14 janeiro 2013

Resultado do Concurso Apologético!

Eis o resultado, enfim! Pedi a meu marido que me ajudasse na escolha. Selecionei as seis melhores e lhe mostrei, sem os devidos autores, para que ele não fosse influenciado por algum nome conhecido. Fiquei feliz ao ver que, das seis, a escolha dele foi a mesma que a minha.

Repito e expando aqui os critérios para a escolha, sobretudo por um propósito didático: quem sabe um dia você não será convidado para falar na televisão?

- Brevidade. Todos nós sabemos o quanto o Jô gosta de interromper os entrevistados e fazer piada. Aproveitar a "deixa" teológica da pergunta dele e falar o mínimo possível era fundamental. Li as melhores respostas em voz alta e percebi que alguns textos bons e coerentes não funcionariam ao vivo, na língua oral, por serem extensos demais.

- Linguagem acessível. Crente não resiste a um "teologuês". Precisamos tomar cuidado com isso: diante de uma plateia não-evangélica, o uso do nosso "jargão" só contribui para afastar o público do interlocutor.

- Foco na teologia. As perguntas do Jô foram eminentemente teológicas. Era o momento para colocar a preocupação com a alma dele (e dos espectadores) em primeiro lugar, deixando de lado as questões sobre a política, a liberdade de expressão religiosa ou as explicações científicas para o comportamento homossexual, por exemplo.

- Conteúdo essencial. Como as perguntas do Jô versavam sobre o que é o pecado, era necessário que a resposta mostrasse o esquema essencial do Evangelho (criação, queda e redenção) por dois motivos: mostrar que o pecado original se deu depois que Deus disse que "tudo era bom" (a criação) e apresentar a redenção como o único antídoto possível para o pecado.

Por isso, anuncio aqui que a resposta breve, acessível, isenta de digressões e fiel ao essencial do Evangelho (criação, queda e redenção) foi a do...

Thiago McHertt!

Parabéns, Thiago! Por favor, poste um comentário com seu endereço para envio do livro (não o publicarei).

Quero agradecer muito a todos os participantes! Foi uma honra receber tantas entradas em apenas uma semana. Também foi gratificante ler respostas que manifestaram a criatividade de alguns (Roberto Vargas Jr., Yago Martins, Hugo, Jônatas, Antônio Brito), a firmeza de outros (João, Luiz Renato, Cristiano), o carinho de outros (Pr. Samuel, Pr. Macena, Ivonete). Nenhuma resposta foi rejeitada para publicação.

Daqui a algum tempo, aparecerei com um novo Concurso Apologético. Não percam!

Republico aqui a resposta do Thiago:
Jô, tudo o que Deus faz é bom por definição. Logo, a criação é boa. Mas desobedecemos a Deus, e isso é pecado - e mau. Todos os homens nascem em pecado, ou seja, nascem da natureza caída de Adão. O pecado é o fruto da natureza caída do homem. Nesse sentido, se é verdade que alguém nasce homossexual, isso não o isenta do pecado, mas o confirma. E é nessa condição humana caída e pecaminosa que Deus ordena a mim, a você - Jô -, aos homossexuais e a todos os outros seres humanos "que se arrependam e creiam no evangelho".

Update importante: Um dos pontos mais fortes da resposta do Thiago ao Jô foi o fato de implicá-lo diretamente ("Deus ordena a você"), e isso é bacana porque gera uma reação pessoal. Creio que a apologética jamais deve esquecer que lida primariamente com pessoas, não com conceitos, ideias ou argumentos. Essa pessoalidade está presente em obras imprescindíveis dos maiores apologistas com quem podemos contar: Francis Schaeffer, C. S. Lewis, Cornelius Van Til e muitos outros.

19 comentários:

JOELSON GOMES disse...

Mas o argumento do Jô continuaria, pois segundo o autor da resposta a pessoa nasce em condição de pecado (que é fruto de sua natureza caida) e deve se arrepender dos pecados. Mas veja que Jô pode lhe responder: concordo, mas a homossexualidade não está nesse pacote, a homossexualida está na mesma condição de como se ele nascesse hetero. É uma condição inata. Ele deve se arrepender dos pecados cometidos concordo, mas não de sua condição de nascença, pois essa condição é a mesma de alguém que nasce hetero, é a SUA ORIENTAÇÃO: UNS NASCEM HETEROS, OUTROS HOMO. Homos pecam (não por ser homos), arrependam-se, heteros pecam (não por ser heteros), arrependam-se. Assim, a resposta não convence não, não acha?

Thiago Belarmino disse...

Graça e Paz.

Parabéns pelo trabalho em seu blog desejo que o Senhor continue te abençoando.

Abençoado estou participando da Campanha Siga e Seja Seguido da
UBE blogs! Estou seguindo seu blog.

Siga o meu: Segue abaixo o link do meu blog:
http://gestaosacerdotal.blogspot.com.br/

Aguardo sua visita e parceria.

Graça e Paz!

Thiago Belarmino

Thiago Mc'Hertt disse...

Wow! Cheguei ontem de viagem pensando no resultado do concurso... Obviamente, jamais pensei que iria estar meu nome ali! Rsrs.

Norma, como sabes, moro em Dublin... Não sei como seria melhor fazer para você. Tem a opção de mandar para um endereço no Sul do Brasil, e então eles encaminham para mim, ou direto.

Fiquei muito feliz! Acho que a primeira vez que ganho alguma coisa, haha.

Abraço.

Guilherme Arruda disse...

Joelson, creio que a resposta se bastaria pelo exemplo do caso do homem e sua violência: aparentemente nascemos violentos e maus, assim como todo pecado existente.

E como a Bíblia dá nomes a pecados, a homossexualidade, entre tantos outros, está nesse pacote, está nomeada e confirma o salmista:

"Eu nasci na iniquidade, e em pecado me concebeu minha mãe." (Salmo 51.5).

Thiago Mc'Hertt disse...

Joelson Gomes,

A pessoa que nasce na condição - e.g. qualidade ou modo de ser - de pecador, está orientado - e.g. disposto ou dirigido - a pecar. Eu não assumo em minha resposta que a pessoa nasce homossexual, eu assumo que "se isso é verdade, isso ainda assim não isenta a pessoa".

Uma vez que Deus nos tem como responsáveis, somos responsáveis tanto por aquilo que somos, quanto por aquilo pelo que somos orientados.

Abraço.

Norma disse...

Pois é, Thiago, eu já sabia pelo Facebook que você morava na Irlanda... Por aí os leitores veem que não foi marmelada, porque em sã consciência eu jamais escolheria um candidato com um frete desses, hahahaha!

Brincadeiras à parte, parece que nem é tão caro mandar um livro para o exterior. Fique tranquilo! De qualquer modo, agradeço muito pela alternativa. Vamos sondar com os Correios e depois veremos como faremos. Intuo que a diferença será pequena entre Dublin e o Sul.

Abraços!

Norma disse...

Sim, concordo com Guilherme e Thiago. Para nós, isso não faz a menor diferença: inatos ou aprendidos, os pecados apontam para *tendências* em nós, pelas quais somos responsáveis. Essa é uma confusão comum na mente do incrédulo: aquilo que é inato isenta de culpa. Por isso era bom mesmo não entrar nesse assunto naquele momento.

De qualquer forma, achei que um dos pontos mais fortes da resposta do Thiago ao Jô, que ainda não comentei, foi o fato de implicá-lo diretamente, e isso é bacana porque gera uma reação pessoal. Creio que a apologética jamais deve esquecer que lida primariamente com pessoas, não com conceitos, ideias ou argumentos. (Isso é tão importante que vou fazer um update no post.)

Thiago Mc'Hertt disse...

Ok Norma,

Realmente não sei da diferença... Sei que para mandar daqui para aí, é barato - quem sabe não fazemos um concurso destes aqui na missão então?!

Passo o endereço no FB para você avaliar.

Abraço.

rodomar disse...

Parabéns ao Tiago! Realmente uma boa resposta!

Norma disse...

Nem fale, Thiago... :-( Eu e um amigo francês trocamos uma caixa de livros há algum tempo, e eu paguei bem mais que ele. É aí que vemos o quanto somos escorchados no Brasil de tudo quanto é jeito... :-(

Thiago Mc'Hertt disse...

Rodomar,

Muito obrigado!

Norma,

É infelizmente isso é realidade no Brasil. Disseram-me que se você postar como livro, o valor é diferenciado, vale a pena checar. Aqui na missão já mandamos coisas para fora e isso funcionou, e recebemos algumas que também valeram-se desse critério.

Ah, muito relevante a atualização do post também. Esse detalhe tem sido fundamental para nós aqui em missões.

Abraço.

JOELSON GOMES disse...

Vou voltar ao assunto, deixando claro que não tenho o objetivo de causar polêmicas descenessárias, mas expandir e pensar. Ainda acho que Jô sairia fácil da resposta. Observe que a resposta não desmancha o argumento usado por todos de que a homossexualidade é inata, apenas diz que é um pecado ou erro que o homem comete. Ora, isso só vale e deixa sem resposta quem aceita o conceito de pecado, ou entende a prática como algo livre, escolhido pelo praticante, e além do mais errado. Se a pessoa, no caso Jô, não aceita a prática como pecado, e nem como algo adquirido, mas inato, como a cor dos olhos, da pele, a função de respirar, etc. nunca a achará errada, e a resposta não dirá nada a ele, apenas repetirá o mais básico: é pecado. Mas, como entendi (posso te entendido completamente errado) o objetivo da resposta (apologética boa faz isso)era deixar o "oponente" sem palavras pela força do argumeto; não deixa. Nem Jô, nem qualquer outro que defebda a prática.

Seria bom que outros que estão lendo esses comentários propusessem outras respostas também.

Deus abençoe a todos.

Thiago Mc'Hertt disse...

Joelson,

Minha resposta não aceita a homossexualidade como inata, mas lida com o fato de ela ser pecado mesmo que seja provado que ela o é. Meu ponto é que a inatidão do pecado - seja homossexualidade ou cleptomania - não isenta o pecador da sua responsabilidade. A Escritua ordena que ambos arrependam-se, independente do que é inato ou aprendido.

Você citou "a cor dos olhos, da pele, a função de respirar, etc.". Pense de novo. Não é errado o homem ou mulher nascer com os orgãos reprodutores, assim como não é errado nascer com olhos. Mas o pecado está no uso da sexualidade, assim como no uso dos olhos. Olhar com cobiça, relações sexuais pré-maritais, e todo tipo de relação homossexual é pecado.

"O objetivo da resposta (apologética boa faz isso) era deixar o 'oponente' sem palavras pela força do argumeto".

Você deve arcar com sua própria definição de "boa apologética", não eu. Meu uso da apologética se enquadra em apresentar a verdade de maneira clara e compreensível a todos e chamá-los ao arrependimento e a fé em Cristo. Se eles vão murmurar seu pecados após isto, a responsabilidade não é minha.

De qualquer forma, não defendo minha resposta como a resposta perfeita ou mais abrangente, mas sim como uma das que acataram os critérios. Eu não a escolhi como a melhor - mesmo que esteja bastante feliz por ter ganho o livro da Norma. ;)

Um beijo do gordo.

Norma disse...

Olá, Joelson,

Concordo com Thiago, principalmente quanto à "apologética boa". É interessante como, muitas vezes, ao pregar para alguém, nós esquecemos como nós mesmos nos convertemos. Foi por causa da "força do argumento"? Ou foi porque, de olhos abertos pelo Espírito, vimos as maravilhas de quem é Deus e vimos nossa própria miséria? Apologética boa é a que ajuda o outro a enxergar, e isso só será possível se apontarmos corretamente para o caráter de nosso Deus e Sua vontade. Seria extremamente contraproducente, em uma entrevista de televisão - com pouco tempo para falar - , que o apologista entrasse em uma discussão sobre o caráter inato ou não do homossexualismo.

Ora, ninguém pode prever o que o Jô diria depois de ouvir a resposta do Thiago. Mas o "gordo" foi confrontado e implicado pessoalmente. O apologista não deve se deixar levar pela ilusão de controlar os raciocínios do outro, mas sim deixar preparado o terreno para o interlocutor principal - o Espírito Santo. É como vejo, como pressuposicionalista.

Abraço!

JOELSON GOMES disse...

Obg, é que tendo ao evidencialismo, por isso o "fincapé" em argumento "irrespondivel". Deus abençoe a todos.

Rogerio Linhares disse...

Dr Norma Braga, a graça e a paz esteja com a senhora!... Sei que o senhora é uma mulher bastante ocupado, mas se puder, me tire uma dúvida.
Sempre considerei Billy Graham uma referência de cristão. Entretanto, hoje existem muitos rumores sobre ele ser papista, ecumênico, maçom e herético ( alguns chegam ao extremo de considerá-lo um satanista!!!...
rs... rs...rs...nesse caso um absurdo!!!!...rs...rs...). A minha pergunta (ou perguntas...rs... rs...) é: o que a senhora pode nos informar sobre Billy Graham? Ainda podemos considerá-lo uma referência? Que livros, sites ou vídeos podemos encontrar informações equilibradas e honestas sobre ele?....GRATO!!!!

Norma disse...

Alguém pode ajudar o Rogério? Conheço muito pouco o Billy Graham.

Thiago Mc'Hertt disse...

Norma,

Se nada melhor aparecer, posso tentar...

Rogerio Linhares,

Billy Graham tem a muito tempo estado envolvido em uma controvérsia sobre o Universalismo. Desde então, em diversas situações, isso tem se repetido, com afirmações de que existe salvação aparte do evangelho de Cristo.

Depois de muito tumulto quanto a várias questões envolvendo a mesma controvérsia, sua Organização passou a não considerar o Mormonismo, Testemunha de Jeová e a Cientologia como heresias.

Creio que tenho algumas coisas sobre essa controvérsia e também sobre a questão de casamento e divórcio e sua posição contra o calvinismo - creio que Clark comenta algo sobre um indicente em um livro.

Há bastante exagero e sensacionalismo ao redor destas questões, então tem de ser um pouco cuidadoso ao procurar.

Se tiver alguém melhor informado do que eu, Ok. Se não, sinta-se a vontade para entrar em contato.

Abraço,
Thiago McHertt

Contato em: www.firelandmissions.com

Igreja Monte Zion disse...

Bom dia,

Gostei da escolha, realmente acho que no primeiro momento Jô deveria ser confrontado com a soberania de Deus. E só depois, com a eventual insistência do Jô, a explicação sobre como ser aquilo que não somos pudesse ser explanada. Show de bola! Paz de Cristo!