14 setembro 2011

Mas por que tanto tempo afinal?

Uau! Mais de um mês sem postar. Que saudade. Nunca cheguei a tanto. Falta de ideias? Dificilmente! Na verdade, muitos motivos me afastaram do blog: outra mudança interestadual, alguns problemas de saúde meio chatinhos (enxaqueca, uma possível alergia a glúten, uma possível tendinite), compromissos diversos. Porém, este post não é para desfiar um rosário de justificativas ao leitor, mas sim para comunicar uma grande novidade, e que explica, mais que outras razões, esta fase meio “muquirana” com o blog: estou escrevendo um livro!

Assim, o leitor precisará exercitar um pouquinho sua paciência para ler textos novos meus. O livro sairá pela editora Vida Nova, no ano que vem. Prometo que postarei todas as notícias relacionadas a ele. Não quero inaugurar com isso um “recesso” no blog, mas as coisas continuarão lentas por mais algum tempo.

O tema do livro? É surpresa. :-) E não se esqueçam de orar por mim, para que Deus me ajude a completar com sucesso aquilo que devo entregar a vocês.

E, enquanto não venho com mais, deixo uma pequena reflexão sobre uma das melhores citações que já li nos últimos tempos, de Hans Rookmaaker:

"A antítese não é entre cultura e cinismo, entre espiritualidade e materialidade, mas entre Deus e os ídolos."

Embora eu não tenha lido Rookmaaker ainda, não resisto a comentar essa única citação. (Se o contexto for outro, peço que o leitor versado em Rookmaker me corrija.) A frase me encanta por expressar o caráter todo especial do cristianismo em relação a outras religiões: a fé bíblica confronta o homem não a escolher entre conceito e conceito, mas entre pessoa e pessoa. Ou seja, a grande questão, no cristianismo, a pergunta que desafia o homem, não é o que, mas sim a quem você vai adorar: a Deus ou aos ídolos? A quem vai dedicar seu coração? Não se trata de preferir conceitos (como geralmente o mundo encara a adesão religiosa), mas de escolher acertadamente Aquele que será o Amado de sua vida – não só Aquele que é o único que pode amar de volta, mas o Único a operar em nós o amor verdadeiro, sendo a origem e o fundamento de todo amor (1 João 4:8).

Amo essa pessoalidade radical que é inerente à fé cristã, e que os intelectuais em geral tendem a desprezar. E, sim, a consciência dessa pessoalidade será uma das maiores ênfases de meu livro.

13 comentários:

Cristiano Silva disse...

Opa, finalmente você está escrevendo um livro! Que Deus a abençoe neste nova empreitada.

Ricardo Mamedes disse...

Norma,

Fico contente com o livro que está sendo "gestado" por você. Tenha a certeza que serei um dos seus leitores - também do livro, pois do blog sou há algum tempo.

Mas, voltando ao texto e à citação, é mesmo intrigante para os que não creem essa pessoalidade nós cristãos temos com o nosso Deus, mesmo nunca O tendo visto! É, por exemplo, o que diferencia a nossa fé com a do Islã, cujo "Alah" está distante dos súditos, inalcançável a eles.

Abraços!

Ricardo.

Norma disse...

Obrigada, Cristiano!

Obrigada, Ricardo! De fato, no cristianismo a pessoalidade é radical, pois temos um Deus que se comunica conosco e habita em nós, tendo se tornado um de nós. Isso muda tudo em relação a outras religiões, mesmo aquelas que se baseiam na lealdade pessoal a um falso deus. E é onde reside a beleza da nossa fé!

Sandro Santos disse...

Oi Norma!

Estamos com extremas saudades suas!

Ótimas notícias! Estaremos em oração por mais esta empreitada! Creio que o Senhor te usará muito, mesmo sem ter a pista sobre que assunto você abordará no livro.

Valeu pela grande citação de Rookmaaker, que esta na lista dos autores que quero ler muito em breve.

Bjão pra vc e o André!

Sandro e Aninha

Camila disse...

Parabéns! Parabéns! Parabéns!

E tomara que tenha uma pitada de Kierkegaard em algum lugar desse livro, pois essa também era uma questão central para ele. ;)

Um abração!

Leonardo Bruno Galdino disse...

Norma,

já estou contando os dias pra ver logo esse livros nas prateleiras. Vamos combinar uma coisa, quer dizer, brincar de contar: eu continuo contando os dias e você nos conta qual tema será o livro. hehe.

Quanto à citação do Hans, pior é que tem gente que acaba confundindo isso com o mau subjetivismo. Quanto a mim, achei a frase genial demais.

Abração!

Marco Antônio disse...

Olá Norma! é uma satisfação escrever aqui no seu blog. Nunca li nada do referido autor. Mas já ouvi falar dele. Espero que o seu livro sirva de edificação para o corpo de Cristo assim como suas reflexões pertinentes ao REino de Deus.

Fica na paz!

Tania Cassiano disse...

Cá prá nós, já estava me perguntando quando sairia um livro.
Que bom que nosso desejo está sendo realizado!
Tenho certeza que será muito bom.
Que Deus continue abençoando-a.
E, boa e abundante produção.
Abs.

Casal 20 disse...

Norma!!!

Portadora de boas-novas!

Felicíssimos de te ver por aqui.

Abraços sempre afetuosos.

disse...

Oi Norma, vim conhecer seu cantinho, pois ouço tanto Fabio falar que resolvi passar por aqui. Vejo que seu blog tem conteúdo, amei por demais. Que bom que esta escrevendo um livro orarei por ti minha linda. E adorei a citação acima, lindo demais. Paz querida!

Angelo Repetto disse...

Que Deus abençoe este teu novo trabalho. Estarei orando e esperando ansiosamente pelo livro...

Filipe Ivo disse...

Louvado seja Deus pelo blog pessoal , Deus esteja abençoando a todos e bela postagem
gostei muito . Venho convidar a seguir e participar do site : chamadosdedeus.com/blog Valeu Paz

Mulher na Polícia disse...

Ih! Haha!

Já sei sobre o que é o seu livro Norma.


: P