucault, mas é de 2000.

Anônimo disse...

Maya:

eu entrei no Google com:

"Muitas meninas atraem propositalmente homens mais velhos, e isso nao e' o fim do mundo."

Bingo! apareceu o site do autodenominado filosofo. Tambem deu o site da Norma...

Foi so' para matar a minha curiosidade por saber o nome do individuo, pois o texto e' tao nojento, que nao pretendo visitar o site outra vez. Se eu fosse filosofo, ahi sim eu entrava la' para sacudir as bochechas desse falsario. So' faltou ele vir com a desculpa da falsa memoria das vitimas: em muitos casos, o abuso so' ocorre na mente das "vitimas". O que passa sim e' que as vitimas, de tao traumatizadas, nao confessam nem metade da degradacao a que foram submetidas.

Hereticus.

Maya disse...

Eu li o texto, é um professor brasileiro, ligado à Pedagogia, nada a ver com Foucault. Não acho intelectualmente honesto que se atribuam a pessoas coisas que elas não fizeram, idéias que não transmitiram, textos que não escreveram, simplesmente porque "deve ser assim". Isso eu condeno na esquerda, sendo eu de esquerda, e agora também na direita, no meio conservador, que é o meio no qual está inserido o Blog da Norma e quase todos os que aqui postam comentários. O que há aqui, contra Foucault, é uma série de achismos, opiniões calcadas em um "provavelmente...". Argumentos ad hominem não são justos. Outro dia comentei aqui que admirava o trabalho do MV Bill e do Ariovaldo Ramos, e alguém, de alguma maneira, me censurou, insinuando que ambos não eram boas referências, não eram pessoas confiáveis. Então eu perguntei a essa pessoa: O que você tem de concreto que depõe contra o MV Bill e o Ariovaldo Ramos? Não obtive resposta. Li o artigo do professor universitário, achei que ele confunde contextualização com relativismo, e são duas coisas diferentes. Concebo a história como dinâmica, dialética; portanto, o que é superado não pode servir como antítese de si mesmo. A humanidade evoluiu, não estamos mais na Grécia antiga, o próprio conceito de democracia não é mais o da Grécia antiga. Se fosse, seria normal termos escravos, e as mulheres não votariam nem seriam consideradas seres com "alma". O tal filósofo aqui lembrado, neste post, é na verdade um "intelectual" confuso, patético e mal informado. E, em minha opinião pessoal, um canalha. E ele não é o Foucalt. Depois de 'Tropa de Elite' virou moda atacar Foucault. Se o filme tivesse falado de Chomsky, o "pedófilo" seria Chomsky. Falam de Foucault sem ter lido Foulcault, e isso me traz desgosto, porque não posso debater com argumentos despidos de argumentos.

Abraços,

Maya

Norma disse...

É verdade, Hereticus!

O que ouvi falar de Foucault é que ele passava Aids a seus amantes de propósito. Gostaria de obter a confirmação disso. Mas o Pedro tem razão. Foucault fez muito mal à academia. Há um livro excelente do Merquior chamado Foucault ou O niilismo de cátedra. Para Foucault, toda "vontade de verdade" é "vontade de poder", ou seja, o desejo existencial e espiritual, no homem, não passaria de um desejo de se sobrepujar ao outro. Isso é niilismo puro e faz um mal danado à alma. Além de ser uma idiotice contraditória: se para Foucault a vontade de verdade não existe, o que significa sua própria obra, para que ele mesmo teria escrito? Ridículo.

Outro aspecto daninho da obra dele é a negativização do esquema prisional. Em uma época de criminalidade correndo solta, nada mais prejudicial às sociedades que passar a mão na cabeça de bandido, questionando a necessidade de prisões. Não é questão de moda, Foucault merece ser atacado porque sua obra gerou muita coisa podre. É só olhar em volta.

Pedófilo ou não pedófilo, afinal de contas, não vejo sentido algum em um crente de verdade defender Foucault. É um dos mais endiabrados autores do século XX. Relativista, niilista, cínico. Tenho verdadeiro horror a ele.

Norma disse...

Ainda sobre Foucault:

- Ele apoiou tanto formas radicais de Marxismo, como a China de Mao, quanto Aiatolá Khomeini. Nesse ponto, ele era como Sartre e Saramago, sempre ao lado dos piores tiranos da história;

- Era adepto de práticas sadomasoquistas, obsessivo com relação a práticas autodestrutivas: gostava da idéia de unir sexo e morte, como se um suicídio coletivo orgiástico "liberasse cada um de suas identidades" (o que se coaduna muito com o delírio coletivista esquerdista, que odeia os conceitos de identidade);

- Tentou o suicídio várias vezes;

- Afirmou em uma entrevista de 1968: "Em linhas gerais, o futuro da sociedade é suprido pelas recentes experiências com drogas, sexo, comunas, outras formas de consciência e de individualidade. Enquanto o socialismo científico emergiu das utopias do século XIX, é possível que uma real socialização venha a emergir no século XX a partir de 'experiências'";

- Louvava as drogas e o sexo com estranhos. Afirmou sobre suas experiências com LSD: "A única coisa a que posso comparar isto é o sexo com um estranho. O contato com um corpo estranho promove uma experiência da VERDADE similar à que estou tendo agora. Agora entendo minha sexualidade." E esse foi o autor de "História da sexualidade"!

- Escreveu no primeiro volume desse livro: "Este é o pacto faustiano (...): trocar a vida inteira somente pelo sexo, pela verdade e pela soberania do sexo. Vale a pena morrer pelo sexo!"

Diante desses fatos, sinceramente, perto de Foucault, o tal filósofo do post parece até meio inócuo! Um idólatra pervertido suicida e cínico com relação à verdade, a ponto de reduzi-la ao sexo: eis quem você está defendendo aqui, Maya! Cuidado com quem você lê!

Norma disse...

Oi, Pedro!

Tira o palavrão do seu comment, pode ser? Aí eu posto.

Abraços!

Norma disse...

Ainda Foucault: leia a afirmação abaixo.

"As prisões não diminuem a taxa de criminalidade: pode-se aumentá-las, multiplicá-las ou transformá-las, a quantidade de crimes e de criminosos permanece estável, ou ainda pior, aumenta". (Michel Foucault. Vigiar e Punir).

Agora, pense, primeiro, na quantidade absurda de "intelequituais" que lêem Foucault na universidade, aprovando-o, e depois se formam para ensinar e escrever nas universidades e nos jornais brasileiros. Pensou? Ok. Agora, pense na impunidade que reina no Brasil: ladrão e assassino saem com a pena reduzidíssima, isto quando são presos. Recentemente, aprovou-se uma lei para reduzi-la mais ainda. Como não atribuir a Foucault boa parte dessa inversão de valores? Como convencer as mulheres estupradas, aos pais saqueados, aos familiares com parentes assassinados de que "prender não adianta"?

Só um safado cheio de caraminholas anti-repressoras na cabeça - muitas das quais se voltavam expressamente contra o cristianismo como "repressor" - formularia algo parecido com isto: "prender não adianta". Afirmar isto é zombar das vítimas da violência! E o Brasil é o que é, hoje, muito por causa dele, já que a Zelite pensante sempre dá o tom a um país. Quem defende deixar bandido solto é o pior dos bandidos.

Maya disse...

Não ia comentar nada hoje. Estou em meio a organização de mala, correção de provas, digitação de notas etc. Viajo amanhã pela manhã. Mas penso que o que se faz aqui é o que muitas igrejas fazem: fragmentação discursiva e descontextualização tais que temos então interpretações muitas vezes opostas às idéias do autor.

Quantas vezes já ouvi pregações absurdas baseadas em uma frase da Bíblia, um versículo apenas. Com esse fragmento criam-se as mais absurdas afirmações teológicas, da pena de morte à defesa da poligamia.

"Dizem que ele..." é a pedra fundamental do argumento sem fundamento, portanto não acho válido que discutamos sob esse prisma. A contribuição de Foucault para a Análise do Discurso e para a Lingüística, de modo amplo, é fantástica (Entre outras coisas, ele estabelece a relação entre sujeito-história-ideologia no discurso. Vocês sabem o que é isso? Como é importante?). Ele é um dos maiores pensadores do século XX. Assim como Karl Marx, Léon Trotsky, Che Guevara, Rosa Luxemburgo, V. I. Lênin etc.

Se realmente as prisões reabilitassem os "bandidos", os presos, estaríamos numa ótima situação. Mas não é isso o que acontece, e somos a prova irrefutável deste argumento! Os grandes criminosos, políticos como Paulo Maluf, Renan Calheiros, ACM (a esta hora no inferno), Luiz Estêvão, Celso Pitta etc estão livres. O jornalista que matou a sangue frio, com tiro a queima roupa (Pimenta Neves), sua namorada, outra jornalista, está livre. Os ricos não são presos. Quem está nas prisões? Favelados, pobres, negros. Os jovens ricos que mataram o índio Galdino, em Brasília, com requintes de crueldade, estão soltos. Os que agrediram a empregada doméstica Sirley caminham para a liberdade. Os empresários corruptos jamais são punidos. Cacciola, até para ser extraditado da Itália, teve benefícios. Edemar Cid Ferreira foi claramente premiado pelo STF, apesar de ter fraudado milhares de pessoas, que confiavam em sua instituição e perderam suas economias, muitas vezes fruto do trabalho de uma vida inteira. E ele está em liberdade! Collor fez o que fez e hoje é senador! Deveriam esses estar presos, não?

Certa feita li um artigo de Diogo Mainardi, na revista Veja, em que ele dizia, claramente (acho que guardei a anomalia verbo-afetiva comigo, de tão enojada e horrorizada que fiquei)que ter um filho e um cachorro, para ele, significavam a mesma coisa. Sua esposa, ou mulher, ou concubina estava grávida, na época. Um homem desses não teria escrúpulos em ser a favor do aborto. Ou em criar seu filho com ração para cachorros. No entanto, muitos aqui o admiram. Aliás, não tenho tempo agora, mas sei de taras, anomalias e desvios de toda ordem de pessoas respeitadíssimas, de direita, cuja imagem é tida como irretocável. Há "grandes" políticos europeus de direita que são pedófilos. A propósito, os turistas europeus que aqui chegam em busca de turismo sexual com crianças e adolescentes pobres do Nordeste, não são presos... São franceses, italianos, alemães... Pessoas cujo comportamento faria Foucault parecer um infante.

Mas minha intenção, neste fórum, é enriquecer o debate, jamais vulgarizá-lo ou empobrecê-lo. Por isso, falem-me, por exemplo, do básico "L'Ordre du Discours", de Foucault. Vamos elevar nosso diálogo.

Alors, je suis desolée, mais o trabalho me espera,

Abraço,

Maya

Anônimo disse...

Norma:

Uma historia real sobre a NAMBLA (=North American Man/Boy Love Association), esse grupo desprezivel de abusadores de menores.

Em outubro de 1997, o menino Jeffrey Curley brincava em frente de sua casa, na cidade de Cambridge, Massachusetts, USA. Dois amantes homosexuais apos observa-lo decidiram atrair o menino para um encontro sexual. Charles Jaynes, um dos homosexuais, era membro da NAMBLA fazia um ano. De acordo com os documentos do julgamento, os dois homens secretamente roubaram a bicicleta do menino, e a seguir se ofereceram para ajudar a encontra-la. Apos uma falsa busca, durante a qual e' obvio que a bicicleta nao foi encontrada, eles disseram para o Jeffrey que iriam comprar uma bicicleta nova para ele. Pobre inocente Jeffrey: acreditou piamente nas boas intencoes da dupla criminosa. A caminho de uma loja de bicicletas, os dois homosexuais ofereceram dinheiro ao menino em troca de sexo. Como ele recusou, eles sufocaram Jeffrey ate' a morte com um trapo embebido em gasolina, e depois levaram-no ate' o apartamento deles, onde sodomizaram seu cadaver. Para se livrar do corpo, puseram o cadaver do menino num container de plastico, e o jogaram num rio proximo.
A policia de Cambridge achou no apartamento da dupla literatura da NAMBLA e um manual dessa associacao entitulado "Rape and Escape" (traducao "Estupro e Fuga"), que graficamente detalha como os pedofilos podem atrair,seduzir e depois estuprar uma crianca; e a seguir como evitar serem descobertos. Naturalmente, os pais do pequeno Jeffrey processaram a NAMBLA pelo seu papel acessorio no assassinato.
Que pessoa ou organizacao defenderia tao bestial associacao como a NAMBLA? Ora, a ACLU (=American Civil Liberties Union), e pro bono ! O diretor executivo da ACLU-Massachusetts disse o seguinte sobre o caso: "Nos juntamos a todos que deploram o crime hediondo cometido contra Jeffrey Curley, lembro que duas pessoas foram condenadas por esse crime e estao servindo pena de prisao perpetua."
OK, paremos aqui. Voces nao adoram a maneira como a ACLU sempre presta tributos comoventes para as vitimas? Por essa declaracao, ninguem ficaria sabendo que se tratava do estupro e assassinato de um menino de apenas 10 anos de idade. O que me da' raiva? Ele quer que acreditemos que a justica ja' se fez, os dois bandidos ja' estao na cadeia, certo? ERRADO !! As bestas da NAMBLA continuam difundindo material que contribuiu para a morte do pequeno Jeffrey. Voces estao prontos para a infamia final da ACLU? Ela pediu ao juiz que colocasse a sentenca e os relatos todos do processo sob segredo judicial. Nao e' supremamente ironico que depois de defender (de graca) a NAMBLA sob a argumentacao de liberdade de expressao, ela ao final queira censurar os detalhes e a verdade do processo, impedindo o publico de jamais ter acesso ao caso?

Onde ler sobre este caso? No livro "The Enemy Within", por Michael Savage, WND Books, 2003.

Hereticus

Norma disse...

Maya, se você fosse uma leitora contumaz de Diogo Mainardi, saberia da dedicação emocionante dele ao filho. O Diogo é muito irônico e é preciso se familiarizar com ele para entender suas ironias.

Já quanto ao Foucault, impossível elevar o debate diante de todos os fatos que apontei.

A maioria dos pensadores que você mencionou é conhecida por falcatruas e assassinatos. Lênin, então... Tenho horror só de lê-la. No mais, você tergiversou legal.

Maya, pesquise sobre as vidas dessas pessoas. O testemunho de vida é mais eloqüente que as idéias. Eu não gosto da idéia de crente endossando idéias de assassinos, suicidas, sadomasôs etc.

Abraços!

Anônimo disse...

Maya:

Destilado no alambique esquerdista que e' a sua mente, o Che Guevara se eleva a um dos maiores pensadores do seculo XX !!!! Quanto aos outros pensadores comunistas, eles vao ficar na historia nao como pensadores, mas como serial killers (ou genocidas) , exceto aqui no Brasil onde sempre acharao refugio nas salas de aulas da USP. UNICAMP, etc.

Na lista de politicos criminosos brasileiros, vc omitiu o maior deles: LULA. Ou o que ele vem fazendo nao e' crime lesa-patria?

O que vc quer fazer nao e' elevar o debate aqui; vc quer e' que fiquemos discutindo as "geniais" contribuicoes de Foucault. Porque nao as de Herbert make love, not war Marcuse? Eis ahi outro grande pensador do seculo XX que faltou na sua lista.

Hereticus.

Norma disse...

Hereticus, foi o Che que disse que seus acólitos eram treinados para se transformar em "frias e silenciosas máquinas de matar".

O problema é que, no esquerdismo, a ideologia suplanta os fatos. Será que a Maya vai tomar a coragem de desafiar a ideologia? Os fatos estão aí, para quem quiser pesquisar. Mas estão sufocados debaixo de uma nuvem acadêmica, feita de mentiras, omissões, palavras vãs e torções de raciocínio.

Norma disse...

Transcrevo aqui um recente comentário meu no blog Tempora-Mores, que fala sobre a diferença entre amor cristão pelos pobres e adesão ao ideário esquerdista:

É bíblico requerer para cada ser humano individualmente:

- Alertar cada um e a si próprio contra o poder de corrupção das riquezas;
- Desejar a moderação: nem ser pobre, para não blasfemar, nem ser rico, para não se esquecer de Deus;
- Compadecer-se e cuidar dos pobres, dos órfãos, das viúvas e dos desvalidos em geral.

NÃO é bíblico adotar ou acalentar qualquer sistema ideológico ou de governo que:

- Estimule a cobiça dos bens de outrem (décimo mandamento);
- Atente contra o direito de propriedade, que é roubo (sétimo mandamento: Não furtarás);
- Em nome de uma pretensa igualdade, adote medidas de retaliação dos "oprimidos" contra os "opressores", ou seja, o clássico marxismo. ("A vingança é minha, eu retribuirei", diz o Senhor);
- Obrigue os ricos a repartir com os pobres. Embora o juízo venha com a desobediência, não é pela espada que se obedece ao Senhor, mas com o poder do Espírito Santo pela conversão individual.

Entendeu a diferença? Todo socialista ou comunista, no mínimo, peca contra o sétimo e o décimo mandamento, além de estimular dentro de si o odioso sentimento de ódio de classes, que é ressentimento vingativo. O marxismo é todo ele, de cabo a rabo, antibíblico, contrário às leis de Deus. No capitalismo, os indivíduos são livres para pecar ou deixar de pecar; Marx alçou o pecado (cobiça, inveja, roubo, mentira, autoritarismo, poder desmedido, assassinato) a níveis coletivos. São mais de cem milhões de mortos sob regimes comunistas.

Norma disse...

Veja, Maya, o Pedro estava certíssimo - eis a correlação entre Foucault e a pedofilia. Na verdade, não só Foucault, mas Derrida, Althusser, Françoise Dolto, Danet, Hocquenghem (líder de movimento gay) e outros, que assinaram uma PETIÇÃO para DESCRIMINALIZAR toda relação "CONSENTIDA" (aspas minhas) entre ADULTOS e CRIANÇAS MENORES de 15 ANOS. Atenção, MENORES, e não maiores!!!

Maya, por favor, entenda: A GRANDE MAIORIA das personalidades lidas e incensadas hoje na academia é composta de PERVERTIDOS em todos os sentidos do termo. Por isso você tem que pesquisar antes de acatar a opinião da academia!

Aqui está:

La loi de la pudeur est la transcription d’une conversation à la radio datant de 1978 à Paris entre le philosophe Michel Foucault, l’écrivain et avocat Jean Danet et le romancier et membre du FHAR (Front homosexuel d'action révolutionnaire) Guy Hocquenghem, discutant de l’abolition de la loi sur la majorité sexuelle en France. La question a été mise sur le tapis dans le contexte de la libération des mœurs des années 1970, pendant qu’une réforme sur le Code Pénal était en cours au Parlement. De nombreux intellectuels français [1] – y compris Foucault, Danet, Hocquenghem, Derrida, Althusser et Françoise Dolto – ont signé une pétition, la « Lettre ouverte sur la révision de la loi sur les délits sexuels concernant les mineurs », adressée au Parlement en 1977 défendant la dépénalisation de toutes relations consenties entre adultes et mineurs de moins de 15 ans (la majorité sexuelle en France). Finalement, le Sénat votait en juin 1978 la suppression de la discrimination entre actes homosexuels et hétérosexuels, tandis que l'attentat à la pudeur sans violence à l'égard d'un mineur de moins de quinze ans, jusque là passible des assises, était correctionalisé.

Le débat a été diffusé le 4 avril 1978 par la radio France Culture, dans son émission Dialogues [2]. Il fut originellement publié en français sous le titre La loi de la pudeur dans la revue Recherches N° 37 d’Avril 1979. Plus tard, il a été inclus dans le recueil Dits et écrits 1976-1979 de Foucault.

Pergunta a você, Maya:

- Você reconhece, agora, a mais que provável leitura de Foucault no artigo do filósofo que utilizei no post?

Norma disse...

Vejam a transcrição do programa de rádio com Foucault (para quem lê francês) e vejam DE ONDE o tal filósofo do artigo tirou suas idéias. Incrível.

(Link partido: para funcionar, tem que copiar e colar direitinho.)

http://trublion.mabulle.com/
index.php/2007/02/24/47150
-la-loi-de-la-pudeur

Norma disse...

Há também esse link, que expõe o texto da entrevista e várias associações com a obra de Foucault:

http://wapedia.mobi/fr/La_loi_de_la_pudeur

Mais ou menos o mesmo, em inglês:

http://en.wikipedia.org/wiki/Sexual_Morality_and_the_Law

Eu chequei e os dois textos estão fiéis à transcrição da entrevista.

Em suma, o filósofo do artigo certamente se inspirou em Foucault para seu discurso peixe ensaboado. Tanto no artigo quanto na entrevista, é dito mais ou menos o seguinte:

- É claro que não sou a favor da pedofilia! [Na entrevista, os hipócritas dizem "ninguém aqui é pedófilo".] Mas há que se fazer uma distinção entre relação sexual forçada e relação sexual consentida, considerando-se que a criança pode fazer o movimento de iniciativa para o adulto e pode não ficar traumatizada com o acontecimento. Cada caso é um caso e não se deve estigmatizar o adulto como "pervertido" ou criminoso, um perigo para a sociedade, se a relação com a criança foi consentida. -

Foucault, em seu "labirinto de idéias" que ele mesmo dizia criar, confunde o debate tratando de dois momentos penais sobre o controle da sexualidade: antes, do século XIX para trás, o ato era punido; depois, a partir do século XX, querem estigmatizar o indivíduo, e que nisso residia o verdadeiro "perigo", segundo ele, uma forma mais sofisticada de controlar a sexualidade, um controle regido por psicanalistas e psiquiatras que tachariam os contraventores de "pervertidos", como um verdadeiro "poder médico". Uma forma de confundir o leitor e positivar a adesão ao documento de descriminalização.

Na própria página do NAMBLA há uma citação em inglês do Foucault, com referência bibliográfica:

"It is quite difficult to lay down barriers [particularly since] it could be that the child, with his own sexuality, may have desired the adult."
Michel Foucault, philosopher, speaking against "age-of-consent" laws
See: James Miller, The Passion of Michel Foucault (New York: Simon & Shuster, 1992).

Sim, é nojento. Não é novo. E está lá, para quem quiser ver.

Pedro disse...

Norminha,

Desculpe. Já lavei a boca.

Foucault afirma ter se "formado" lendo Condillac, Condorcet e os intelectuais da Escola de Frankfurt. Para quem não sabe, Condillac era um materialista do século XVIII, que pedia gentilmente o genocídio de católicos; e Condorcet era outro anão da filosofia, bem no estilo do Iluminismo. O gorila francês, que tanto influenciou o uspiano com quem Norma discute, está no meio de uma tendência de pequenez que vem desde os setecentos. Esses filósofos menores do Século das Luzes são chamados pelos franceses de philosophes. Um título que o Foucault merece.

Anônimo disse...

Norma:

porque em meu post acima dirigida `a Maya sugeri a discussao sobre Herbert make love, not war Marcuse? Basta examinar esta frase dele:

"A ideia tradicional de revolucao, e a estrategia tradicional da revolucao acabaram; o que temos de fazer e' um tipo de desintegracao difusa e dispersa do sistema."

Quem frequenta o site Midia Sem Mascara pensaria que essa frase e' de Antonio Gramsci. Duvido que Marcuse tivesse conhecimento das propostas analogas do comunista italiano. Na decada dos anos 20 do seculo XX, o eixo nazi-fascista ainda nao existia, e o alemao Marcuse provavelmente desprezava a Italia, terra decadente do Mediterraneo.

Quando Hitler comecou nos anos trinta do seculo XX a perseguir os judeus, os principais expoentes da Escola de Frankfurt, que fora fundada tendo como modelo o Instituto Marx-Engels de Moscou, tiveram que abandonar a Alemanha, indo quase todos eles para os Estados Unidos. A atuacao nefasta, difusa e dispersa como queria Marcuse, foi extremamente eficaz para desintegrar as universidades americanas, na parte das ciencias humanas. O pensamento de Markuse e de Chomski e' hoje o "establishment" no meio academico; os pensadores cristaos sao a franja reacionaria e retrograda, na classificacao da Old Gray Lady (=New York Times). Alem disso o Cristianismo e' acusado do crime de intolerancia e de ter intencao de invadir o espaco publico para enfiar Jesus goela abaixo de todo mundo, quando na verdade e' ateismo ativo que quer expulsar o Cristianismo da cultura Ocidental.

Hereticus

Norma disse...

Hereticus, o problema todo é que a esquerda lisonjeia como nunca o ego humano, colocando sempre na conta do outro - objeto de inveja - a culpa pelos males sofridos.

E tem outra coisa. A Maya admira Lênin. Ora, no site do Olavo de Carvalho (no artigo "Nós e eles, ou: A dupla moral" publicado no Globo) há a referência a essa pérola de estratégia esquerdista neste parágrafo das Selected Works de Lênin (vol. III, p. 486):

"É errado escrever sobre companheiros de Partido numa linguagem que sistematicamente dissemine entre as massas trabalhadoras o ódio, a aversão e o desprezo àqueles que sustentam opiniões divergentes. Mas pode-se e deve-se escrever nesse tom sobre organizações dissidentes..." Neste caso, prossegue, deve-se falar numa linguagem "calculada para despertar contra o oponente os piores pensamentos, as piores suspeitas; não para corrigir-lhe os erros, mas para destrui-lo, para varrer sua organização da face da Terra".

Deus me perdoe, mas às vezes as palavras fortes e as acusações reiteradas da Maya me dão essa exata impressão. Isso, sem falar do fato de que ela nos acusou de fazer o que ela mesma fez com o Mainardi: usou uma brincadeira boba dele em artigo para qualificá-lo como um dos piores seres do planeta. Isso não se faz. Eu me recuso a continuar o debate nessas sofríveis condições.

carlos disse...

Olá, Norma, tudo bem?
Cheguei aqui através do comments do Alexandre S. Silva. Gostei muito do seu blog, parabéns pelos textos. Voltarei mais vezes. Abraço.

Norma disse...

Obrigada, Carlos! Volte sim!
Abraços!

Eduardo Araújo disse...

Gostei muito da exposição do Hereticus sobre a Escola de Frankfurt e Marcuse. Já conhecia o fato da emigração desse pessoal para os Estados Unidos e a preponderância - talvez, melhor, a contaminação - de suas idéias no meio acadêmico americano.

Algo, contudo, que ainda não ficou bem firmado para mim e gostaria da ajuda de vocês é quanto à extensão desse predomínio no meio artístico, em particular, no cinema. A princípio, parece-me que muitos cineastas adotaram Marcuse e companhia e isso se reflete no abundância de películas eivadas de ranço anticristão, contra os valores tradicionais da civilização ocidental,firmados na filosofia grega, na instituição republicana e na herança religiosa judaico-cristã. Vocês sabem de alguma coisa escrita a esse respeito?

Abraços!

Norma disse...

O Hereticus é fera, sabe milhões de coisas e é generoso para partilhá-las com a gente. O Olavo também tem texto sobre isso no site dele.

Sobre o cinema, a questão é muuuuuuito interessante! Esperemos que ele responda essa. :-)

Eduardo Araújo disse...

Espero que sim, Norma, mesmo porque a impressão é de que essa turminha fez um TREMENDO e PAVOROSO estrago na sociedade cristã ocidental, explicando, até, as inversões de valores que bem caracterizam estes nossos tempos.

Penso que nós, cristãos, devemos nos preocupar em aprofundar ao máximo essa questão. Levantarmos a história e a evolução dessas idéias - sintetizadas na expressão "marxismo cultural". Verificarmos, em pormenores, os movimentos e ações desencadeadas por tais idéias e seus efeitos na sociedade. E, enfim, divulgarmos os resultados desse estudo, adaptando-os conforme os níveis de entendimento, contudo procurando fazê-lo entre todos os crentes.

Parece até uma paranóia, mas postos numa sentença simples sairia algo tipo: marxismo cultural = fim do civilização cristã. Justifica, creio eu, uma defesa à altura.

Abraços!

Norma disse...

Você tem toda razão, Eduardo. Na verdade, essa é uma das grandes ênfases deste blog. Linkei e abordei uma vez um artigo do Mídia sem Máscara intitulado "As origens do politicamente correto". Veja o trecho que em se fala sobre Marcuse:

"Um dos livros de Marcuse foi essencial para o processo [de formação do politicamente correto]. Este livro transformou-se na bíblia do SDS (Students for a Democratic Society) e dos estudantes rebeldes dos anos 1960. Em Eros e Civilização, Marcuse argumenta que sob a ordem capitalista (ele maquia fortemente o marxismo, o subtítulo é Uma Investigação Filosófica de Freud, mas o esqueleto é marxista) a repressão é a sua essência, e disso resulta na descrição freudiana: o indivíduo com todos os complexos e neuroses em função do desejo sexual reprimido. É possível enxergar um futuro - uma vez que se possa destruir a ordem repressiva vigente – no qual, sendo Eros liberado, libera a libido, o que conduz ao mundo da "perversidade polimórfica" onde "cada um pode fazer o que quiser". Diga-se de passagem, nesse mundo não haverá mais trabalho, somente diversão. Que mensagem maravilhosa para os radicais dos anos 1960! Eles eram estudantes, eram baby-boomers, e estavam crescendo sem ter que se preocupar com nada, exceto em eventualmente arrumar um emprego. E aqui você tem um sujeito escrevendo umas coisas muito fáceis de serem seguidas. Ele não exige dos jovens densas leituras de marxismo e, principalmente, diz a eles as coisas que querem ouvir. "Faça o que quiser", "É gostoso fazer isso" e "Vocês nunca vão ter que trabalhar". Aliás, Marcuse foi o homem que inventou a frase "Faça amor, não faça a guerra". Voltando para o problema enfrentado no campus, Marcuse define "tolerância libertadora" como intolerância para tudo que vem da direita e tolerância para qualquer coisa que venha da esquerda." - Como vimos aqui, isto é Lênin puro! Terrível, não é?

Abraços!

Norma disse...

Esse artigo sobre cinema no MSM está bem elucidativo:

http://www.midiasemmascara.com.br/artigo.php?sid=2312

Anônimo disse...

Eduardo e Norma:

acabei de ler o artigo no MSM que a Norma indicou no post das 5:08 PM. Tambem sao elucidativos todos os artigos do Ipojuca Pontes na MSM.Em diversos deles o Marcuse vem a baila. Leitura obrigatoria para a analise da escola de Frankfurt e sua influencia na sub-cultura hippie dos anos 60.

Lenin tinha um fraco pelo cinema: ele acreditava que uma das melhores maneiras de espalhar o comunismo mundo afora era atravez de filmes e pecas de teatro.

John Howard "Pravda" Lawson (um dos mais ferozes Stalinistas do grupo Hollywood Ten) disse ser a favor da liberdade de expressao apenas para os comunistas "porque o que eles dizem e' verdadeiro", enquanto aquilo que os fascistas dizem "e' uma mentira". Note-se que fascista para ele e' todo aquele que nao segue a cartilha do partido. Ele apresenta argumentos? Nao, e' claro. As coisas sao como eu digo, diz o papagaio vermelho.

As listas negras de Hollywood existiram, mas foram para impedir que os sem carteirinha do partido comunista conseguissem trabalho. O mito do monstro McCarthy ainda impera em Hollywood, veja-se o filme recente com o George Clooney. Mas cada vez fica mais patente que Joseph R. McCarthy estava certo. Quando finalmente houve a desclassificacao do Projeto Venona (em 11 de julho de 1995), e vieram a publico os telegramas interceptados e decodificados da embaixada sovietica, ficou-se sabendo que os acusados por McCarthy nao so' eram comunistas, mas estavam a soldo de Moscou. Agora em 6 de novembro de 2007, M. Stanton Evans publicou a sua monumental biografia do senador por Wisconsin: "Blacklisted by History: The Untold Story of Senator Joe McCarthy and His Fight Against America's Enemies". Mas os mitos da esquerda parecem ser perenes, como Che Guevara e o McCarthismo mostram.

Que livros posso recomendar?

1) Red Star over Hollywood: The Film Colony's Long Romance with the Left, pelo casal Ronald e Allis Radosh.
2)Hollywood Worldviews, por Brian Godawa.
3)Faith, Film and Philosophy: Big Ideas on the Big Screen, R. Douglas Geivett e James S. Spiegel, editores.
4)The Gospel according to Hollywood, por Greg Garrett. Westminster John Knox Press, 2007. O autor e' evangelico, e sua teologia e' conservadora, mas em politica ele e' liberal (no sentido americano do termo).
5)Hollywood Nation, por James Hirsen.
6)Amusing Ourselves to Death, por Neil Postman. Ja' em outra ocasiao recomendei este livro aqui no blog da Norma.
7)TREASON: Liberal Treachery from the Cold War to the War on Terrorism, por Ann Coulter, 2003.

Acredito que quase todos eses livros possam ser encontrados na Amazon.com.

Hereticus, a fera.

Eduardo Araújo disse...

Norma e Hereticus, milhões de graças a vocês. E Hereticus, podes crer, vou atrás dessa lista. É um assunto que me interessa muito.

Abraços!

Anônimo disse...

Norma:

peco licenca para comentar um assunto que nao tem a ver com o teu presente post, mas tem a ver com a tua luta a favor da vida.

No numero presente da revista cientifica Cell, o Prof. Shinya Yamanaka e sua equipe da Universidade de Kioto estenderam o trabalho deles do ano passado feito com celulas de ratos para celulas humanas.
O que Yamanaka obteve e' simplesmente maravilhoso para quem se opoe ao metodo de obter celulas tronco a partir da destruicao de embrioes, com a morte dessas vidas humanas nascentes. Com efeito, ele e sua equipe conseguiram reprogramar celulas da pele induzindo-as para o estagio pluripotente das celulas embrionarias. Esta nova tecnica dispensa a obtencao previa de ovulos humanos (sempre dificeis de conseguir) e dispensa a criacao e posterior eliminacao de embrioes humanos. Pode-se agora obter celulas que em tudo se comportam como celulas tronco, sem o dilema etico da destruicao de embrioes. Estas celulas vao se chamar iPS (no nome em ingles "induced Pluripotent Stem") que em portugues seria celulas "tronco pluripotentes induzidas."

O prof. Ian Wilmut ja' anunciou que vai renunciar ao projeto de clonagem humana que pretendia desenvolver, para se dedicar exclusivamente ao novo metodo. (Lembro que Wilmut foi o criador da ovelha Dolly em 1997, o primeiro mamifero clonado com sucesso.)

Sir Martin Evans, da Cardiff School of Biosciences, e um dos 3 ganhadores do Premio Nobel de Medicina deste ano, e pioneiro no estudo de celulas tronco, comentou assim o trabalho da equipe japonesa: "Esta e' a solucao de longo termo [para a producao de celulas tronco]. E' o que estavamos esperando."
Curiosidade: meu filho e' um cientista dessa area, e e' "neto cientifico" de Sir Martin Evans: ele fez um pos-doutorado com alguem que foi orientado por Sir Martin Evans.

Esta tambem e' uma vitoria do presidente Bush, que desde 2005 pedia aos cientistas que desenvolvessem "meios eticos para a obtencao de celulas tronco, meios que nao violassem nem a vida nem a dignidade humana". O Congresso Americano, atualmente dominado pelos Democratas, sempre negou fundos para essa alternativa etica, insistindo na clonagem anti-etica. Finalmente, neste verao (verao do hemisferio norte) Bush resolveu atuar por conta propria por meio de uma Ordem Executiva.

Hereticus

Anônimo disse...

Norma:

No mesmo dia que o time do Prof. Yamanaka anunciava sua sensacional descoberta, outro time anunciava essencialmente a mesma descoberta. Este outro time e' americano, e liderado pelo Prof. James Thompson, da Universidade de Wisconsin em Madison. O Prof. Thompson foi o primeiro cientista a isolar celulas tronco humanas, 10 anos atraz.

O metodo dos dois times e' essencialmente o mesmo, e utilizam retro-virus para inserir genes que fazem as celulas adultas regredirem para um estagio pluripotente. A diferenca esta' nos genes utilizados. O trabalho dos dois times foi realizado independentemente, e o time americano ja' requeriu patentes para o seu metodo, o que o time japones certamente tambem fara'.

Todos os noticiarios mundiais estao saudando esses trabalhos como verdadeiros "breakthroughs" e "milestones" no campo de estudo das celulas tronco.Certamente o debate sobre etica X ciencia muda com esta nova tecnologia que dispensa o uso de embrioes humanos. Os cientistas que trabalham com celulas embrionarias, vao dizer que essas celulas iPS nao sao realmente celulas tronco, que elas contem retro-virus, etc.,etc. Mas o fato que Ian Wilmut imediatamente se bandeou para a nova tecnica e' um duro golpe para os defensores do metodo anti-etico. Tambem sera' interessante observar como os candidatos Republicanos vao explorar o fato que Bush sempre advogou uma tecnica que respeitasse a vida.

Hereticus

Anônimo disse...

Norma:

Faltou dizer que a pesquisa do Jamie Thompson saiu na revista Science.

No blog do Reinaldo Azevedo esta' havendo uma tremenda discussao sobre as pesquisas com celulas tronco. Mas o ponto central foi deslocado para o papel da Igreja Catolica, e virou discussao de Igreja X Ciencia. A maioria dos posts e' de gente que nao entende nada, com a notavel excecao do Marcio que responde com conhecimento cientifico e com conhecimento da posicao da Igreja Catolica. Resolvi nao me meter pois o Marcio esta' dando conta do recado sozinho. A posicao mais esdruxula e' dos espiritas, que batem qualquer um em materia de confusao mental. Quando visitei o site ja' havia 72 comentarios postados.

Hereticus

Anônimo disse...

Norma:

o verdadeiro debate que as descobertas desta semana suscitam e' etica X ciencia e nao religiao X ciencia. Mas os promotores da ciencia sem etica logo tentam impingir a religiao como a verdadeira inimiga da ciencia, para desqualificar quem defende a primazia da etica sobre a ciencia, sem necessidade de argumentos religiosos. Se estas descobertas se revelarem tao boas como parecem ser, pelo menos no campo das pesquisas com celulas tronco (que e' coisa diferente de celulas embrionarias) tem-se uma solucao, que e' a verdadeira: a da ciencia com etica.

Nao podemos esquecer como os proponentes da "ciencia acima da etica" agiram aqui no Brasil:

1) promessas irresponsaveis, que eram acenadas como para amanhan, quando no cenario mais favoravel estao a dezenas de anos, ou talvez nunca se cumpram:

2) falsas esperancas para os sofredores de diversas enfermidades;

3) exploraram cadeirantes para obter ganhos politicos;

4) pintaram os oponentes como sem coracao e inimigos da ciencia;

5) sempre que possivel tentaram calar os oponentes na marra.

Hereticus

pappires disse...

Hereticus,

E não está embutida na ética que os inescrupulosos atacam a ética do SENHOR? De outro modo: numa ética desprovida do "não matarás", ditado por Deus, qual seria problema de destruir embriões (ou crianças ou adultos)?

Um cordial abraço.

Paulo

andré azevedo disse...

Este tal "filósofo" é exemplo daqueles mencionados no final do livro de Apocalipse, onde diz que os "impuros, feiticeiros, idólatras, assassinos, etc." de maneira nenhuma herdarão O REINO dos CÉUS.
Cara Norma...continue nessa sua cruzada alertando-nos de todas essas amoralidades que estão a nos cercar.

Norma disse...

Anônimo que posta sobre "agressividade". Você imaginou que meu "cuidado" acima fosse uma ameaça velada? Puxa... Tenho pena das suas interpretações equivocadas: é com base nelas que você me acusa de ser agressiva. Longe disso. Quis dizer: cuidado com você mesmo, pois admoestação anônima não é coisa de cristão e não há justificativa que desculpe esse comportamento. Você, que se diz cristão, deveria saber disso. Essa é a última vez que lhe respondo.

Reginaldo Almeida disse...

Norma,

Esses comentários todos já valem um novo post. Por que você não reúne tudo o que foi destilado a respeito de Foucault, assim como os comentários pertinentes noutro post? É que creio que fica melhor estruturado e mais fácil de achar, ao contrário de ter que entrar numa discussão e lê-la até o fim.

Luís Afonso disse...

Isto foi um diálogo real?

É impressionante. E o indivíduo se autoentitula "filósofo". Bah!

É a influência de Focault? Seria mais apropriado chamar "De-fecault", se for o caso.

É o que leva a priori esta neurose pseudo-psicológica de sempre se tentar "entender" o criminoso.
Vemos isso sempre que um psicólogo ou sociólogo vai à TV para "explicar" um caso horripilante qualquer. Sempre chega um ponto onde o "entender" vira "se entender" com o criminoso.
Talvez seja aquela velha estória de que o analisado fixa-se ao analisando, só que em versão invertida: nossos psicólogos/filósofos parecem ter uma fixação quase à idolatria para com estes tipos.

Eduardo disse...

Já conhecia a "obra" desse tal "filósofo", cujo site encontrei no google. Se "filosofia" significa "amar o saber", esse sujeito não pode ostentar o título de filósofo, dado os absurdos que defende, os quais só podem advir de uma mente doentia.

Rodrigo César disse...

Isso é horrível, mas já não adianta mais: a pedofilia logo será normal e se verá revista pornograficas com meninas de 9 anos nas bancas. Existe um interesse economico nisso. Uma sociedade que veja o homossexualismo e o aborto como coisas normais é uma sociedade que tem como seu fundamento moral apenas o prazer e não o respeito pela lei divina nem pela lei natural, dai para o incesto e a pedofilia é apenas um passo. Talvez em menos de vinte anos essa tragedia aconteça. É o reino do Anticristo: a Nova Ordem Mundial dos Iluminatti.