23 junho 2006

Artigo no MSM: A verdadeira solidariedade a Cuba

Saiu artigo meu no Mídia sem Máscara: A verdadeira solidariedade a Cuba.

Resumo: Já que o filme Lost City é o primeiro relato cinematográfico da história cubana que não consiste em peça de publicidade socialista, seria um tremendo ato de solidariedade a Cuba divulgá-lo, para mostrar o que realmente ocorreu por lá.

Boa leitura!

25 comentários:

Eliot D. Chambers disse...

Enquanto uns fincam os olhos na realidade nua e crua da ilha comandada despoticamente pelo dono de uma das maiores fortunas do planeta, (segundo a Forbes) o jus resmungandi corre solto nos gueto virtuais onde a ideologia assassina aprisiona as mentes...

Eita, cabresto..

Anônimo disse...

OS TRABALHADORES DA VINHA DORMIRAM E QUANDO ACORDARAM VIRAM A VINHA TODA CONTAMINADA.
DURANTE O SONO A PRAGA TRABALHOU E SE ORGANIZOU PARA ATACAR A VINHA,
O TRABALHADOR SÓ SE DEU CONTA QUANDO ELA JÁ DOMINAVA TUDO.
FICAR FALANDO, PENSANDO, ESCREVENDO NÃO VAI ADIANTAR, TEM QUE AGIR, COMO FEZ A PRAGA, AGIU E DOMINOU TUDO.

Anônimo disse...

Adorei o seu blog! Criativo e gostoso de ler.
O meu, não está revisado, viu? rs...
Adorei.
Parabéns.
Bjs,

Bagli

Fábio José disse...

Eu adoro Cuba. Suas prostitutas possuem curso superior (palavras de Fidel Castro) e os mordomos de hotéis são neurocirurgiões renomados. Não entendo o porquê de criticarem tanto a educação cubana.

Aliás, lembrei-me de uma piada:

Um pelotão americano e outro cubano estavam disputando quem possuia a maior bravura. O tenente americano mandou um soldado vir à frente do pelotão e disse:
- Soldado, enfie a ponta de sua baioneta no pé, agora !
O soldado assim o fez, sem emitir um grito. Então o tenente pergunta:
- Soldado, sente dor ?
- Senhor, não, senhor !
- Porque, soldado ?
- Senhor, porque um soldado americano é treinado para suportá-la, senhor !

Invejoso, o tenente cubano ordenou que um soldado fizesse o mesmo. Após enfiar a baioneta no pé (também sem emitir qualquer gemido), o tenente perguntou:
- Soldado, sente dor ?
- Senhor, não, senhor ?
- Porque, soldado ?
- Porque a fábrica de calçados de Havana produz botas apenas de número 40, e eu calço 36, senhor !

Nicolás Águila disse...

Os cubanos precisamos de essa solidariedade, hoje como nunca. A gente fica sorprendida de ver como tantos tontos idolotram o Che Guevara --um dos maiores verdugos (carrascos?)da sangüinâria revoluçäo de Castro e um dos homens mais violentos da história contemporânea. Em Brasil repetem muito a frase dele "enternecerse sin perder la ternura", porem näo conhecem a sua definiçäo do bom revolucionârio como "uma máquina precisa de matar, perfeitamente azeitada".
Lutem contra a proibiçäo do filme "Lost City" do Andy Garcia, näo apenas por Cuba mais pelo Brasil mesmo e por toda America Latina. Um assessino que se preciava de ser um carrasco implacável näo merece ser tratado omo um mito. Saludos desde Madrid, Nicolas

Norma disse...

Verdade, Eliot!

Ué, Anônimo, falar e escrever não são ações? O que você recomenda então?

Obrigada, Bagli! Você só não deixou o endereço do seu...

Nicolás, seu testemunho é muito importante para nós brasileiros, que ficamos isolados, sem contatos importantes, com cubanos que possam nos contar o que é de fato o regime. Obrigada por suas palavras e volte sempre!

Rodrigo Xavier disse...

Olá Norma,

Somos formados na universidade a pensar sobre vencidos e suas batalhas. Mas sempre com o propósito de nos afastar do ideal de democracia e liberdade.

Regimes políticos que se baseiam na igualdade promovem assassinatos cotidianamente.

Abraço.

Eduardo Levy disse...

Olá.
Ah, depois que censuram "Adeus Lênin", cortando para o público brasileiro a cena do pôster do Chê retirado do lixo, o que á o abafamento de um filme? E ainda tem gente que acha que vivemos numa democracia!

Nicolás Águila disse...

LA HIENA DE LA CABAÑA

Un espectro recorre el mundo desde fines de los años 60: la foto del Ché Guevara. Convertida en banderín de enganche de los jóvenes contestarios, esa imagen reproducida hasta la náusea en pósters y camisetas, se ha instalado en el panteón de la mitología revolucionaria como santo varón canonizado por la izquierda. Es sin duda un icono del siglo XX.

El mítico guerrillero es venerado como un ser celestial a pesar del conocido papel de verdugo que tuvo en el baño de sangre con que se inauguró la revolución castrista. El aventurero de origen argentino --que se ganó muy pronto la confianza de Fidel Castro al ofrecerse para la primera ejecución sumaria en la guerrilla de la Sierra Maestra-- entró en La Habana en 1959 ya con los grados de comandante. E inmediatamente se hizo cargo de la jefatura de La Cabaña, una tenebrosa fortaleza colonial donde fueron ejecutados centenares de reos, primero batistianos y después opositores anticastristas, condenados por ‘contrarrevolucionarios’ en juicios sumarios sin las mínimas garantías procesales. La mayoría, por cierto, no pasaba de 25 años.

Hubo ocasiones en que los llamados tribunales revolucionarios sentían remordimientos de conciencia a la hora de dictar sentencias de muerte o largas penas de prisión con base en acusaciones infundadas. Uno de ellos, presidido por el comandante Félix Pena, se atrevió a absolver por falta de pruebas a un nutrido grupo de pilotos de la fuerza aérea prerrevolucionaria. Pero el propio Fidel Castro declaró nulo ese juicio y ordenó la formación de otro tribunal para ‘juzgar’ de nuevo a los pilotos. Los condenaron esa segunda vez y el comandante Pena, abogado y guerrillero de la Sierra Maestra, terminó ‘suicidándose’.

Ché Guevara carecía de los escrúpulos de Félix Pena y, en su condición de máximo responsable de los fusilamientos de La Cabaña, exigía que en los juicios sumarios prevaleciera el celo más militante por encima de cualquier consideración de orden jurídico. En las sentencias prefabricadas, que él mismo revisaba y aprobaba, no cabía el titubeo de la duda razonable ni ningún otro rezago de la ‘justicia burguesa’. Su divisa no era "en la duda, abstente", sino la implacable de los tiempos de la Sierra Maestra: "ante la duda, mátalo".

Sus órdenes, por otro lado, no siempre estaban exentas de esa ‘fina ironía’ que cautivó a más de un intelectual a ambos lados del Atlántico. En ocasiones mandaba al paredón escribiendo esta nota breve y terminante: "Dale aspirina".

La macabra aspirina del Ché cundió tanto que se le llegó a administrar incluso a antiguos compañeros de armas. Quizás por eso no estuviera tan errado el poeta Roque Dalton cuando proclamó a todo pecho que "el socialismo es una aspirina del tamaño del sol." Tiempo después él mismo pudo comprobar en carne propia lo que es la aspirina socialista según la receta del doctor Guevara. Nada menos que sus propios camaradas de la guerrilla se lo pasaron sumariamente por las armas.

Otra frase del Che Guevara, "endurecerse sin perder la ternura", ha causado fascinación entre muchos latinoamericanos, tal vez por sintetizar la visión idealizada del bandolero gallardo o por el atractivo que ejercen sobre las masas las cursilerías rotundas, pero sobre todo por no entenderse bien que ‘endurecerse’ significa, en clave guevarista, aplastar sin piedad al adversario político. O dicho con las palabras que el propio Guevara usó para definir el papel de un buen revolucionario, endurecerse es convertirse en "una efectiva, violenta y selectiva máquina de matar a sangre fría".

El Ché alcanzó la categoría de mito por encarnar las actitudes iconoclastas de una época turbulenta en que los jóvenes del mundo occidental, combinando el rock y la droga con la gamberrada política, se forjaban nuevos ídolos representativos del radicalismo que marcó los años 60.

También se explica, desde luego, por el hecho de haber muerto relativamente joven en lo que suele percibirse como una aventura quijotesca. Pero más que nada por el impacto de una foto que le tomaron siete años antes de su muerte, donde aparece con estampa de poeta romántico, muy al gusto de aquellos años hippies. Una de las pocas fotos suyas, por cierto, en que no sobresale su notable parecido físico con Cantinflas, el famoso cómico mexicano.

Pero a casi cuatro décadas de la muerte del Ché Guevara, la distancia histórica ofrece suficiente perspectiva crítica como para tirar la famosa foto en el mismo basurero adonde fue a parar la utopía sangrienta que le sirvió de marco.

Así y todo, la ‘chemanía’ se resiste a desaparecer, estimulada por la frivolidad de la izquierda y por la falta de escrúpulos de los que comercian con la lucrativa imagen. Incluso ha repuntado ahora con el Oscar a la mejor canción concedido a una película que presenta al joven Ché como atorrante transandino en moto por América del Sur.

La idolatría del verdugo castrista es uno de esos contrasentidos de que se nutre el ‘ideario antimperialista’. ¿Cómo entender a esos pacifistas que protestan contra la guerra de Irak al tiempo que enarbolan la efigie de una figura que predicaba la violencia sistemática?

No hay que perder la ternura, pero tampoco hay que enternecerse con una foto que no revela la dimensión sanguinaria del Ché -- un espectro que recorre el mundo y que los cubanos llamamos la Hiena de La Cabaña.
nicolasaguila@yahoo.com

Por Nicolás Aguila
publicado en:
La Nueva Cuba, USA
Marzo 2, 2005

HP disse...

Norma

Cheguei aqui através do excelente blog da Santa, sobretudo pelo não menos excelente comentário seu com importante indicação.

Também comungo com a desmitificação do falso mito. Fidel Castro transformou Guevara no "bom revolucionário", como para expiar um indisfarçável sentimento de culpa, numa espécie "arcanjo da revolução" e tem ganhado muito dinheiro explorando os incautos turistas que vão à Cuba atrás de "ver" o monumento criado em homenagem a um mega-assassino, um guerrilheiro fracassado que só se deu mal em todas as investidas que fez pelo mundo afora.

Deste falso "bom revolucionário" sabe-se que ordenou o fuzilamento em Cuba de 500 a 1700 prisioneiros e pessoalmente foi responsável pelo assassinato de 179 pessoas, cujos dados foram obtidos pelo Dr. Armando Lago, confirmados com nomes e datas, através de duas ou mais fontes de informação idôneas, livros e jornais.

Para os ainda devotos sugiro a leitura do artigo de Graça Salgueiro vem estudando o regime cubano e suas articulações com o processo socialista na América Latina, e a participação do regime de Havana na crescente cubanização e colombianização do Brasil.

Santa disse...

Norma,
Parabéns pelo seu artigo!Excelente.
Bjs

Norma disse...

Obrigada pelo texto, Nicolás!

É isso aí, Helena, Santa: o que pudermos fazer para restabelecer a verdade sobre a "Hiena de La Cabaña", conforme Nicolás contou, faremos. Essa idolatria a um assassino faz mal à alma.

Jorge Arbusto Sr. disse...

Convido-a a visitar o meu blog, "Direita Conservadora", no seguinte endereço:

http://novadireita.blogspot.com

Marcio Estanqueiro disse...

Excelente artigo Norma!
Assim como não vimos o "Celsius 41.11" que desfez toda mentira de Michel Moore com seu Fahrenheit 911, tenho certeza que "Lost City" também não veremos por aqui. É a "liberdade socialista" cada vez mais atuante na construção da "pátria grande". Que Deus nos livre desse pesadelo!

Neto disse...

Era Marx Satanista?

Eu considero essa discussão um retrocesso e fora das questões que devem ser debatidas, que são as idéias de Marx sobre o Comunismo e sobre o Capitalismo.

Falar da vida pessoal de Marx ou de Keynes como forma de desqualificar suas idéias é uma estratégia vergonhosa e que os liberais costumam usar. Procurando desqualificar as idéias de determinados economistas por caminhos dúbios.

Anônimo disse...

Norma,
li seu artigo 'Era Marx satanista?', publicado no Mídia Sem Máscara e republicado no Indymedia-Portugal ( http://pt.indymedia.org/ler.php?numero=82482&cidade=1 ), e achei excelente! Continue sempre nos brindando com seus textos de luz!
Abraços.

Ribeiro disse...

Olá Norma.

Fiquei deveras deprimido com o seu artigo "Era Marx Satanista?". Não que esse tipo de coisa me espante. Como leitor do Mídia Sem Máscara, lembro-me que um tal Huascar (esqueci o sobrenome) "cometeu" um artigo onde buscava revelar as supostas "origens satânicas do marxismo". Acabou chegando a um objetivo paralelo: seu texto é um clássico do humor involuntário.

No seu caso, como adiantei, a coisa vai da comédia à tragédia. Você não parece ser uma pessoa digna de risadas. Neste caso, isto é muito mau.

Em suma: seu texto faz uma leitura para lá de tendenciosa da vida de Marx, estabelece relações sem sentido, dá explicações "non sense" para os fatos e cai na vala comum da "técnica do espantalho" e da devassa na vida do adversário. Ou seja, coisa de debate eleitoral mediado pelo João Kleber, não para uma garota que, tudo indica, é inteligente.

Seria muito cansativo elencar aqui todos os absurdos do seu artigo. Seguem, então, três questões elementares (estou à disposição para novos esclarecimentos, claro):

1) Você parece não considerar a distinção entre o "jovem Marx", idealista (ou mesmo pré-materialista) neohegeliano, e o Marx dos suas obras melhores acabadas teoricamente. Nem sei se sabe disso. Todo caso, é importante dizer que, no caso do primeiro, essa postura anti-Deus faz sentido. Para o segundo, é uma besteira sem tamanho. Conclusão: se alguém resolver fazer minha biografia, espero que não dê ênfase nas bobagens que fazia quando adolescente (veja só: eu gostava de bandas de heavy metal satânico!).

2) Da forma que você coloca no texto, fica a impressão de que Bakunin era um companheiro íntimo de Marx - um amigão. Como sabe-se, Marx era, por assim dizer, inimigo político de Bakunin dentro da internacional. Além disso, não existe qualquer aproximação teórica que justifique a citação do primeiro. O leitor atento fica com a clara sensação de que você forçou deliberadamente uma relação falsa a fim de justificar seu argumento.

3) Não sei se é omissão ou ignorância, mas as mesmas cartas que servem para mostrar os defeitos de Marx (e eram muitos), poderiam servir para revelar, por exemplo, o quão deprimido ele ficou com a morte dos seus filhos. Outrossim, acusar alguém por não conseguir sustentar sua família me parece algo bastante desumano e anti-cristão. Minhas referências biográficas permitem-me concluir que Marx era um sujeito com inúmeros defeitos, que fez um monte de bobagens, e com um sério problema de temperamento. Me identifico bastante com ele (assim como quase todo ser humano neste mundão). Nem por isso me julgo uma alma degenerada. Sua análise é muito maniqueísta neste sentido.

Lamento pelo tamanho da crítica. Como professora de português, deve saber que é um defeito muito grave escrever demais. Aliás, se puder me ensinar umas lições de síntese, desde já agradeço.

Com votos de estima e consideração.

Andréa Freire disse...

(off topic)
Li seu texto no MSM, "Era Marx satanista?"
Gostei mesmo! Você escreve com muita firmeza! Clareza, com fontes, o que dá credibilidade ao seu texto...
Quanto ao conteúdo, interessante, revelador... lúcido... Para mim é irritante, contraditório, imbecil (desculpe o termo) quem diz que socialismo e cristianismo podem dar as mãos...
A história diz que não. A verdade da fé diz que não. Jesus mostra que não. A realidade política mostra que não.
O socialismo se infiltra com discursos disfarçados... ganha novas roupagens... mas continua sendo o joio, o fel, a grande enganação, o mal.
Continue revelando a verdade,com seu conhecimento humano e sabedoria de Deus.
Abraço.
* Desculpa deixar um comentário aqui, mas é que não te encontrei no orkut...

Paulo Alexandre disse...

Prezado Neto,

Dado que o que uma pessoa escreve reflete quase (?) sempre suas próprias motivações, é, sim, interessante conhecer a biografia de Marx, de Keynes, de Roberto Campos, de Olavo de Carvalho, de Charles Darwin, de Charles Lyell, de Martinho Lutero, do apóstolo Paulo ou de quem quer que seja. Não concorda?

Se biografia não lhe interessa, talvez um exame da obra completa de um autor, pretensamente dissociada da essência da mente que a produziu, possa dar indícios sobre uma continuidade temática ou um objetivo fundamental que possa ser mais profundo do que poderia indicar a leitura isolada de um ou outro tomo. Se, por mero exemplo, Marx vociferava contra a fé cristã e contra alguns costumes europeus antes de analisar o capital e propor o Manifesto Comunista, não seria possível que O Capital e o manifesto já estivessem no nascedouro impregnados de preconceitos e indisposições e que adquirissem caráter instrumental na declarada vontade marxista de abolir o cristianismo e, em suas próprias palavras, destruir uma civilização que ele abominava (sabe-se lá por que motivo)? Não há nisso uma continuidade temática? Se houver, não valeria a pena saber o porquê?

Não sou o dono do blog, mas muitos dos que lemos o Mídia sem Máscara e, ainda mais, dos trocamos idéias com a Norma -- pois não somos vaquinhas de presépio e nem sempre lhes damos apenas aplausos, muito menos cegos aplausos -- somos cristãos, antes de tudo, e conservadores, que prezamos não o capitalismo, mas a liberdade individual limitada por princípios claros de bem e mal que, não por acaso, são muitas vezes chamados coletivamente de moral cristã. Marx nos ataca não apenas de forma material e econômica -- aliás, esta é a forma que menos nos afronta essencialmente --, mas ataca a nossa fé primordial e o modo como acreditamos que cada ser humano deve, independentemente da fé que tenha, cuidar de sua própria vida. Isso, por si só, já bastaria para que nos preocupássemos com Marx em mais do que apenas o que escreveu sobre Economia.

Apesar disso, quero crer que, como cristãos conscientes, os que aqui opinam sigam a instrução apostólica de examinar tudo e reter o que é bom. Se há algo de bom em Marx -- e aqui falo de essência, não de aparência, e distingüir um do outro pode ser um bocado difícil --, que isso se aproveite; mas que o resto seja, como convém, descartado.

Quanto a sua acusação direta, sugiro um exame consciente da aplicação do método usado para desqualificar oponentes, que você atribui apenas aos liberais. Ao lado de bonecos de palha, é um método freqüentemente usado por muitos na esquerda. Mas também não se restringe à esquerda nem a um campo específico do conhecimento; a História está cheia de maus exemplos, de todos os lados. Não incorra no mesmo erro, se dele não gosta. Eu já havia lido uma parte do material em que a Norma se baseou para escrever o artigo dela. Assim como esse, aquele material não tinha a menor intenção de discutir Política, Economia ou Sociologia, mas era um material religioso, escrito como testemunho de alguém que, pelo "crime" único de ser cristão, padeceu horrores atrás da cortina de ferro, por recusar-se a rezar pela cartilha marxista, não no que ela tinha de político-econômico, mas nas idéias de Marx sobre religião, porque dessa cartilha não se fazia concessões de espécie alguma aos "opiados" cristãos romenos.

Se o "bom marxista" -- como era Ceauşescu -- toma Marx em sua integralidade, penso que o bom anti-marxista deve também conhecer um bocado mais sobre Marx do que a propaganda socialista costuma falar sobre ele.

Um abraço.
Paulo

Anônimo disse...

Quanta babuseira, assim como MSM, de onde cheguei aqui, é esse Blog é a "fina flor" da direita conservadora, que acredita ser a dona da verdade e do mundo. Assim como o "maxismo" é seria o que vocês apregoam, os "evangélicos" (?), com grande representação no Brasil pela Universal do Edir Macedo, apregoa, também, ou mais, o totalitarismo religioso. Mantendo à cabresto uma horda de seguidores cegos e surdos, capazes de comprar o seu terreno no céu. Fanáticos que dão de mãao beijada o suór do seu trabalho a uma corja de usurpadores da boa vontade e ingenuidade alheia. Poi é uma pena que a internet acete qualque coisa. sei que não vão publicar meu comentário, o que mostra sim, o sectarismo antidemocratico aqui representado. Boa viagem!

Norma disse...

Ribeiro, muito do que eu poderia lhe dizer o Paulo Alexandre já disse em sua resposta ao Neto. Algo porém gostaria de comentar: você pareceu minimizar muito a ascendência satânica na vida de Marx - algo que para mim é perfeitamente óbvio (ah sim, cristãos sabem da existência do demônio, Jesus expulsou uma porção deles), mesmo que não tivessem descoberto esse monte de confluências mais evidentes entre satanismo e marxismo. E isso por um único motivo, que menciono no artigo: o resultado - morte da transcendência, fim da fé, em escala coletiva - da concretização das idéias marxistas. Não dá para comparar a fase adolescente das bandas de heavy metal com o que um único autor conseguiu produzir, em vários países, com o comunismo. Você deveria se lembrar do adágio "idéias têm conseqüências", ou daquele de autoria do mestre Jesus, "Pelos frutos conhecereis a árvore". Quem sabe assim deixa de ver uma pulga onde existe claramente um elefante, ou uma manada deles.

Norma disse...

Anônimo que escreve "babuseira":

Em primeiro lugar, não há dolo nenhum em ser de direita; se a esquerda demonizou a direita para fazer o que o PT está fazendo, sinceramente, prefiro mil vezes ser chamada de direitista (embora rejeite o rótulo, o que nem vem ao caso). Em segundo, se você conhecesse um mínimo que fosse dos evangélicos, saberia que há uma crítica quase unânime à Igreja Universal por causa de seus métodos e sua ênfase no dinheiro. E, em terceiro (e mais cômico), você acha "uma pena que a internet aceite qualquer coisa" - o que significa que defende o controle da informação na rede, algo tipicamente totalitarista - e logo em seguida reclama que não publicarei seu comentário por ser meu blog "antidemocrático". Para sua vergonha, pois, publico-o e ainda ganho moral para dizer: antidemocrático é você. Boa viagem também, mas vê se enxerga por onde anda, viu?

Conde Loppeux de la Villanueva disse...

Era Marx Satanista?

Eu considero essa discussão um retrocesso e fora das questões que devem ser debatidas, que são as idéias de Marx sobre o Comunismo e sobre o Capitalismo.

COnde- Eu tb acho exagero afirmar que Marx fosse satanista na juventude, ou que isso seja determinante no conteúdo doutrinário de suas idéias. Todavia, a vida pessoal de um autor influencia, de alguma forma, nas suas obras. Marx falsificou dados do Capital, mentia quando era conveniente justificar suas idéias e seu legado é um dos mais desastrosos da história humana. Matou-se milhões de pessoas pelo nada. . . e isso foi Marx na pràtica!

Se atentarmos a um conceito alegórico de Marx, de fato, sua ideologia de onipotência estatal e de violência tem algo de diabólico, perverso e destrutivo. Deu no que deu!

Falar da vida pessoal de Marx ou de Keynes como forma de desqualificar suas idéias é uma estratégia vergonhosa e que os liberais costumam usar.

Conde- Se a desonestidade pessoal deles encarna nas idéias que eles apregoam, a vida pessoal é importante pra ser estudada.

Procurando desqualificar as idéias de determinados economistas por caminhos dúbios.

Conde- Se eles são mentirosos, falsários ou desonestos, isso naõ desqualifica suas idéias?

Conde Loppeux de la Villanueva disse...

Fiquei deveras deprimido com o seu artigo "Era Marx Satanista?". Não que esse tipo de coisa me espante. Como leitor do Mídia Sem Máscara, lembro-me que um tal Huascar (esqueci o sobrenome) "cometeu" um artigo onde buscava revelar as supostas "origens satânicas do marxismo". Acabou chegando a um objetivo paralelo: seu texto é um clássico do humor involuntário.

Conde- Interessante, pois humor involuntário é alguém se posar de alguma moralidade presumida, enquanto sabemos quais são as consequências reais e não ideais do marxismo: gulags, expurgos, assassinatos em massa, genocídios e toda sorte de crimes. Euposso até concordar que Marx não adorasse diretamente o demônio, mas no melhor estilo de Dostoievski, as suas teorias e práticas encarnam um. ..

No seu caso, como adiantei, a coisa vai da comédia à tragédia. Você não parece ser uma pessoa digna de risadas. Neste caso, isto é muito mau.

Conde- O Sr. é marxista? Se for, é um cúmplice de qualquer crime que essa ideologia inspirou: vc não é nada diferente do nazista, que depois de Auschwitz e Treblinka, ainda defenda um nazismo bonzinho! De alguma forma, sua inspiração intelectual marxista leva aos Gulags, a Kolyma, a Pol Pot, a Mao, e toda sorte de porcarias criminosas que MArx ajudou a inspirar com suas asneiras. ..

Em suma: seu texto faz uma leitura para lá de tendenciosa da vida de Marx, estabelece relações sem sentido, dá explicações "non sense" para os fatos e cai na vala comum da "técnica do espantalho" e da devassa na vida do adversário.

Conde- Vamos ver se entendi: se um estelionatário desonesto apregoe uma ideologia que vc ache bonitinha, logo, a vida pessoal dele nada tem a ver com oque ele prega? Aqui entre nós: vc acredita na devoção cristã do Edir Macedo?!

Ou seja, coisa de debate eleitoral mediado pelo João Kleber, não para uma garota que, tudo indica, é inteligente.

Conde- Coisa digna de petista safado! Rotular sem argumentar! Estou esperando uma contestação séria, e não argumentos ad hominens. . .

Seria muito cansativo elencar aqui todos os absurdos do seu artigo.

Conde- Está sendo cansativo vc rosnar, rosnar e não afirmar absolutamente nada!

Seguem, então, três questões elementares (estou à disposição para novos esclarecimentos, claro):

Conde- Vamos ver as pérolas. . .

1) Você parece não considerar a distinção entre o "jovem Marx", idealista (ou mesmo pré-materialista) neohegeliano, e o Marx dos suas obras melhores acabadas teoricamente.

Conde- Eu não vejo muita diferença qualitativada. . .

Nem sei se sabe disso. Todo caso, é importante dizer que, no caso do primeiro, essa postura anti-Deus faz sentido. Para o segundo, é uma besteira sem tamanho. Conclusão: se alguém resolver fazer minha biografia, espero que não dê ênfase nas bobagens que fazia quando adolescente (veja só: eu gostava de bandas de heavy metal satânico!).

Conde- O problema é que Marx fez bobagens a vida toda. . .mas é aquela história, o que substancialmente Marx mudou nesse meio tempo, já que ele apenas sistematiza tudo aquilo que já conhecemos na realidade? Aliás, Marx apenas sistematiza em suas obras, a sua técnica de analisar dialeticamente a história, nadamudando substancialmente aquilo que ele apregoou, e a postar "justificativas" para a derrocada do capitalismo, já que faz parte do processo histórico dialético que tanto apregoa. A escatalogia messiânica da história em Marx não parece mudar na sua velhice, mas apenas se solidificar. Essa historieta de que Marx modificou uma coisinhas ali e acolá é pura picuinha de trupe marxistinha. É cada grupo marxista que busca num escritor prolixo e confuso em Marx, uma nova reinterpretação do profeta, como que para justificar cada nova onda de fracassos.

2) Da forma que você coloca no texto, fica a impressão de que Bakunin era um companheiro íntimo de Marx - um amigão. Como sabe-se, Marx era, por assim dizer, inimigo político de Bakunin dentro da internacional.

Conde- Briguinhas de patotas. . .

Além disso, não existe qualquer aproximação teórica que justifique a citação do primeiro. O leitor atento fica com a clara sensação de que você forçou deliberadamente uma relação falsa a fim de justificar seu argumento.

Conde- Tadinho dele!

3) Não sei se é omissão ou ignorância, mas as mesmas cartas que servem para mostrar os defeitos de Marx (e eram muitos), poderiam servir para revelar, por exemplo, o quão deprimido ele ficou com a morte dos seus filhos.

Conde- Não foi o caso com sua mãe e seu amiguinho Engels, já que quando o mesmo relatou a morte de sua amante, o interesseiro ainda foi pedir dinheiro. . .

Outrossim, acusar alguém por não conseguir sustentar sua família me parece algo bastante desumano e anti-cristão.

Conde- Marx não sustentava a família pq era preguiçoso e inepto, não pq fosse necessariamente pobre. Isso pq ele teve alguém pra viver às custas dele: o ricaço Engels. . .

Minhas referências biográficas permitem-me concluir que Marx era um sujeito com inúmeros defeitos, que fez um monte de bobagens, e com um sério problema de temperamento. Me identifico bastante com ele (assim como quase todo ser humano neste mundão). Nem por isso me julgo uma alma degenerada. Sua análise é muito maniqueísta neste sentido.

Conde- Se vc se identifica com o materialismo marxista, com a pessoa do Marx e com o que ele apregoa, vc provavelmente se identifica com as consequências daquilo que ele apregoou, ou seja, as ditaduras totalitárias que foram inspiradas nele.

Lamento pelo tamanho da crítica. Como professora de português, deve saber que é um defeito muito grave escrever demais.

Conde- É o defeito seu e de Marx. ..

Aliás, se puder me ensinar umas lições de síntese, desde já agradeço.

Conde- Vc é a síntese do nada. . .

Com votos de estima e consideração.

Conde- Lembrança ao tio Karl no inferno!

COnde Loppeux de la Villanueva disse...

Vcs ja perceberam uma coisa? Que a esquerda não gosta que façam uma devassa bibliográfica nos seus ídolos, precisamente pq eles desejam tão bem a humanidade, sendo péssimos com homens individuais? Lenin fuzilava pelo bem da humanidade! Bakunin era um bêbado fanfarrâo, incestuoso com a propria irmã! Marx defendia o proletariado e nem sequer olhava para seu filho bastardo com sua empregada doméstica! Stálin matava de fome, num ideal que prometia gerar abundância! ! Mao era outro sádico! Pol Pot queria criar o novo homem, fazendo caveiras e valas comuns de cadáveres por ondeo passou. . . e Trotsky dizia que a moralidade "dele" não era a "nossa" e liquidava tantos quantos fossem necessários para obem da humanidade!

estudar o histórico de esquerdistas mostra o quanto eles eram um desatre como pessoas. ..e a esquerda morre de medo disso!