20 novembro 2009

Adendo ao post anterior

Muita gente (que não entende o conservadorismo, diga-se) pode ter estranhado meu último post. “Ela defende o capitalismo e está dizendo que a segurança financeira não tem tanta importância?” Pois é, meus amados leitores. Para mim, não tem mesmo. Defendo, sim, o capitalismo como o melhor sistema inventado pelo homem até hoje, o único que garante a liberdade individual. É o melhor possível em um mundo caído, acredito. Porém, jamais endossarei o espírito materialista que se apropriou do presente século. A diferença fundamental é a seguinte: o pecado, no capitalismo, está circunscrito à escolha individual; no socialismo, todo mundo é forçado a pecar os mesmos pecados. Assim, no capitalismo, o materialismo é opcional; no socialismo, é obrigatório, religião do Estado (logo, de todos). Podemos nos abster da cobiça no capitalismo; no socialismo, ela é o motor de quem faz a revolução. E daí por diante.

17 comentários:

Ivny disse...

Muito bom, Norma! Mais uma vez...
E vamos assim, a cada dia lutando pra que nossas "escolhas individuais" sejam mais acertadas e orientadas por Deus. Afinal, quando optamos por viver assim, nossa responsabilidade aumenta, não dá maispra ficar jogando a culpa nos outros.

PS: Por sua influência e do meu marido estou a cada dia mais conservadora. rs.

Norma disse...

Obrigada, Ivny!

Que legal, sempre me alegro muito quando novos conservadores apontam meu blog como referência, hehe!

Abração!

Allen Porto disse...

Perfeito.

Não haveria descrição melhor.

abraço

:)SDG

Tiago disse...

Cara Norma,

Esse adendo ao post anterior é a cereja em cima do Sunday. Ajuda a dissipar a confusão da mente de uns tantos crentes "socialistas", como teria ajudado minha mente caso ainda fosse um deles.

Que Deus continue lhe inspirando a produzir orientações tão oportunas para os teus leitores.

Um abraço,

Tiago Ramos

Norma disse...

Obrigada, Tiago!

Quem dera esses cristãos socialistas novinhos entendessem que o antídoto do materialismo não é o socialismo...

Abraços!

Aprendiz disse...

Norma

O que chamam de capitalismo (não concordo com esse nome, pelo menos em referencia a isso) é simplesmente a liberdade de mercado. Quando o estado não quer dominar o mercado e a justiça funciona, existe liberdade no mercado. Esse é o estado natural. O mais comum em todo o mundo, desde tempos imemoriais, é que não existissem burocratas determinando o preço das coisas ou o que deveri ser produzido ou quem deveria comprar. O comum é que o governo não fosse o dono da maioria dos meios de produção. Isso é simplesmente liberdade de mercado e não foi inventado por ninguém. Adam Smith descreveu como o mercado funcionava em liberdade e como funcionava quando regulado (porque ele via situações de liberdade de mercado e situações de regulação estatal do mercado) e chegou à conclusão de que, na maioria dos casos, nas situações de liberdade de mercado, as coisas funcionavam melhor, havia mais justiça e mais prosperidade.

Portanto ninguém inventou a liberdade de mercado. Inventaram o ódio à liberdade.

Vou contar porque não gosto do nome "capitalismo" para descrever a liberdade de mercado. Capitalismo seria o nome adequado a um regime que procurasse defender os interesses dos donos dos maiores capitais. Num regime de liberdade de mercado, os donos dos maiores capitais corre riscos. A proteção maior aos grandes capitais ocorre justamente num regime de maior intervenção estatal. Nessa situação, os grandes capitalistas podem comprar proteção do poder político, como ocorre, por exemplo, no Brasil.

Aprendiz disse...

Norma

Dê uma olhadinha nisso:

http://blogs.telegraph.co.uk/news/jamesdelingpole/100017393/climategate-the-final-nail-in-the-coffin-of-anthropogenic-global-warming/

http://ecotretas.blogspot.com/2009/11/rolo-compressor-de-verdades.html

http://ecologia-clima-aquecimento.blogspot.com/

Vinícius disse...

Oi Norma,

só acrescentaria um observação ao seu comentário: há cristãos que se preocupam muito com a pobreza, lutam contra injustiças, por presença do estado em políticas públicas, e até mesmo defendem uma reforma agrária séria. Ora, isso não quer dizer que eles sejam socialistas ou desejem uma ditadura comunista. O mundo não é um eterno fla x flu, direita x esquerda. Só digo isso porque acho que às vezes vc, hum, exagera e se apressa um pouco taxando qualquer posição teologicamente não-conservadora como esquerdismo (ou marxismo). Em um post anterior vc falava de olimpíadas e logo lembrou de Cuba. Fiquei pensando por quê(?). Sabemos de sua posição política, só não precisa fazer o mundo girar em torno deste debate.

Vc mesma deu um exemplo. A necessidade de uma vida simples não-consumista é condição necessária para sobrevivência do planeta e lutar contra o materialismo não significa ser de esquerda, como vc bem observou.

É isso, só queria manifestar esta impressão que há tempos tenho a respeito de alguns posicionamentos seus no blog. Acho que seus textos ficariam ainda mais interessantes e inteligentes se vc tirasse um pouco da cabeça essa coisa de esquerdismo.

Agradeço sua atenção. Abraço!

Aprendiz disse...

Vinicius

Enendo sua posição porque eu mesmo já pensei assim. Eu via os males do marxismo como uma coisa do passado, que morreu espiritualmente na queda do Muro.

Já não penso assim, e devo explicar o motivo. Vejo a esquerda toda, de certa forma, submetida talvez mentalmente, talvez espiritualmente às viuvas do Muro de Berlim. Parece estranho, irracional, improvavel. Porque pessoas que rejeitam intelectualmente o stalinismo, ou o maoismo, e coisas que tais, estariam submetidas aos saudosistas da URSS, da KGB e da Stasi? Mas simplesmente é o que acontece, os fatos dizem isso. Essa oposição ao comunismo parece coisa ultrapassada, mas não é. As viuvas do Muro ainda são as donas da alma socialista e seu projeto totalitarista é muito mais viável agora do que foi em qualquer tempo.

Quer um exemplo: Veja a educação brasileira, do nível básico à universidade. A maioria dos nossos professores seria aprovada para ensinar na antiga URSS ou na China de Mao.

Rafael Galvão disse...

Boa noite Norma,

Eu já postei algumas vezes no seu blog, mas estou postando agora, pq eu gosto de ler suas postagens, e eu queria saber sua opinião (não ficarei ofendido se meu comentário for rejeitado). Creio que vc pode me responder: eu achei esse link http://www.conservapedia.com/Conservative_Bible_Project da famosa (ou infame?) Conservapedia - também tenho que dizer de antemão que achei a 1ª referência no pavablog, mas fui ver se é realmente verdade.

Eles estão querendo reescrever a Bíblia de um posto de vista conservador, veja só o que eles falam aqui sobre Lucas 23:34 "It should not appear in a conservative Bible, because in point of fact Jesus might never had said it at all."

Eu não posso negar que fui conservador, nunca fui liberal(talvez uns 5 minutos da minha adolescência quando disse que comunismo era bom, mas foi há muito tempo), mas depois eu me desiludi com o movimento. Eu não quero mais ser conservador, porque eu vejo que os conservadores estão querendo sobrepor sua ideologia acima do cristianismo, da mesma forma que os liberais fazem. Por outro lado eu tbm não quero ser liberal, esquerdista, marxista, não quero aceitar a lógica do "quatro pernas bom, duas pernas ruim".

Quando eu vejo os pundits norte-americanos, tanto da direita quanto da esquerda, e acho um absurdo as pessoas ganharem dinheiro para caluniar umas às outras.

Daí eu me pergunto: conservadorismo implica ser cristão? Eu peço sua opinião, Norma, pq confio em vc, não quero ser visto como um inquisidor perguntado.

A paz de Cristo,
Rafael

Allan Ribeiro disse...

Você já leu "Discipulando as Nações", de darrow Miller? É um livro fantástico que diz que o capitalismo é o único regime político que produz riquezas (e portanto possibilita a diminuição da desigualdade social). Além disso, é o único compatível com a democracia.

Enquanto estivermos neste mundo, sujeitos às contingêncas do pecado, é a melhor opção.

Por favor, continue conservadora e enxergando o esquerdismo em todo lugar. O mais paranóico dos conservadores está sempre um passo atrás das malditas maquinações dessa ideologia!

Capitalismo e cristianismo não são a mesma coisa. O cristianismo não precisa do capitalismo, mas os cristãos certamente vivem melhor no capitalismo e na democracia.

Peço ao Rafael que não use o termo "liberal" associado ao pensamento esquerdista. Em política e economia liberal é o que defende as liberdades (de onde o termo) individuais.

Norma disse...

Obrigada, Allan.

Rafael, tenho pensado muito nessas coisas todas. Tudo o que o Allan diz é correto: entre o capitalismo e os demais sistemas, o cristão deveria sempre escolher o capitalismo, pois é o único que assegura liberdade. O socialismo e o comunismo são destrutivos e centralizadores. Disso sabemos.

Porém, de fato existe um perigo dentro do conservadorismo, de certo conservadorismo composto por não-convertidos, que é o perigo análogo ao que há no esquerdismo: substituir a transcendência verdadeira pela falsa, enxergando também a possibilidade de "um paraíso aqui na terra".

Há muitas coisas a dizer sobre o conservadorismo. Espero ainda este ano poder dizê-las, em post ou em artigo. Deus me ajude, porque o tema é muito vasto. E eu continuo estudando esse assunto, na medida do possível, pois tenho trabalhado bastante.

E sim, continuo dizendo-me conservadora, mas uma CRISTÃ conservadora. Isso significa sobretudo não compactuar com nenhuma modernidade que altere as verdades de Deus, inclusive a do responsável pelo Conservative Bible Project. Esse projeto é um bom exemplo do quanto o conservadorismo pode virar uma religião à parte, mesmo com capa de cristianismo. Se o Pavarini e o Paulo Brabo acham que compactuo com isto só porque me aplico o termo "conservadora", é porque não me leram direito. Viram, rapazes? ;-)

Abraços!

Rafael Galvão disse...

Obrigado Norma por responder. Não se preocupe, o Pavarini e o Brabo não comentaram nada sobre vc, apenas eu vi a 1ª citação sobre o tema no blog dele.

A gente deve tomar cuidado, a Bíblia pra gente "não desviar nem para a esquerda" (obviamente o contexto da passagem é outro, hehe). A capa de cristianismo é um recurso do inimigo. Utilizando um exemplo (a história mostra vários), eu estudei um pouco sobre o racismo e vejo que os racistas utilizavam tanto argumentos baseados na interpretação (errônea) da Bíblia (que Caim era negro) e evolucionismo (que o negro é inferior) ou seja, os racistas não se importavam se o argumento fosse verdadeiro ou não, contanto que servisse a seus interesses escusos.

Eu também acredito que o capitalismo seja melhor, porque creio que representa melhor as aspirações do ser humano muito melhor que o comunismo.

Allan, eu usei o termo liberal, mais pq é moda nos EUA, mas eu sei da diferença, e, como se diz nos países anglófonos, "take it easy".

Deus abençoe a todos!

Norma disse...

Oi, Rafael,

Não me preocupo, estou apenas brincando, hehe.

Olha, uma leitura que vai te abençoar muito é Calvinismo, de Kuyper. Ainda não li todo, mas já posso dizer que esse é o conservadorismo que eu quero.

Abraços!

André Figueiredo disse...

Norma, como vai, amiga? Sou eu, o André. norma, eu não concordo com esse negócio de que no capitalismo o materialismo o materialismo é opcional. Nesse sistema, a competição dita as regras: ou vc devora ou é devorado. Não há escolha. Não há como se ficar de fora do capitalismo pois a lógica do mercado é imposta a todo o resto do mundo. O livre mercado os é livre para os capitalistas, mas para o resto da sociedade é uma imposição. Se vc escolher não entrar no capitalismo, vc morre de fome. É ditadura. Além do que, a lógica do capitalismo está mais para o darwinismo que para o cristianismo: a sobrevivência dos mais espertos, e a morte dos menos adaptados através da caompetição. O darwinismo é um naturalização do estilo da sociedade britânica, berço do liberalismo econômico. Todo mundo sabe disso. É totalmente o inverso do amor cristão, cujo espírito é a fraternidade, a comunhão e o partir do pão, onde ninguém considera propriamente seu o que possui. Na competição vc tem que eliminar o próximo, pisá-lo e destruí-lo. Além do que, nesse sistema, para poucos terem quase tudo, é preciso que o resto da sociedade viva abaixo da linha da miséria, uma coisa absolutamente irracional. Além do que, eu vejo que a Bíblia contempla o pobre e o oprimida, e despreza os ricos desse mundo. Abraços.

Aprendiz disse...

André

Talvez vocÊ nunca tenha lido ?Adam Smith. Leia e verá que ele não propõe um sistema. Ele apenas descreve (conforme os exemplos a que ele tem acesso) o que acontece quando as possoas relacionam-se econômicamente umas com as outras. Ele mostra que, na maioria das vezes, a interferência nessas relações, por parte dos governantes, produz efeitos diferentes dos supostos e, geralmente, injustiça.

Portanto, liberdade de relações comerciais não é uma ideologia, é algo que, em parte, tem existido virtualmente em toda a história do homem.

Mas, já que você citou a Bíblia, o relacionamento econômico entre as pessoas, descrito ou prescrito nela, é um relacionamento muito mais livre e responsável do que aquele desejado pelos socialistas. A violência e opressão nos regimes socialistas foi sempre um resultado de ver-se o homem como apenas uma massa informe, sobre a qual o estado (Estado, na visão de vocês, socialistas) tem inteiro direito, para moldar, usar ou descartar.

Pense: Se o Eterno quisesse que vivessemos e sentíssemos como insetos sociais, ele não nos teria criado mamíferos.

Joel e Lu disse...

Olá

É interessante como se prega que o "capitalismo" é culpado pelos males do mundo. Materialismo, egoísmo, sobrevivência do mais forte, consumismo, enfim, tudo de ruim é imputado a esta figura impessoal e genérica: o "Capitalismo".

Mas quando se ouve os pró-socialismo, são só flores - um mundo melhor, mais justo, mais fraterno, até com mais amor - então imputa-se estas coisas como consequencias de outra figura impessoal e genérica - o "Socialismo".

A nossa sociedade é feita de seres humanos, e não de figuras abstratas.

Serão os mesmos seres humanos que são corruptos, maus, egoístas, consumistas, idólatras de si mesmos - enfim seres humanos capitalistas - aqueles que, por um método de transformação que ninguém consegue explicar, mas que do entardecer da revolução socialista até o amanhecer do dia seguinte terão se transformado em seres humanos impecáveis na sua conduta para com o próximo e é claro, para com o planeta?

Não sei quanto a vocês, mas eu luto anos a fio comigo mesma para ter uma mínima mudança de conduta e de caráter.

Mesmo que o socialismo fosse algo bom, não teria o poder de mudar o coração do homem. Transformar corruptos em honestos, egoístas em altruístas, mal em bem só porque se mudou o nome do "regime". E isto, do inferno ao paraíso, da noite para o dia.

Não existem atalhos para a mudança na sociedade. Cada um tem que optar dia após dia em ser uma pessoa melhor para seu proximo e para si mesma. A mudança no coração nunca vem de fora, imposta pela mudança de um regime político, mas de dentro, do convencimento do pecado, da justiça e do juízo.

A solução não é acabar com o capitalismo, impondo o socialismo. Mudam os sistemas, permanecem os mesmos homens maus. Só que com poderes maiores para oprimir o povo.

A solução é voltar aos valores que perdemos durante esta corrida rumo ao socialismo. O caráter, a honestidade, a honra, a lealdade, a família, o amor. Valores judaico-cristãos tão fora de moda, mas que moldam o caráter humano, dão limites morais e neutralizam justamente os "males do capitalismo".

A solução fácil do socialismo para um mundo mais justo é apenas uma armadilha, um chamariz, o queijo na ratoeira.

Pobres ratinhos, nunca o alcançarão.

Abraços!