20 novembro 2015

Menos que um gato

Quando eu estava grávida (perdi o bebê aos cinco meses de gestação), lembro que Chantilly, como sempre, vinha para meu colo; mas, na minha nova condição, ele não conseguia relaxar - ficava olhando em volta, procurando aquela presença que sentia mas não via. E me assombro ao pensar que, neste mundo de hoje, há tanta gente com menos percepção que um gato.




Um comentário:

Kelly Oliveira disse...

Boa reflexão! Disse muito com poucas palavras, é muito triste como a vida no ventre de uma mulher não tem mais valor. Que Deus nos ajude.