21 dezembro 2010

Dores da maternidade I

Logo no início da gravidez, detectei um sangramento. A médica acusou uma ameaça de aborto espontâneo, recomendando duas doses diárias de hormônio e repouso absoluto — ou seja, cama, cama, cama. Obediente, por mais desconfortável que me sentisse, eu não me sentava nem para comer. Recebemos visitas, os irmãos oraram, amigos e família ligavam preocupados. Foi difícil viver cada dia sabendo que podíamos perder o bebê, mas seguimos confiantes em Deus. O sangramento passou.

Agora, em repouso moderado, com 14 semanas e meia de gravidez, recebo mais uma notícia ruim, desta vez bem ruim: um “edema generalizado” em meu bebê, ou seja, uma hidropsia fetal, doença de altíssima mortalidade e às vezes nenhuma causa detectável. Na internet, encontrei grupos de apoio em que há algumas histórias com finais felizes — os bebês que sobrevivem são considerados “milagres”.

Depois do diagnóstico, fomos à médica obstetra e, descartadas outras causas (contaminação por vírus e conflitos entre meu Rh e o do bebê), sobram defeitos congênitos ou algum tipo de cardiopatia. Por enquanto, nada podemos fazer: o feto precisa ficar mais maduro, pelo menos 16 semanas, para ser examinado novamente. Até lá, o óbito é uma possibilidade nem um pouco remota. O impressionante é a raridade do fenômeno: hidropsia fetal por tais causas acomete um em seis mil bebês!

Diante de tais notícias, o que fazer? A médica comentou conosco que a maioria dos pais, escorados em uma aterradora impotência, costumam decidir incontinenti pela interrupção da gravidez. Sabendo que somos cristãos, no entanto, ela já intuía nossa negativa ao procedimento, e se viu tranquilizada ao confirmar nossa decisão final: aguardaríamos os fatos e confiaríamos em Deus. E nisso nós O glorificamos porque, praticamente “sem querer” — sem intenção deliberada —, demos a ela um poderoso testemunho, por causa do que Ele já realizou em nós.

Saindo do consultório, André e eu conversamos sobre o absurdo raciocínio que subjaz à decisão do aborto nesses casos: se o feto está doente, a solução é matá-lo de uma vez? Por que optar por medida tão drástica, se tudo pode acontecer inclusive a remissão espontânea dos sintomas, sem qualquer explicação? Imagino que, nesses momentos, ocorre algo bastante humano, pecaminosamente humano: se nos sentimos impotentes, melhor controlar alguma coisa, ainda que seja a morte. No final, para consternação e culpa gerais, muitas vezes se descobre que o aborto não era necessário, já que o bebê, ao ser retirado à força do ventre, surge saudável, contra todos os prognósticos. Mas somente o cristão, se de fato desistiu de tentar controlar o rumo dos acontecimentos e se entregou ao Criador e Sustentador de toda vida, pode chegar a tais conclusões.

E no meio da tormenta acontece aquela coisa inusitada que apenas os cristãos podem experimentar: eu e André percebemos com alegria que a fé que Deus nos deu e aprimorou ao longo dos anos nos impede resolutamente que hoje nos torturemos com a clássica e destrutiva pergunta: “Por que nós, Senhor?” Afinal, Jesus lança luzes sobre o sofrimento não respondendo à pergunta “por quê?”, mas sim “para quê”: “para que se manifestem [em quem sofre] as obras de Deus” (João 9.3). E, ainda que nosso bebê não seja curado, sabemos que “todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” (Romanos 8.28). Há propósito no sofrimento, e seu fim é sempre duplo: glorificar a Deus e nos abençoar. Como firmar-se nessa certeza? Não pela força de vontade: tal compreensão não é humana, mas sim um fruto exclusivo de Sua graça.

Que nesse final de ano, leitor, esse seja meu desejo de Natal a você: que contra todas as expectativas negativas, todas as estatísticas e todos os maus prognósticos, você possa colocar sua confiança inteiramente em Deus, dando toda a glória “Àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós” (Efésios 3.20). Amém!

27 comentários:

William Campos da Cruz disse...

Aleluia! Fiquei emocionado ao ler suas palavras, Norma! Vi o testemunho de uma famíla cristã verdadeira.

Com grande frequência, encontramos pessoas dispostas a pontificar sobre a vida alheia e a repetir slogans ocos, sem a devida encarnação existencial. Não foi isso que vi aqui. Uma coisa é repetir slogans (ainda que de causas legítimas); outra, bem diferente, é encarná-los. Fico feliz por saber que aqui há substância e não mero palavrório!
Que Deus continue a sustentá-los nessa fé e que, em tudo, Deus seja glorificado!

Norma disse...

Obrigada, William!

Sim, é o desejo mais sublime do cristão: que em tudo Deus seja glorificado, tudo mesmo!

Abraços!

Casal 20 disse...

Norma e André, amamos vocês e estamos juntos em oração.

Amigos, lendo o post, lembrei de Maria, mãe de Jesus. Ela poderia ser apedrejada até a morte, ela poderia ter sido humilhada, negada, rejeitada por causa daquela gravidez que estava totalmente fora do controle dela...

Mas ela acreditou, ela aceitou o controle de Deus sobre a vida dela, mesmo significando o descontrole dela sobre a própria vida.

Amigos, queridos amigos, estamos aqui orando por vocês.

Abraços sempre afetuosos.

Norma disse...

Sim, é verdade! E o mais bonito da história é que tal "rendição" só pode ser fruto do Espírito. Sabemos que não temos o poder de abrir mão do controle - ou seja, não controlamos sequer nosso desejo de controlar! :-)

Obrigada, and keep praying! Abração!

André disse...

Obrigado, amigos!

Não vou escrever um "Dores da paternidade", mas saibam que as orações e palavras de vocês são muito preciosas para nós. Estamos aprendendo na prática que toda vida pertence a Deus. Continuem orando por nós e pelo nosso bebê, que já é muito amado e que Deus já está usando para transformar nossas vidas.

Julio Severo disse...

Querida Norma

Não entendemos tudo na vida, mas sabemos que temos de ter para com YHWH uma fé como a de uma criança. Assim, ao enfrentar o sofrimento do seu próprio filho em gestação, você olha para o Pai celestial sem entender tudo, mas confiando — confiando a Ele sua própria vida e a vida que está sendo gerada em você.

Louvo a Deus por sua corajosa postura a favor da vida e contra o aborto. Sua postura é expressa muito bem por palavras, mas agora muito melhor por sua própria vida.

Eu e minha esposa oraremos por você e pelo seu bebê.

Um abraço com o carinho de Jesus,

Victor disse...

Norma,

Comecei a acompanhar seu blog há apenas poucos dias atrás. Desejo que o Senhor abençôe vocês três nos dias vindouros. Que Ele vos guarde e ilumine.

Em Cristo,
Victor

Lelê Carabina disse...

Fiquei emocionada também... A Esperança reside em Deus e o exercício para não cair na descrença é diário... interessante o que você colocou da necessidade humana de manter controle sobre alguma coisa ao menos. Deus abençoe seu bebê e sua gestação e seu espírito com alegria e paz para enfrentar as dificuldades. Um beijo.

Roberto Vargas Jr. disse...

Minha querida,
Obrigado por compartilhar. É um belíssimo testemunho e fiquei emocionado. Deus seja louvado por suas vidas, de vocês três.
Estamos em oração.
Beijos em vocês três de nós quatro.
No Consolador,
Roberto

bee disse...

a fé de vocês dois 'tá bem madura, é bonito de ver!
pra variar, sendo exemplos vivos da completa redenção em nosso amado Cristo Jesus.
tô na retaguarda, orando pela fé que excede todo entendimento, e porque amo os três!

Jorge Fernandes Isah disse...

Norma e André,

orando, e em lágrimas, pelo que Cristo é em vocês.

Fiquem na paz!

Grande abraço!

LICIANE disse...

Querida Norma, obrigada pela resposta ao questionamento que fiz a vc há uns dias!
Lendo a sua história, pensei: testemunhos como o seu nos fortalece! Obrigada por compartilhar aqui! Creio, mesmo, que Deus tem o melhor pra vcs!
Não passei pelo mesmo problema que vc, mas já tive dois abortos espontâneos(um antes da minha primeira filha e outro na tentativa do segundo filho), desses que começam com um simples sangramento, e já tive uma gravidez complicada por uma dilatação de colo( tive que fazer uma cerclagem, que significa dar um ponto no colo do útero); a médica que me atendeu na urgência dizia que era questão de tempo pra eu perder o bebê, que já estava com 18 semanas. Hoje, louvo a Deus pelo meu filho, um lindo menino, João Pedro, de 2 anos e 8 meses. Depois de uma semana internada, meu médico chegou de viagem ( um homem enviado por Deus e sempre muito confiante) e fez o procedimento; ao todo foram 15 dias de internação. A minha primeira filha é a Júlia, de 13 anos, uma bênção!
Todas as palavras de consolo são desnecessárias, pois vc já tem muita fé, força e sabedoria; o que podemos fazer é nos juntar a vc em oração, e isso eu farei.
Bj grande!
Liciane

Simone Quaresma disse...

Queridos André e Norma,

Lendo o post me lembrei do que passamos com o Davi: bolsa rota com 28 semanas. O médico disse que ele tinha apenas 30% de chance de sobreviver ao parto. Se sobrevivesse, teria que travar uma batalha para continuar vivo, já que era muito prematuro. Ele nasceu, sobreviveu, mas ao 8º dia o "inesperado": aspiração de leite para o pulmão, parada cardíaca e respirtória, bebê dado como morto, reanimado, dias entre a vida e a morte e por fim o diagnóstico de paralisia cerebral. Poderia não enxergar, não falar, perder a cognição, nunca andar...
E contra todas as expectativas, aí está Davi! Com 15 anos, inteligente, independente, crente! As consequencias da paralisia cerebral só afetam seus membros inferiores e apesar de toda luta, de todas as cirurgias pelas quais já passou e ainda passará, é um menino feliz. Não nos vemos sem ele! Somos gratos a Deus por todas as dores e tristezas que temos por ter um filho deficiente físico. Tudo isso nos fez crescer, nos fez chegar mais perto de Deus, fez Davi reconhecer a condução de Deus em sua vida. Me lembrei da aula de domingo sobre os decretos de Deus! a Confissão de fé de Westminster diz assim:"Desde toda a eternidade e pelo mui sábio e santo conselho da sua própria vontade, Deus ordenou livre e inalteravelmente tudo quanto acontece..." Aleluia! Que segurança maravilhosa!
Desculpe o testamento, amiga, mas este assunto mexe demais comigo! Quem passa pelo que vocês dois estão passando e de forma tão íntegra, leva estas boas marcas para sempre em si! Amamos vocês e estamos orando!

Coelho Jr disse...

Prezada Norma, saiba que eu e minha congregação em Belém estaremos orando por vocês. Porém vejo que o Senhor Deus já está sendo glorificado pela forma bíblica em que estão encarando a situação. Que a graça os fortaleça mais e mais e que toda a honra seja dada a Ele, nosso Amado Senhor que cuida de nós!

Suenia disse...

Olá Norma, tive acesso a seu texto por meio do facebook de uma amiga. Fiquei muito tocada por suas palavras, pois como mãe sou capaz de imaginar os sentimentos paradoxais que devem estar tomando conta do seu coração. Que o Senhor seja sua força e seu porto seguro, nesse momento.
Estarás em minhas orações tbem.
Que Deus seja engrandecido por compartilhar tão genuíno testemunho.
Em Cristo,
Suenia Almeida

anninhabarros disse...

Olá, Norma...

Vez ou outra passo pelo seu blog, vc eh bem conhecida pelo seu testemunho cristão e isso eh evidente no texto exposto agora.

Meus pais passaram pelo que vc e seu esposo estão passando quando a mamãe contraiu rubéola e os médicos sugeriram aborto... mas aqui estou, viva e feliz com a graça de Deus.

Se Ele quiser, assim será com vocês e seu bebê, e se não, continua sendo tudo para honra e glória dEle.

Forte abraço,
Anna Barros

Mulher na Polícia disse...

Querida...

Muito triste essa notícia.
Muito triste.
E eu tenho uma ideia de como você se sente...

Não tô acostumada a ver você tão fragilizada e fico triste demais. Mas o que me conforta, amiga, é saber que tá tudo nas mãos de Deus, como deve ser.

Difícil, eu sei, flor, mas você só precisa esperar Deus fazer tudinho do jeito certo. Deus já conhece intimamente o seu "pequeno", o ama muito, e sabe de todas as coisas.

Vou pedir muita força e fé pra vocês todos os dias, tá, minha linda.

Cuidem um do outro.
Bjo, bjo.

Leitão disse...

Norma e André,
Passei para deixar um abraço afetuoso.

Em meio a dor transparece o quão profundo tem sido o moldar de Deus em suas vidas.

Vamos nos juntar aos muitos que estão orando por e com vocês.

Filipe e Juliana Leitão

"Alegrai-vos com os que se alegram e chorai com os que choram. Rm 12:15"

Aprendiz disse...

Norma

Eu e minha esposa vamos orar sempre por vocês. Estamos tristes, mas confiamos em Deus, que sabe todas as coisas. Confia no Senhor de todo o teu coração e de toda a tua alma, e ele tudo fará.

Ivânia e Renato

PAULO HENRIQUE disse...

Norma,gostaria que você visse esse vídeo.
http://iprodigo.com/videos/a-historia-de-zac-smith.html

Helder Nozima disse...

Norma e André,

Estou orando...e pedindo orações também. Obrigado por se disporem a fazer a vontade de Deus e por testemunharem a fé que vocês depositam n'Ele. Nós não podemos fazer muita coisa, mas estamos com vocês.

Graça e paz do Senhor,

Helder Nozima
Barro nas mãos do Oleiro

Allen Porto disse...

Olá Norma e André,

Percebendo outras histórias de encorajamento, pensei que poderia fazer o mesmo.

Minha mãe, grávida de mim, foi contaminada com o vírus da rubéola. Os riscos eram muitos, e várias pessoas - inclusive o médico - recomendaram que abortasse.

Meus pais decidiram deixar que Deus resolvesse a história conforme a Sua vontade, e, pela graça de Deus, nasci "normal" (eu nunca me achei muito normal, hehe).

Digo estas coisas para lhes dar esperança e força. Deus pode fazer com o seu bebê o que fez comigo. De todo modo, quer as coisas saiam ou não como esperamos, Ele está no controle, como vocês já demonstram crer.

E assim me uno a vocês em oração, pedindo ao Pai que glorifique o Seu nome em sua vida.

Um grande abraço.

Urbano Rural disse...

Norma,
uma coisa já é certa: há mais uma vida diante de Deus, que Ele conheceu antes de estender os céus e fundar a terra. Deus será glorificado e Seu nome será bendito entre aqueles que conhecerão o Seu poder. Há tempo para tudo debaixo do céu, e agora é tempo de esperar. Esperar para ver como Deus fará, como agirá quando nosso controle é pequeno ou até inexistente. Deixo-lhe o que o Senhor tem me mostrado ao longo destes 18 recentes anos: Faça o que estiver ao seu alcance que do impossível aos homens cuido eu.
Que o Senhor esteja com vocês e que Seu nome seja honrado e temido por todos quantos Ele tocar.

Abraços fraternos - Euclides
PS: Aos que apelam para o controle humano, Deus continua Soberano:
http://www.youtube.com/watch?v=kPF1FhCMPuQ

Gabriela Costa disse...

Meus amados amigos, Norma e André,

Como é maravilhoso este consolo que só Deus pode nos dar. Não há nada a ser feito, como é bom estar nas mãos de quem já fez tanto por nós e jamais nos abandonará! Estamos seguros! Não há nada a temer! O Senhor Deus, o Todo Poderoso, é Ele quem cuida de nós, a que e a quem temeremos! Eu amo vocês. Um grande beijo no coração.

Ricardo Mamedes disse...

Norma e André,

Eu e a minha esposa estamos orando por vocês e pelo seu filhinho. Estendemos à igreja o mesmo pedido de oração.

Confiamos plenamente que o Senhor há de cumprir em suas vidas todos os seus desígnios - tudo cooperando para o bem de vocês, que amam a Deus.

Grande abraço e que Deus os abençoe sempre.

Ricardo e Luciana.

Luciano disse...

Norma e André,
Nesse primeiro dia do ano li esse seu post, e chorei, não tomado de algum sentimentalismo diante de uma história triste, mas de alegria diante de um testemunho de vida, da única pela qual nos importa viver, a do nosso soberano Deus.
Estaremos em oração por vocês e pelo bebê.
Um feliz 2011.
Abraços,
Luciano.

Tiago Abdalla disse...

Norma,

fico feliz com o testemunho e firmeza de vocês, confiando e se entregando ao Fiel Criador.

Realmente, o que nos consola é saber que nada, absolutamente, nada pode nos separar do amor daquEle que não poupou o Seu próprio Filho em nosso favor (Rm 8.31ss).

Que o Senhor continue a lhes dar força e a demonstrar Seu cuidado e presença em suas vidas.

Abraços,

Tiago Abdalla